domingo, 25 de fevereiro de 2024

O SEGREDO DE UM BOM SERMÃO (ILUSTRAÇÃO)

 


O SEGREDO DE UM BOM SERMÃO

 

Um jovem estava pregando na presença de um grande líder de sua denominação e, depois de terminar, virou-se para o ministro mais velho e disse:

– O que você achou do meu sermão?
– Um sermão muito pobre – disse ele.
– Um sermão pobre? – espantou-se o jovem – Demorei muito tempo estudando para prepará-lo.
– Sim, não há dúvida sobre isso.
– Por que? Você acha que minha explicação do texto não é muito boa?
– Oh, sim – disse o velho pregador – sua explicação foi muito boa. 

– Bem, então, por que você diz que foi um sermão ruim? Você não acha que as ilustrações foram adequadas e concretas para os argumentos?

– Sim, eles foram muito bons, mas ainda assim foi um sermão muito pobre.
– Você vai me dizer por que acha que foi um sermão ruim?
– Porque não havia Cristo nele.

– Bem, Cristo não estava no texto, Cristo nem sempre é pregado, temos que pregar o que está no texto.

O velho disse:

– Você não sabe que em cada cidade e em cada vila, e em cada pequeno vilarejo da Inglaterra, onde quer que esteja, existe um caminho para Londres?
– Claro – disse o jovem.

– Pois bem – disse o velho teólogo – é assim que se forma cada texto das Escrituras, existe um caminho para o tema principal das Escrituras, que é Cristo. Um sermão não pode fazer nenhum bem a menos que haja nele o odor de Cristo. 

(Autor desconhecido)

terça-feira, 6 de fevereiro de 2024

As três frases mais comuns de igrejas moribundas - Thom S. Rainer

 

Se as igrejas pudessem falar, quais seriam suas palavras em seu leito de morte?

Você não tem que esperar até que uma igreja feche suas portas para ouvir algumas das sentenças que levaram à sua morte. Na verdade, essas três frases, ou algo semelhante às palavras, são difundidas em muitas igrejas.

1. “Nunca fizemos assim antes.” Essa frase se tornou o exemplo clássico de uma igreja que resiste à mudança. Embora nunca devamos mudar ou comprometer as verdades da Palavra de Deus, a maior parte da resistência à mudança é sobre metodologias, preferências e desejos. Infelizmente, essas batalhas geralmente são sobre questões de minúcia. Uma igreja recentemente teve uma batalha sobre o uso de uma tela nos cultos de adoração. Uma matriarca argumentou que o apóstolo Paulo não tinha uma tela de projeção. Acho que Paul estava confortável com seu hinário impresso.

2. “Nosso pastor não visita o suficiente”. As igrejas com essa reclamação geralmente têm expectativas altamente irracionais em relação ao pastor. O pastor poderia visitar os membros 24 horas por dia, 7 dias por semana e ainda não seria o suficiente. Alguns dos membros dessas igrejas comparam a duração e a frequência das visitas pastorais para ver quem está recebendo mais atenção. Essas igrejas estão focadas internamente e estão caminhando para o declínio e, muitas vezes, a morte iminente.

3. “As pessoas sabem onde nossa igreja está se quiserem vir aqui.” Esta frase está repleta de problemas. Primeiro, assume que a igreja é um lugar, que a localização física do prédio da igreja é a igreja. A igreja, trabalhando sob essa suposição errônea, nunca poderá sair de seus muros porque deixará de ser a igreja. Em segundo lugar, essa frase é freqüentemente usada como desculpa para as congregações permanecerem em seus “encontros sagrados” e nunca evangelizar a comunidade. Terceiro, em alguns casos, é uma sentença de encobrimento de preconceito e racismo. A comunidade fora da igreja mudou, mas a igreja não. Os membros da igreja realmente não querem “aquelas pessoas” invadindo sua fortaleza.

Muitas igrejas estão fechando suas portas todos os dias. E os membros dessas igrejas nunca teriam pensado que aquele dia triste chegaria.

Você tem a oportunidade agora de olhar os sinais de alerta em sua igreja. Se essas sentenças, ou alguma variação delas, fizerem parte da linguagem comum de sua congregação, a igreja está em apuros.

Sim, sua igreja pode mudar no poder de Deus. Infelizmente, a maioria dos membros dessas congregações não abrirá mão de suas preferências, confortos e preconceitos pessoais para mudar.

E esse tipo de mentalidade, infelizmente, é um certo caminho para a morte.

Thom S. Rainer

Via https://e-missional.blogspot.com/

_________

Original disponível em inglês: The Three Most Common Sentences of Dying Churches
Acesso: 07 out. 2020.
Tradução: Google tradutor (Revisão: Robson Santana)

terça-feira, 23 de janeiro de 2024

Retrospectiva Editorial Sammis Reachers 2023 - Tudo o que publicamos, e onde fomos publicados

 

Como fazemos anualmente desde, hum, 2012?, resumimos aqui todas as nossas publicações (livros, recursos etc.) e iniciativas do ano. É uma oportunidade para o leitor rememorar e/ou conhecer materiais e iniciativas que lhe podem ser úteis - afinal, a maioria dos recursos são gratuitos. Vamos, assim, à retrospectiva editorial 2023!


Em janeiro publiquei o livro Citações Missionárias. Fruto de ampla pesquisa, o livro, único no gênero em nossa língua, reúne mais de 2000 citações sobre 40 temas relacionados à missão cristã, acomodadas em mais de 270 páginas.

A tiragem inicial do livro já está esgotada. Mas espero em algum momento fazer não nova tiragem, mas uma nova edição, ampliada. Você pode ver mais sobre o livro AQUI.



Em maio lancei o Volume 2 do e-book Saindo da Zona de Conforto em 200 Frases. O volume 1 é, de meus pequenos e-books, o mais vendido na Amazon, e já era tempo de um segundo volume. Confira AQUI.



No mesmo maio, fiz minha estreia na plataforma de livros impressos Uiclap. E aproveitei para unir os dois volumes do Saindo da Zona de Conforto... num único livro. Você pode ver, e adquirir o seu (eu recomendo como presente) AQUI.



Em julho finalmente publiquei meu primeiro romance, A Ordem Luterana da Cruz Combatente. Finalmente pois a história nasceu em 2015, e desde então suportando esporádicos acréscimos, acertos e muita, muita gaveta, até finalmente vir à luz. 

O livro pode ser adquirido em formato e-book na Amazon, AQUI; e o impresso pode ser adquirido no site da editora UICLAP, AQUI, ou diretamente comigo (bem mais em conta).



Em agosto lançamos um e-book gratuito: As Mais Belas Citações Sobre a Gratidão. O e-book reúne 250 citações selecionadas sobre este tema poderoso para curar e ressignificar nossas vidas. Você pode baixar gratuitamente pelo Google Drive, clicando AQUI.

Há uma versão equivalente na Amazon (onde não é possível disponibilizar livros de graça, salvo por curtíssimo espaço de tempo). Você pode adquiri-lo, ou ler gratuitamente caso tenha a assinatura Kindle Unlimited, AQUI.



Em setembro foi a vez de O Livro e o Prazer da Leitura em 600 Citações, livro impresso e publicado na editora UICLAP. O livro é uma edição ampliada de O Livro e o Prazer da Leitura em 400 Citações, e-book que publicamos pela Amazon em 20xx. O livro, de 112 páginas, pode ser adquirido AQUI.



Em outubro veio a lume mais uma edição das Separatas a Esmo. Desta vez, uma pequena antologia de poemas sobre o livro e a leitura, no rastro da antologia acima, O Livro e o Prazer da Leitura... trazendo poemas presentes na obra, e outros mais. Você pode baixar o seu exemplar gratuitamente AQUI.



No mesmo outubro foi a vez da antologia de frases do filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard. O livro saiu em duas versões: Como e-book gratuito, reunindo (pouco mais de) 150 citações, e como e-book na Amazon, com 250 citações. Para baixar gratuitamente o primeiro, clique AQUI. Para adquirir a versão da Amazon, clique AQUI.



Em novembro, uma antiga antologia ganhou nova edição, ampliada e mais, versão impressa. Trata-se do livro/e-book 1000 Citações sobre Amor, Esperança e Fé.

Você pode baixar gratuitamente o seu exemplar AQUI.

E, caso queira adquirir a versão impressa do livro, está à venda no site da UICLAP, AQUI.



PUBLICAÇÃO AUTORAL (CONTOS, POEMAS, ARTIGOS ETC.)

Abaixo, a nossa produção autoral, na forma de poemas, contos, artigos e crônicas publicadas em revistas e antologias, a maioria premiada em concursos literários.



Em abril a Revista Sepé publicou cinco de meus poemas, AQUI.



Ainda em abril, meu conto Onório do Bairro Antonina foi selecionado no concurso Contos Fantásticos Niteroienses, da Vira-Tempo Editora. O concurso resultou na publicação de um livro em formato impresso e também digital.



Em junho, foi publicada a antologia decorrente do 1º Concurso Tilden Santiago de Ecologia e Política (ocorrido em 2022), no qual fui honrado com o segundo lugar na categoria Poesia.



Em agosto, o irregularissimamente temporodisposto fanzine Samizdat chegou a seu sexto número. O humílimo reúne alguns contos, poemas e até frases de minha autoria. Você pode baixar gratuitamente o seu exemplar AQUI.

Aproveitei para lançar um compilado com as seis edições do fanzine num único volume. Baixe AQUI.



Em outubro, esse vasto mês, marcamos presença na edição #15 da badalada revista Mystério Retrô, capitaneada por Tito Prates. O texto foi o conto Estranho Horror na Senzala da Fazenda Colubandê. Você pode adquirir a revista impressa AQUI.



Ainda em outubro, no dia 30 obtivemos o terceiro lugar na categoria crônica (nacional), no concurso Varal Literário, promovido pela Câmara de Vereadores de Divinópolis - MG. O texto premiado foi a crônica "Dia de Eleição" (você pode ler o texto AQUI).



Em novembro, o texto Cantiga das Crianças Fruteiras foi selecionado para integrar a Coletânea de Contos e Poemas Infantojuvenis da Editora Philia.



Já está acabando! Em dezembro foi lançada, pelo incansável e impagável Mané do Café, a tradicional & multifocal Folhinha Poética, edição 2024. Comparecemos nesta festa da literatura que é a Folhinha, com o poema Paz para praticar meu perenal ofício. Você pode baixar a sua AQUI.



Por fim, em dezembro participamos também da antologia de textos natalinos Natal, Nascimento de Jesus: E o Verbo Era Deus, organizada por um conterrâneo gonçalense, Carlos Henrique Barcellos Chuveirinho. Nossa inserção se deu através de um trecho de meu poema/projeto O Poema Sem Fim.


Tivemos também algumas lives durante o ano.

Em julho participei de uma live no programa Do Livro Não Me Livro, de Monique Machado. Falei sobre literatura e meus livros em geral, com destaque para o romance A Ordem Luterana da Cruz Combatente. Confira:



Em outubro participei da live dedicada aos autores presentes na Revista Mystério Retrô 15, de Tito Prates. Mas não sei se ou onde ela ficou gravada .



E no dia 01 de dezembro participei do programa Conversa de Missões, com Sylvia Maia, falando sobre a escrita como ferramenta de evangelização e mobilização missionária. Confira:



Ao longo do ano, publiquei alguns contos de variada temática como A Adaga de Kali (Segunda Guerra Mundial em Burma); The Arcade Fire, um conto em homenagem à era de ouro dos fliperamas com jogos de luta; Nonato, o Sociopata Ressocializador (conto de humor mordaz em forma de crônica).



Também publiquei diversas resenhas de jogos de videogame antigos em meu blog Azul Caudal, atividade - despretensiosa e agradável - que tomo como uma alegre higiene mental. Algumas dessas crônicas/resenhas foram também publicadas no site e/ou revista Muito Além dos Videogames, onde sou um dos redatores. Confira uma listagem dessas resenhas AQUI.


---  *  *  *  ---

Como sempre, encerramos nossa retrospectiva rogando por suas orações. Se você tem sido abençoado, edificado, instruído; se você tem se divertido e crescido através de nossos textos, livros e trabalho, lhe convido a orar por nós, para que o Senhor nos dê sabedoria, ânimo, inspiração do alto e paz para seguirmos servindo.

Para 2024, se o Senhor assim desejar, a igreja será honrada com novas antologias para sua edificação, e a mobilização missionária, em espacial, poderá contar com uma valiosa compilação de recursos.

Na produção autoral, não tenho previsões, mas caso o tempo colabore, devo publicar um novo volume de contos (o primeiro saiu no já distante 2015). E quem sabe um novo volume de poemas. Mas, se não vierem à luz, bem está, pois meu foco primordial é servir a igreja através das antologias, onde a voz de muitos pode ser condensada em benefício coletivo.

A Deus seja dada toda a glória!


segunda-feira, 15 de janeiro de 2024

Um devocional baseado no universo dos videogames - DEVO GAMER, de Luiz Miguel Gianeli


No devocional Devo Gamer: Meditações bíblicas a partir do universo dos videogames, em pré-lançamento pela Editora Trinitas, Luiz Miguel Gianeli, usando seus muitos anos de experiência como cristão e como alguém apaixonado por jogos, mostra que, para aqueles que estão em Cristo, os videogames não só podem ser um meio de entretenimento saudável e proveitoso, como também, se usados de maneira lícita, devem servir à glória de Deus e à edificação do seu povo.

Da nostalgia dos games mais antigos ao cenário mais atual, o autor apresenta experiências pessoais, lições preciosas e meditações intrigantes, além de abranger décadas de história desse universo com lentes bíblicas e devocionais.

Voltado para todas as idades, este livro serve para mostrar que mesmo o tempo jogando videogame precisa ser pautado pela Bíblia. Com questões para meditação e orações ao fim de cada capítulo, trata-se de um excelente recurso para pais e filhos, leituras em grupo ou devocionais pessoais.


O livro está em pré-venda, por um preço promocional. Confira aqui: https://www.editoratrinitas.com.br/devocional/devo-gamer


Luiz Miguel Gianeli é escritor, pastor e teólogo, e capitaneia o projeto Muito Além dos Videogames, que publica livros e revistas sobre o tema.


Canal no Youtube:



quinta-feira, 28 de dezembro de 2023

Vivendo e servindo: Cinco testemunhos impactantes de Carmen Sílvia Musa Lício

 


Obra de Deus

 

Carmen Sílvia Musa Lício

 carmen.a.musa@gmail.com

Lá pelo ano de 2020, um senhor que morava em uma casa bem em frente à minha, começou a me procurar, perguntando se eu poderia esquentar a sua marmita no meu micro-ondas.

Ele tinha uns 45 anos e estava fazendo parte de um grupo que fazia reformas e pinturas no conjunto residencial onde estava. Ele morava lá por ser o seu local de trabalho e veio de Ribeirão Preto, SP.

Depois de um tempo trazia só arroz e feijão para esquentar. Eu fiquei com pena e colocava carne e, depois de esquentar, colocava salada. 

Aos poucos fui conhecendo a sua história. Seu nome era Moisés. Era caminhoneiro e, como havia se tornado alcoolista, foi demitido. Esta foi a única oportunidade que encontrou para poder se sustentar; abandonou a sua família e veio morar em São Paulo.

Após algumas semanas pude perceber que estava novamente tomando muita bebida alcoólica, o que estava atrapalhando novamente a sua vida.  O senhor que o contratou só não o mandou embora por pena. Eu pedi para ele ter paciência...

Uma vez, estava sentado na pequena escada que ficava em frente à sua pequena casa, muito triste e choroso. Quando me viu, se levantou e veio conversar comigo, em frente ao portão da minha casa, e contou que não estava mais aguentando esta vida e que não sabia mais o que fazer para se livrar do álcool e sentir paz no seu coração. Eu procurei falar com calma, e disse que só Deus poderia ajudá-lo nesta situação; que ele só sentiria paz se tivesse Jesus no seu coração.  Expliquei como é a conversão a Jesus e ele me perguntou como poderia fazer isto. Eu disse que se ele quisesse aceitar a Jesus no seu coração poderia orar comigo, repetindo as minhas palavras. Ele disse que sim e eu comecei a orar. Lá pelas tantas, ele gritou bem alto, olhando para o Céu: – "Jesus, vem morar no meu coração! Eu o aceito como o meu Salvador".

Gritou tão alto que toda a vizinhança veio para fora para ver o que estava acontecendo. Confesso que fiquei até um tanto constrangida e envergonhada, mas é bem melhor ouvir isto do que ver uma briga...

Depois perguntei se ele queria uma Bíblia, o que ele agradeceu, e começou a ler todos os dias, por várias horas. Até o seu semblante mudou...

Após uns 3 meses veio me procurar e disse que havia voltado a usar álcool. Estava muito triste. Conversei com ele e perguntei se queria que eu visse uma clínica de reabilitação. Aceitou e tentei algumas evangélicas, mas estavam todas lotadas. Após algum tempo ele caiu da escada e teve uma torção na perna. Consegui um atendimento na UPA e a sua perna direita foi enfaixada. Tinha que usar bengala e eu acabei dando a bengala que eu tinha de lembrança do meu pai, já falecido há décadas.

Depois consegui um atendimento na PMSP, onde foi acolhido e levado a uma clínica de reabilitação.

Ficou lá por 2 meses e quando saiu conseguiu um emprego como caminhoneiro novamente.  Foi para Ribeirão Preto, onde a sua família morava, e veio se despedir de mim, agradecendo muito o que eu fiz por ele, dizendo que quando viesse a serviço para São Paulo viria me visitar.

Nunca mais o vi, mas quando me lembro dele peço a Deus que continue abençoando-o e fazendo a Sua obra na sua vida.

Mais um testemunho de como Deus pode nos usar para transformar vidas...

 

 

Vida Transformada

 

Em meados de 2002 eu estava no Posto de Saúde atendendo os usuários, como sempre. Nesta época eu era Auxiliar de Chefia e tentava, dentro do possível, resolver os casos mais difíceis que chegavam a mim.

Fui procurada por um senhor de aproximadamente 60 anos, com suspeita de câncer de língua. Estava muito difícil conseguir uma vaga em qualquer hospital de referência, pois as portas estavam fechadas; inclusive as vagas de 'câncer de boca' para o ano já estavam lotadas e estávamos ainda no mês de maio!

Demorei uns 20 dias, ligando para onde você possa imaginar. Enfim consegui uma 'alma caridosa' que passou por cima das regras, 'benditas' regras, e conseguiu a consulta mais rapidamente. Após a biópsia, o diagnóstico esperado.  Vinha então um novo desafio. Ele foi encaminhado para fazer radioterapia no ABC e não tinha dinheiro para a condução (2 passagens intermunicipais e 4 passagens municipais) e o tratamento durava 40 dias. Liguei para muitas pessoas para ver uma maneira de conseguir, e, finalmente, consegui que ele fizesse o tratamento...

Conversei muito com ele sobre a necessidade de não mais fumar nem beber, fazer o tratamento direitinho e que, humanamente, estávamos fazendo tudo o que era possível. Incentivei-o também a procurar alguma igreja, dessas que têm o dom de cura e que não lhe 'cobrasse dinheiro'. E assim foi; parou de fumar e de beber e fez uma campanha de oração em uma igreja evangélica.

Após a quimioterapia, sofreu uma cirurgia que retirou uma parte lateral posterior da língua. Estava muito magro e fraco, além de morar sozinho. Disse que a sua família não se importava com ele (talvez por ser alcoólatra). Não me ative muito à sua família, pois deu para perceber que os relacionamentos familiares estavam rompidos.

Ele conseguiu com a assistente social do hospital onde fez a cirurgia alimento completo, que vinha em 'caixas longa vida'. Mal conseguia alimentar-se, tendo sido necessário colocar uma sonda naso- gástrica por onde introduzia o líquido.

De vez em quando vinha nos procurar para lavar a sonda, que entupia devido ao líquido ser bem espesso. Nesta época confesso que pensei que não conseguiria superar esta fase, pois estava muito abatido, tanto física quanto emocionalmente. Isto me preocupou, pois era uma brecha para a doença evoluir.

Procurei melhorar o seu estado de ânimo e continuei a falar que 'para Deus não há impossíveis'. Fez um tratamento de fonoaudiologia e conseguiu reabilitar a sua fala! Ficamos muito felizes. A cada vitória, comemorávamos juntos.

Depois perdi o contato com ele. De vez em quando o encontrava na rua e conversávamos um pouco...

Após muito tempo um senhor veio me procurar perguntando se eu estava me lembrando dele. Olhei com atenção e vi que a sua fisionomia me era familiar (o engraçado é que eu sou boa 'fisionomista'). Quando ele começou a falar, percebi que era 'o próprio, ao vivo e a cores!' Estava completamente mudado. Mais gordo (não obeso), corado, alegre e falante. Foi um momento inesquecível!

Após 4 anos de 'capítulo após capítulo', eu o via renovado, tanto física quanto emocionalmente!

Contou que estava completamente curado, com alta médica e tudo o mais; que conseguiu, através daquela assistente social, uma aposentadoria de um salário mínimo que dava para os seus gastos pessoais. Então contou-me que, através de um amigo, pela Internet, reencontrou um irmão que tinha se 'perdido pela vida e pelo mundo' há mais de 20 anos; que já fora lá visitá-lo e estava morando com a família.

E tem mais, conseguiu um bilhete de passagem gratuita tanto para a sua locomoção dentro da cidade de São Paulo, como intermunicipal e, pasmem, interestadual. Começou a viajar para outros lugares, começando por Curitiba – para rever o irmão e conhecer os seus sobrinhos...

Tirou muitas fotos, que mostrou para mim, com um misto de satisfação e orgulho. Emprestou-me até um DVD onde está registrado a sua viagem de trem para Paranaguá, com a família do seu irmão.

Depois 'pegou o vício' e começou a viajar por aí, indo para Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Vitória... Como não tem dinheiro para pagar algum lugar para pernoitar, viaja à noite, enquanto dorme; passa o dia conhecendo o local e volta à noite para São Paulo. Foi assim que acabou conhecendo o Rio de Janeiro, pois não tinha passagem gratuita na noite seguinte para regressar de Belo Horizonte à 'terra da garoa'. Acabou conseguindo uma passagem para o Rio de Janeiro, e embarcou!

Sempre que volta das suas viagens vem ao posto trazer as fotos para eu 'conhecer o local'. Como a máquina fotográfica é emprestada do irmão, dei uma câmera fotográfica que eu tinha guardada no 'fundo do baú'. Ele demonstrou muita alegria e disse que estava para ir à Blumenau e que me traria umas fotos tiradas com a sua nova máquina.  Pedi então para tirar uma foto dele lá.  Ele tirou e me trouxe... Tenho até hoje de lembrança!

Não é uma vitória??? Aliás, muitas, muitas vitórias!

 

 

Aborto Provocado

 

Estava de plantão no PS de um hospital, na zona sul de São Paulo, quando chegou uma moça passando mal. Perguntei o que aconteceu e a sua acompanhante me contou que ela havia tomado um remédio para provocar o aborto do feto que estava no seu ventre, de aproximadamente 2,5 meses de gestação.

Ela mal conseguia falar. Chamei o médico e contei o que aconteceu.

Como ela estava com muitas contrações, ele pediu para a levarmos para a Sala de Parto. Lá, após algumas contrações fortes, saiu o feto, ainda dentro da bolsa amniótica inteira, com o líquido amniótico.

Eu o peguei com a luva, enquanto o médico cuidava da paciente.

O feto não parava de se mexer, desesperado. Isto me chamou a atenção, pois parecia estar passando muito mal e se debatia sem parar, apavorado. Eu fiquei sem saber o que fazer, pois não havia o que pudesse fazer para salvar a sua vida, de aproximadamente 10 semanas.

Logo depois o médico veio observar e viu também o seu sofrimento...

Eu, para consolar o feto, envolvi as minhas duas mãos em volta dele, tentando aquecê-lo e fazê-lo sentir-se mais seguro. Ele se acomodou nas minhas mãos e morreu depois de poucos minutos...

Eu e o médico nos olhamos, e lágrimas escorriam dos nossos olhos.

Nunca havia passado por uma situação destas e vi como os fetos, mesmo com menos de 3 meses de gestação, sofrem muito quando são abortados.

Nunca mais me esqueci desta história.

Agora querem que o aborto seja legalizado, pois é um 'direito da gestante'. E o direito do pequeno ser humano, que nem consegue se defender?

Se não quer dar à luz, que evite a gestação usando camisinha, anticoncepcionais...

Depois que engravidou, que leve a gravidez até o final, e, se não o quiser, que o entregue para os familiares ou para adoção...

 


Conversão de José Wilson Lício

 

José Wilson, apesar de ser filho do rev. Wilson Nóbrega Lício, pastor Evangélico, se dizia ateu. Não acreditava mais na existência de Deus devido a algumas decepções...

Um dia, conversando com ele, eu disse que no dia que ele precisasse de uma ajuda maior, fizesse 'prova de Deus', pois na Bíblia há um versículo onde fala para O colocarmos à prova.

Depois de um tempo, houve o 'Plano Collor', onde todas as pessoas que tinham mais dinheiro no banco o perderam para o governo. Para não permitir que os seus colaboradores fossem à falência, ele os pagou e ficou zerado.

José Wilson era decorador e fazia decoração para empresários ricos, que moravam em São Paulo e Ribeirão Preto (SP).

Um dia ele foi entregar mais uma mansão decorada por ele. Ele fazia, muitas vezes, desde a escolha do terreno, a planta da casa, a decoração da casa e até do jardim.

Quando estava mostrando ao dono e à sua esposa a decoração do interior da casa, se lembrou de dois tapetes que ele importou da Índia, lindos, grandes e caros. O cliente que os havia encomendado acabou por desistir, devido à situação econômica do País; e o José Wilson ficou com o prejuízo, pois já os tinha importado e pago.

Os tapetes eram grandes, um de 3x5m e outro de 5x7m. Foi nesta hora que se lembrou do que eu dissera e, segundo ele, fez uma 'oração porca':

– Deus, se é  que você  existe mesmo, faça  com que este homem compre um dos tapetes, para me tirar dessa situação.

Falou para o senhor que os tapetes eram lindos e que ele poderia consultar a sua esposa sobre a sua compra, pois ficariam perfeitos na sala de jantar da mansão.

O senhor disse que não iria falar com ela, pois ela só sabia gastar...

Sem desistir, ele orou mais uma vez, em silêncio, falando para Deus, que se Ele existisse mesmo, que um milagre acontecesse.

O homem resolveu então ir falar com a sua esposa e enquanto estava no caminho da sala para a cozinha, José Wilson fez a sua última oração. E nesta mesma hora, o senhor se virou e disse:

– Não vou falar com ela, não.  Vou fazer uma surpresa! Vou comprar o tapete maior.

Voltou para onde o José Wilson estava e o encontrou com lágrimas escorrendo pelos olhos...

E assim Deus se manifestou para o meu querido irmão José Wilson, que se tornou crente, aceitando também a Jesus como o seu Salvador.

Glórias a Deus!!!

 

 

Aprendizado para toda a Vida

 

Eu tive um amigo que me era muito caro. Um rapaz inteligente que conheci desde que éramos pequenos ainda. Morávamos próximos e sempre visitava a sua família e ele a minha. As nossas famílias eram muito amigas. Brincávamos pelas ruas do bairro de Pinheiros, em grupos, e também a sós. Eram momentos de muita alegria.

Ele era realmente muito inteligente, além de esforçado. Tocava piano com maestria, falava sobre as plantas, quando via alguma em algum vaso ou pelas ruas e parques. Dizia os nomes científicos, como deveriam ser cuidadas. Ao ver um aquário, falava sobre cada um dos peixes, como deveriam ser cuidados, como deixar um aquário autossuficiente, de modo a não precisar ser esvaziado e limpo... Amava Astronomia e, ao ver as estrelas, discursava sobre cada uma delas, seus nomes e a qual constelação pertenciam. Tudo isto e muito mais, mas sempre com humildade, de uma forma tranquila, com bom humor, sem querer ‘aparecer’.

Quando chegou ao final da adolescência, resolveu cursar Medicina. Sendo estudioso, entrou em duas faculdades, escolhendo ir para Campinas, onde começou a fazer o seu curso. Depois desta fase eu quase não tinha quase notícias dele, a não ser pelos seus familiares, além de serem notícias esporádicas.

Depois de um tempo, pouco mais de um ano, desistiu, retornando a São Paulo. Passou um tempo em depressão e depois começou a trabalhar como ‘office-boy’ em Pinheiros e arredores. Pouco o encontrei ou conversei com ele nesta época, inclusive por eu ter me mudado de lá com a minha família. Uma vez o encontrei no Largo de Pinheiros e quando

perguntei por que resolveu ser ‘office-boy’, respondeu laconicamente que era bom, pois andava durante todo o dia e assim, ao voltar para casa, dormia logo, de tão cansado, e não ficava pensando, à noite, nos problemas da vida.

E o tempo passou...

Depois de alguns anos soube que ele resolveu novamente tentar fazer Medicina, e mais uma vez entrou em uma excelente faculdade pública em São Paulo, com excelente classificação. E assim acompanhei, de longe, o seu esforço para cursar a faculdade, sendo sempre muito bem avaliado.

Um dia, quando eu estava terminando a Faculdade de Enfermagem na USP, ele cursando o quarto ano de Medicina, meu pai recebeu um telefonema onde disseram que ele estava internado na UTI do Hospital das Clínicas, em estado grave. Fiquei consternada, sem saber o que pensar a respeito, só querendo vê-lo e saber como estava. Fui correndo para lá, ainda com o uniforme de estudante, o que me facilitou a entrada. Vi que estava mesmo muito mal, em estado de coma, com traqueostomia. Ao conversar com os médicos, eles me disseram que o seu estado era grave e que dificilmente sobreviveria.

Soube então da sua história. Seus pais resolveram viajar para o litoral e ele disse não querer acompanhá-los para ficar em casa e estudar para uma prova. Seus pais saíram de carro e logo depois resolveram voltar, pois seu pai havia esquecido um documento. Assim que chegou à sua casa, chamou pelo filho, que não respondeu. Subiu as escadas que dava para o andar superior e logo viu a porta do banheiro, entreaberta, com barulho de água corrente. Entrou e viu o filho sentado na banheira de ‘ofurô’, com os pulsos cortados, com o sangue jorrando até o teto. Ficou desesperado, fez um torniquete no braço, chamou a ambulância, que o levou ao Hospital das Clínicas.

Ele era um rapaz magro, alto, mestiço de japonês com brasileira, muito bonito. Eu não conseguia entender o que poderia tê-lo levado a um ato tão extremo. Ficava imaginando a sua aflição por algo que estava tirando a sua paz e a tristeza profunda dos seus pais, irmãos e familiares...

Comecei a visitá-lo todos os dias, após o meu estágio no próprio HC, e depois, mais à noitinha, após o término das aulas teóricas, no prédio ao lado. E sempre que ia lá, pegava na sua mão e conversava com ele, mesmo ele estando em estado de coma profundo. Dizia que era o meu amigo preferido, que o amava como a um irmão, que a sua vida era muito importante para mim, para os seus parentes e amigos. Sempre, antes de entrar na UTI, lia algum versículo da bíblia que falasse sobre o amor de Deus, sobre a sua imensa bondade, discorrendo depois sobre o texto. Sabia que algo muito sério deveria ter acontecido para que ele desistisse assim da vida e queria tocar o seu coração, pois sabia que só sairia dali vivo se ele mesmo quisesse e lutasse pela sua própria vida.

Uma vez um dos alunos de medicina, que cuidava dele, me contou que era seu colega de faculdade e relatou-me alguns fatos que aconteceram com ele, mas nada que justificasse toda esta tragédia. Eu percebia que havia uma razão muito séria por trás de tudo aquilo e orava para que Deus me desse a Sua sabedoria, para que eu pudesse chegar ao seu coração e tocá-lo de alguma forma. Pedia também para que Deus me desse tempo suficiente e a melhor forma de falar de Jesus para ele, que segurasse a sua vida até ele ouvir sobre a verdadeira mensagem do evangelho.

Depois de passados uns 15 dias, eu estava falando com ele, segurando a sua mão quando, de repente, eu disse:

– Olha, eu estou vindo aqui todos os dias. Tenho falado com você, sem ao menos saber se você me ouve ou se me entende. Não sei se estou falando com as paredes... Se você está me escutando, dê algum sinal, por favor! Pode ser um aperto de mão, um piscar de olhos, qualquer coisa... – E fiquei atenta.

De repente, senti um aperto de mão forte, o que me deixou muito surpresa e feliz, já que os médicos diziam, sempre, que eu estava falando com uma ‘planta’, pois ele nada poderia escutar, já que estava em um coma profundo. Diziam isto para que eu aceitasse a sua condição, e me conformasse.

Depois de saber que ele não só me escutava, mas também conseguia me entender, comecei a falar de uma forma mais clara e direta, pedindo a ele para que, se concordasse comigo, me apertasse a mão; se não, ficasse quieto. Quando não apertava a mão, pedia então para que, se não concordasse comigo, apertasse então a minha mão. E começamos assim a nossa 'conversa’.

Uma vez, antes de ir para o HC, passei pelo Largo de Pinheiros, onde pegaria outro ônibus para lá e, sem querer, enquanto conversava com um rapaz, ainda no ponto de ônibus, quando contei deste meu amigo, ele começou a contar que ele havia sido seu colega lá em Campinas.

Eu fiquei chocada com esta ‘coincidência’. Contou-me um pouco das razões que levou este meu amigo a desistir de ficar lá e terminar o seu curso, já que era um excelente aluno. Disse que ele, sendo de uma família evangélica, resolveu morar em uma república onde haviam vários rapazes. Um dos seus companheiros de quarto procurou-o no meio da noite, tentando manter uma relação sexual com ele, que ficou chocado, pois este rapaz era um dos líderes da igreja evangélica local. Não ficou claro para mim, nem para este rapaz, até que nível chegou este possível relacionamento. Só sei que foi por esta razão que ele abdicou do seu sonho de se formar em Medicina, voltando para São Paulo desesperançado, atormentado e deprimido, além de não mais confiar em Deus, na igreja, onde fora criado por tantos anos. Percebi que

não se sentia digno do perdão de Deus por tal ato. Lembrei-me então de como estava descrente quando o encontrei no enterro da sua avó, pouco tempo depois da sua volta de Campinas.

Então consegui entender um pouco da provável razão para ele ficar tão desacorçoado, sem acreditar mais no ser humano, na igreja, na vida, em Deus! E continuei a visitá-lo todos os dias, sempre tentando falar com ele sobre o que eu sabia ser a única razão que poderia tocar o seu coração: a fé em Deus.

Falei então sobre o versículo onde está escrito que Deus não só perdoa nossos pecados, como deles se esquece; que não há pecado, por mais escarlate que seja, que Deus não possa tornar mais branco do que a neve. E outros versículos que mostram o Seu grande amor por nós. Falei sobre Deus nos amar a tal ponto que nos deu o único filho para que fôssemos perdoados, já que não somos, nem conseguimos, ser perfeitos. Falei do sacrifício de Jesus na cruz e, no final, perguntei se ele queria entregar a sua vida a Jesus, confessar os seus pecados e aceitá-lo como o seu único Salvador. Pedi a ele que se concordasse apertasse a minha mão; não apertou. Disse que se não concordasse, que deveria apertar a minha mão. Não apertou. Então perguntei se estava me ouvindo; apertou a minha mão. Perguntei se estava na dúvida; apertou a minha mão. Então perguntei se poderia orar por ele, apertou a minha mão. Orei por ele e disse para ele pensar até o dia seguinte.

No dia seguinte, quando li outro versículo, disse a ele que eu ‘não iria enfiar pela goela abaixo algo que ele não quisesse, só porque estava sem poder me responder’. Ele respondeu, do nosso jeito, que eu poderia continuar a falar. No final perguntei se queria, afinal, aceitar a jesus como o seu Salvador, e ele apertou fortemente a minha mão. Orei com ele e me pareceu que até o seu semblante ficou mais calmo, mais sereno. Aquele ar de tristeza, de angústia, deu lugar a uma paz que parecia vir de dentro para fora. Depois de poucos dias começou a dar um pequeno sorriso, só de um lado da boca, quando eu brincava com ele. Comecei então a ter mais esperança e ia visitá-lo, mais animada.

Neste dia, quando fui conversar com os médicos eles me disseram que, mesmo que ele sobrevivesse, já havia perdido a visão, pois havia, além de tudo, tomado um veneno para plantas, que o havia tornado cego. Disseram ainda que também não andaria e talvez sobrevivesse com sérias limitações.

Sabendo que os seus pais e irmãos queriam muito visitá-lo, pedi a ele que os recebesse. Ele não queria, mas eu sabia ser importante para a sua mãe. Então, depois de uma certa insistência, ele aceitou.

Um dia, ao chegar lá, o encontrei chorando muito, convulsivamente. Chorava alto e o som do seu choro saia pela traqueostomia, fazendo um som horrível, gutural; o que me fez chorar também. Fui conversar com os médicos e perguntei o que havia acontecido e eles me disseram que ele ficou assim depois que a sua mãe o havia visitado, na noite anterior. Chorou durante toda a madrugada e durante toda a manhã. Conversei com ele e tentei acalmá-lo, dizendo que não sabia o que a sua mãe havia falado, mas fosse lá o que fosse, tentasse se lembrar de que uma mãe desesperada às vezes fala coisas que não deveria falar nunca, mas que ela sempre o amou. Orei com ele e ele se acalmou. Pedi então aos familiares para não o visitarem mais, até que ele melhorasse de vez...

Uma tarde, quando estava conversando com ele, um dos residentes me inquiriu, dizendo como eu podia dizer que conversava com um ‘quase morto’. Eu expliquei como havia sido o nosso processo e eles ficaram muito intrigados, além de curiosos. Falei para eles ficarem calados e acompanharem toda a minha conversa. E assim foi. Até que eu perguntei se ele havia dormido bem; ele não apertou a minha mão. Depois eu perguntei se havia dormido mal e ele apertou a minha mão. Daí resolvi perguntar o que havia acontecido. Pedi para que ele apertasse a minha mão quando chegasse na primeira letra da palavra que seria a causa da sua insônia. Falei todo o ‘abecedário’, e nada! O rapaz que era residente, já entusiasmado, falou bem alto que ele não havia entendido direito, que eu repetisse. Eu fiz sinal para ele ficar quieto e expliquei novamente como seria a nova fase do processo por nós descoberto. Foi quando eu disse ‘D’ e ele apertou a minha mão. Para agilizar eu já perguntei se estava sentindo alguma dor; ele respondeu que sim. Novo abecedário e na letra P, novo aperto de mão. Perguntei se era ‘dor no pé’ e ele respondeu que sim. Descobri os pés dele e pudemos observar enormes hematomas que foram feitos à noite, na tentativa de pegar uma nova veia.

Como ficou claro que ele percebeu que estava sendo observado durante a nossa conversa, pedi a ele que dali para a frente respondesse às perguntas dos médicos. Ficou ‘calado’, mas eu disse que eles queriam o seu melhor e assim ele estaria ajudando na sua própria recuperação. E assim ele concordou.

Nesta época ele apresentou uma infecção generalizada e eles entraram com antibióticos mais potentes.

Depois de alguns dias, percebendo que os seus cabelos estavam muito sujos e oleosos, perguntei se ele me deixava lavá-los e ele aquiesceu. Pedi uma bacia e uma jarra com água morna, uma toalha de banho e uma auxiliar de enfermagem me auxiliou, já que ele não conseguia se movimentar. Não quis dar banho no leito nele por achar que possivelmente ficaria constrangido, sendo eu mulher e sua grande amiga.

Depois deste ‘banho’ resolvi dar uma volta pelas redondezas para esfriar a minha cabeça e voltar no final da tarde para visitá-lo novamente, no próximo horário de visita. Fui ao cinema, no Conjunto Nacional, próximo dali, e ‘assisti’ a um filme. Não me perguntem qual foi o filme, pois o filme que passava na minha cabeça era tudo o que havia acontecido nestes últimos 20 dias...

Só pensava em como Deus havia atendido às minhas orações e em tudo que já havia acontecido. Mas continuava a orar por ele, pedindo a Deus que se fosse para ter tantas sequelas, uma vida em cima de uma cama, sem qualquer qualidade de vida, que o levasse para junto de Si.

Na volta visitei-o novamente e ele até deu um sorriso para mim. E saí dali mais tranquila, mesmo sem saber qual seria o final desta história.

Chegando em minha casa, conversei com os meus pais, e fui dormir, não sem antes orar mais uma vez por ele. Confesso que naquela hora pensava na possibilidade de ele sobreviver, sem maiores sequelas, e usufruir uma vida, produtiva e feliz. E adormeci...

Fui acordada lá pelas 5:30h do dia seguinte, com o pai dele me dizendo que ele sabia que eu 'já esperava por esta notícia’. Disse que ele morreu à noite, dormindo, sem sofrimento algum. Eu agradeci a ele e disse que iria logo para lá. Confesso que à estas alturas eu não esperava este final, assim, tão rápido...

Ele se foi, mas ficaram as memórias, as boas e más lembranças, e, principalmente, ficou a certeza de que ele está junto a Deus, gozando da Sua presença e do Seu grande amor. Quando lá eu chegar, só quero dar um abraço bem apertado nele, que falará por si só...

Ficou a enorme gratidão a Deus por haver permitido que eu pudesse ter tempo para falar de Jesus e, principalmente, de ele O aceitar como o seu Salvador.

E ficou o grande aprendizado que auxiliou durante toda a minha vida profissional, como enfermeira, bem como na minha vida pessoal, com os meus familiares...