quarta-feira, 5 de junho de 2024

10 Reflexões sobre a Fé - Sammis Reachers

 


A fé é um salto no escuro, que pega impulso no escuro, que mira adiante, no escuro – para alcançar além do escuro.

 ***

A fé é fundamentalmente uma modalidade de combate. Uma forma de bater-se, de golpear, seja em plena luz, seja (e quase sempre vai ser assim) nos muitos níveis da escuridão, pelos quais temos que atravessar. A passividade do ato de fé, o 'sentar-se e esperar em Deus' é uma ilusão: ter fé é guerrear. É agir sabendo que Deus é a ponta-de-lança - o que na frente vai, rasgando caminhos - e a rija retaguarda. Somos combatentes: não é senão por isso que Deus já nos disponibilizou uma valorosa indumentária, uma perfeita ARMADURA (Ef 6.13-17).

  ***

Depositar esperança no menor e mais impotente dos homens, assim como estender a mão aos piores e mais perversos, é caritativamente exercitar e explicitar seja aos homens, seja ao céu ou ao inferno, a fé que move montanhas.

  ***

A fé não atenta contra a razão. Pelo contrário: A verdadeira fé usa a razão como um cavalo. Num jogo de senhor e servo? Não, mas num jogo de centauro.

  ***

Abertamente ou em secreto, todos somos circundados por tantas dúvidas que, se formos parar para duvidar, não faremos outra coisa.

***

O que Deus espera e a vida requer é que você a pegue, a essa tão pequenina fé que possui, e a levante sobre si, como um farol e uma bandeira. E siga adiante, um dia depois do outro.

***

E quando fazer o que é certo implica em infelicidade duradoura? E quando a cruz é banhada em chumbo, o que me diz, amigo-da-cruz-de-papel? Nem se quisesse teria o que dizer, insofrido amigo. Independente de quem seja, dos anos de magistério eclesiástico. Não teria como saber como é estar como Abraão ao pé do monte, pegando pela mão a Isaque para sacrificá-lo, imerso na própria substância do absurdo... Como Kierkegaard, o pai de dois séculos, esclareceu em Temor e Tremor: a fé é um salto para dentro do absurdo. Um voo sem escalas, objetivando, ao projetar-se sobre o absurdo, alcançar o Deus-que-transcende.

 ***

A Fé cura o doente, o Amor cura a doença. A Esperança arregimenta seus irmãos.

 ***

A Coragem diz "vá".

A Fé diz "vamos".

Com Fé você nunca vai sozinho.

 ***

Uma fé veraz coordena todos os demais sentimentos. É a serviçal – logo, a capitã – da casa.


Sammis Reachers


segunda-feira, 20 de maio de 2024

REMOVA OS OBSTÁCULOS À EVANGELIZAÇÃO

 


Shelton Smith

Escrevi um artigo sobre a conquista de almas para Cristo, e nele identifiquei mais de doze obstáculos a esta tarefa. São eles:

incredulidade, desobediência, medo dos outros, carnalidade, falta de plenitude do Espírito, doutrina falsa, más companhias, afastamento da igreja, trivialidades preguiça, intimidação e desencorajamento.

Embora, obviamente, haja outras coisas ruins no caminho, essa lista é longa o bastante para expor as muitas inseguranças que afetam qualquer um de nós.

Aqui, no entanto, quero sugerir alguns passos práticos que nos ajudam a lidar com os obstáculos.

 

01. Mantenha o fervor em seu coração!

Se não nutrir a vida espiritual, você não será motivado a se empenhar nos projetos espirituais. Estude a Bíblia e ore diariamente, participe da escola dominical e dos cultos semanais da igreja. Não deixe o fogo morrer em seu coração.

 

02. Memorize e estude as ordens bíblicas para a conquista de almas!

Por exemplo, memorize versículo como Mateus 4.19: “Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens” e João 4.35: “Não dizeis vós que ainda há quatro meses até que venha a ceifa? Eis que eu vos digo: levantai os vossos olhos e vede as terras, que já estão brancas para a ceifa”.

 

03. Determine em seu coração ser obediente a Deus! Obediência é a marca do cristão espiritual. Obedeça a essas ordens enfáticas e poderosas das Escrituras e dedique-se a elas.

 

04. Inclua a conquista de almas em sua rotina diária!

Lembre-se de Atos 5.42: “E todos os dias, no templo e nas casas...”. Logo no início da manhã, decida-se a testemunhar de Cristo a alguém. Não fique esperando por um horário conveniente, O tempo é agora.

O dia é hoje. Mãos à obra!

 

05. Ore para receber poder!

“Mas recebereis poder” (At 1.8). Talvez você não seja uma pessoa extrovertida. Talvez não tenha o dom da loquacidade, como dizem. Você talvez seja inseguro interiormente, No entanto, apesar de suas desvantagens, você pode ser um ganhador de almas se for pleno do Espírito de Deus e reivindicar seu poder ao testemunhar do Senhor.

 

06. Não permita que o sucesso, ou a falta dele, conduza sua vida!

Todos nós queremos prosperar em nossos empreendimentos, mas na conquista de almas, devemos nos manter ativos, quer sejamos ou não bem-sucedidos. Obedecer a Deus deve continuar sendo nossa motivação, quer tenhamos êxito ou não.

 

07. Junte-se a outros ganhadores de almas!

Caso você se sinta inseguro, deixe que seu parceiro conduza o trabalho até você “engrenar”. Faça amizade com outros conquistadores de almas. Passe tempo com eles. Aprenda com eles.

 

08. Não desanime!

Se você for malsucedido na conquista de almas ou alguém bater a porta em sua cara, acho que você não vai gostar. Eu também não gostaria. Mas as circunstâncias não devem nos levar ao silêncio e à reclusão. Mantenha seu arado na terra; continue trabalhando.

 

09. Lembre-se do Céu e do Inferno!

Todo mundo irá para um destes dois lugares. Pense em sua família e em seus amigos. Pense nos habitantes de sua cidade. Talvez você seja o único obstáculo entre eles e a eternidade no Inferno.

 

10. Nunca se esqueça disto: “Sou um ganhador de almas”.

Diga isto em voz alta e incentive a si mesmo com o som de sua voz.

Pilotos pilotam aviões porque são pilotos. Ganhadores de almas ganham almas porque são ganhadores de almas.

Se você é um ganhador de almas, não permita que nenhum ardil mundano o leve a tropeçar.

Todos nós enfrentamos obstáculos. Todos nos deparamos com circunstâncias complicadas. Sua vida e seu ministério não são situações especiais que justifiquem cada desculpa que você já ouviu.

Pare de se sentir um coitadinho, e volte a trabalhar. Saiamos ao encontro de alguém e falemos a ele ou a ela sobre o Salvador Jesus, e façamos isso hoje mesmo. E quando o amanhã chegar, façamos tudo de novo!

Amém!

Sword of the Lord - Jornal O Amigão do Pastor - https://www.amigaodopastor.com.br/


terça-feira, 7 de maio de 2024

Vivendo a Vontade de Deus para Adolescentes - E-book gratuito

 


Nesta inspiradora caminhada espiritual, os adolescentes exploram o significado e a importância de viver de acordo com a vontade de Deus. Através de histórias cativantes de personagens bíblicos, os leitores são guiados a refletir sobre como discernir e seguir o Senhor em suas vidas.

Este livro oferece orientações práticas, versículos inspiradores e reflexões sinceras para ajudar os adolescentes a crescerem na fé e se tornarem testemunhas do amor e do poder de Deus no mundo.

Vivendo na Vontade de Deus é uma fonte de inspiração para adolescentes que querem construir um relacionamento com Deus e viver uma vida que glorifica Seu nome. A jornada de fé e descoberta é uma oportunidade para os adolescentes explorarem o propósito e direção de Deus, encontrando alegria, paz e significado para sua vida espiritual.

Cleide Silva

PARA BAIXAR O E-BOOK EM FORMATO PDF PELO GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.


terça-feira, 30 de abril de 2024

PENSANDO SOBRE A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

 


Charles Luciano Gomes da Silva

Quem não aspira dias melhores, mudança de posição ou saúde perfeita? Acho que todos os seres ajuizados desejam essas coisas. Principalmente quando é o próprio Deus quem promete e garante (Gn 12.2,3; Dt 28.1-14). Um dia disse Jeová a Israel:

“Se quiserdes e ouvirdes, comereis o bem desta terra.” (Is 1.19)

Porém, há um questionamento: essas promessas e garantias veterotestamentárias estendem-se também aos cristãos, ao novo concerto? Um dos princípios máximos da hermenêutica bíblica assevera que, “a Bíblia por si mesma se explica”. O que será então que ela nos revela?

Para quem acha que a teologia da prosperidade é recente, que surgiu no século passado, precisa inteirar-se vendo o que está escrito no primeiro livro bíblico, escrito há mais de 3.500 anos atrás. Inicialmente fala o teólogo Elifaz, leia:

“Lembra-te, agora: qual é o inocente que jamais pereceu? E onde foram os sinceros destruídos? Segundo eu tenho visto, os que lavram iniquidade e semeiam o mal segam isso mesmo. Com o hálito de Deus perecem; e com o assopro da sua ira se consomem.” (Jó4.7-9)

Logo em seguida Bildade, leia:

“...se fores puro e reto, certamente, logo despertará por ti e restaurará a morada da tua justiça. O teu princípio, na verdade, terá sido pequeno, mas o teu último estado crescerá em extremo.” (Jó 8.6,7)

Quem tem amigos dessa estirpe não precisa de inimigos. Até porque a própria personificação da sabedoria se expressa, dizendo que esses falsos crentes não haviam dito o que era reto, ou seja, eram mentirosos:

“Sucedeu, pois, que, acabando o SENHOR de dizer a Jó aquelas palavras, o SENHOR disse a Elifaz, o temanita: A minha ira se acendeu contra ti, e contra os teus dois amigos; porque não dissestes de mim o que era reto, como o meu servo Jó.” (Jó 42.7)

Esse é o principal adjetivo que deve ser atribuído a esses pseudoteólogos de hoje, quando afirmam como os amigos de Jó, que infortúnios, pobreza e enfermidades são um sinal de falta de fé ou pecado.

O Senhor do antigo pacto é o mesmo do novo, porém o tratamento, a forma de lidar com os cristãos mudou. Os israelitas eram um povo especial, logo, o comportamento de Yahweh para com eles também era diferente. A igreja de Cristo é um novo povo, está inserida numa nova aliança e Deus nos trata doutro modo, duma nova maneira.

As palavras de Yeshua são o veredicto final, nelas residem toda a verdade sobre tal particular. Em primeiro lugar Ele pregou contrariamente a esse assunto com a sua vida. Ele foi o rei mais pobre de toda a terra e de todos os tempos (Lc 2.6,7; Mc 6.3; 2 Cor 8.9; Zc 9.9). Como a vida fala alto!

Porém, Ele verbalizou também por meio de sermões suas inquietações, instruindo, consolando e refutando os falsos ensinos (Jo 16.33; Lc 12.15; Mt 16.24-26; Mt 26.11; Mt 19.21). O principal problema é que o Mestre dos mestres foi mal interpretado. Ele só falou de riqueza espiritual, e os homens o interpretaram como se Ele tivesse ensinado sobre prosperidade material. Vejamos algumas passagens (Jo 10.10; Mt 21.22; Mt 7.7-11; Jo 16.24). A expressão “tudo o que pedirdes na oração, crendo, o recebereis” é relativa, por isso deve ser analisada à luz de (I Jo 5.14):

“E esta é a confiança que temos nele: que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve.”

Além de estar no Velho Testamento, foi uma visão pessoal o que disse Davi equivocadamente:

“Fui moço e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a mendigar o pão.” (Sl 37.25)

Ele havia esquecido dessas histórias que ocorreram e inclusive com ele (Gn 12.10; Rt 1.1; 2 Sm 21.1; 2 Rs 6.25; I Rs 18.2; 2Rs 4.38). No novo pacto a situação continua (Lc 16.19-22; 2 Cor 8,9; I Cor 16.1-4; Rm 15.26,27). Se a maioria absoluta dos primeiros cristãos era muito pobre, vários perderam casas, família e bens por amor ao evangelho, hoje a situação não é nada diferente pelo mundo afora. Será que todos estão como dizem os falsos doutores, “em pecado ou sem fé”? O que não dizer dos protestantes fiéis da África, do Haiti, inclusive do nosso Brasil?

Portanto, o que nos resta é conscientizarmo-nos de que prosperidade material sem trabalho duro, é enriquecimento ilícito. O esforço precede o ganho. Mas se você se empenha no labor e não enriquece, e também não tem capacidade para evoluir a tal ponto, console-se com as palavras de Agur:

“Duas coisas te pedi; não mas negues, antes que morra: afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção acostumada; para que, porventura, de farto te não negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecendo, venha a furtar e lance mão do nome de Deus.” (Pv 30.7-9)

Precisamos entender que para tudo há um tempo (Ec 3.1-8), que carecemos de fortificar a nossa estrutura e adquirir resiliência (Fp 4.11-13), e que a maior prosperidade, a ensinada por Cristo é a espiritual (Mt 22.34-40; Mt 5.1-12).

________________________________

Charles Luciano Gomes da Silva é Bacharel em Teologia, Capelão, Escritor, Ensaísta, Contista, Poeta e Compositor Musical. Autor de mais de 30 livros. Apresenta um programa evangélico toda quinta-feira, na rádio farol fm 90,7 - Catende/PE.


segunda-feira, 8 de abril de 2024

E-book gratuito: Frases, Poemas e Reflexões contra o ABORTO


O tema do aborto tem mobilizado mentes, corações e culturas ao longo da história. Nos dias de hoje, tornou-se questão incontornável, transcendendo delimitações sanitárias, sociológicas, políticas e religiosas para inserir-se no centro do debate público.

Temos, ao longo dos anos, editado diversas antologias, dos mais variados escopos e amplitudes. Em sua maioria, antologias poéticas ou de citações. Para execução de tal atividade, é de praxe a aquisição e/ou consulta de livros no gênero, e o leitor deve saber que é relativamente farta a disponibilidade – no caso das citações – de livros de frases em nossas prateleiras. No entanto, transitando, por prazer e a trabalho, por dezenas de antologias e mesmo dicionários de citações, jamais vimos o verbete “aborto” categorizado em obra alguma. Até citações esparsas sobre um tema tão significativo estão curiosamente ausentes deste gênero de literatura. Assim, tomamos para nós a tarefa de, mesmo reféns da brevidade, organizar e disponibilizar a presente obra, de maneira alguma exaustiva, sobre esse assunto vital.

E este pequeno livro é na verdade uma antologia multigêneros: às diversas citações sobre o aborto, unimos uma seleção de poemas e, por fim, uma coleção de pequenos textos de reflexão que ajudarão a iluminar nosso entendimento sobre o assunto.


       Esse é um livro gratuito, que nasce em serviço da sociedade e da melhor das intenções. Convidamos você a ler e também a compartilhar este conteúdo, com quantos achar conveniente.

Para baixar o seu exemplar gratuitamente pelo site Google Drive, CLIQUE AQUI.


sexta-feira, 15 de março de 2024

21 citações de Soren Kierkegaard sobre a FÉ

 


1.               A fé é a mais elevada paixão de todos os homens.

 

2.               A fé é a paixão pelo possível e a esperança é a companheira inseparável da fé.

 

3.               Fé significa precisamente a inquietude profunda, forte, bem-aventurada, que impulsiona o crente, para que ele não possa aquietar-se neste mundo, de modo que se ele se aquietou completamente também cessou de ser um crente; pois um crente não pode assentar-se calmamente, tal como a gente se assenta com o cajado na mão, um crente caminha adiante.

 

4.               A fé enxerga melhor no escuro.

 

5.               A fé é um absurdo. Seu objeto é extremamente improvável, irracional e para além do alcance de qualquer argumento… Suponhamos que alguém decida que quer adquirir fé. Acompanhemos essa comédia. Ele quer ter fé, mas ao mesmo tempo também quer ter a certeza de que está dando o passo certo – então empreende um exame objetivo da probabilidade de estar certo. E o que acontece? Por meio desse exame objetivo da probabilidade, o absurdo torna-se algo diferente: torna-se provável, cada vez mais provável, extremamente provável, absolutamente provável. Agora essa pessoa está pronta para acreditar e diz a si mesma que não acredita da mesma maneira que os homens comuns, como sapateiros ou alfaiates, mas apenas depois de ter pensado toda a questão de forma adequada e compreendido sua probabilidade. Agora está pronta para acreditar. Mas vejam, nesse exato momento torna-se impossível para ela acreditar. Algo que é quase provável, possível ou extrema e absolutamente provável é algo que a pessoa pode quase conhecer, praticamente conhecer ou bem aproximadamente conhecer – mas é impossível crer. Pois o absurdo é objeto de fé e o único objeto que pode ser crível.

 

6.               A fé não resulta da investigação científica; não tem de todo uma origem direta. Pelo contrário, nesta objetividade há a tendência para perder o interesse pessoal infinito pela paixão que é a condição da fé, o ubique et musquam [lat.: por toda parte e em nenhum lugar] no qual a fé pode brotar.

 

7.               A incerteza objetiva, sustentada na apropriação da mais apaixonada interioridade é a verdade, a mais alta verdade que há para um existente. Lá onde o caminho se desvia (e onde é esse ponto não se pode estabelecer objetivamente, pois ele é, precisamente, a subjetividade), o saber objetivo é suspenso. Objetivamente ele tem, então, apenas incerteza, mas é exatamente isso que tensiona a infinita paixão da interioridade, e a verdade é justamente a ousada aventura de escolher, com a paixão da infinitude, o que é objetivamente incerto. Observo a natureza a fim de encontrar Deus e, de fato, vejo onipotência e sabedoria, mas vejo também muita outra coisa que preocupa e perturba. A summa summarum [lat.: soma total] disso é a incerteza objetiva, mas precisamente por isso a interioridade é tão grande, porque a interioridade abrange a incerteza objetiva com toda paixão da infinitude.

 

8.               Sem risco não há fé. Fé é justamente a contradição entre paixão infinita da interioridade e a incerteza objetiva. Se eu posso apreender objetivamente Deus, então eu não creio; mas, justamente porque eu não posso fazê-lo, por isso tenho de crer; e se quero manter-me na fé, tenho de constantemente cuidar de preservar na incerteza objetiva, de modo que, na incerteza objetiva, eu estou sobre “70.000 braças de água”, e contudo creio.

 

9.               Com efeito, a fé tem duas tarefas: vigiar e descobrir a cada momento a improbabilidade, o paradoxo, para então, com a paixão da interioridade, permanecer firme. […] Onde o entendimento desespera, lá a fé já está presente, a fim de tornar o desespero bem decisivo, para que o movimento da fé não se torne uma transação dentro da esfera de negociações do entendimento.

 

10.          O cristianismo ensina que tudo o que é essencialmente cristão depende somente da fé; quer, portanto, ser precisamente uma ignorância socrática e com temor de Deus que por meio da ignorância guarda a fé contra a especulação, vigiando para que o abismo da diferença qualitativa entre Deus e o homem possa ser mantido como é no paradoxo e na fé, a fim de que Deus e o homem, ainda mais terrivelmente do que nunca no paganismo, não se transformem de algum modo, philosphicepoetice [filosoficamente, poeticamente], numa unidade — no sistema.

 

11.          Tenho que confessar que jamais encontrei, no curso de minhas observações, um só exemplar autêntico do cavaleiro da fé, sem com isso negar que talvez um homem em cada dois o seja...

 

12.          Não é permitido a ninguém fazer acreditar aos outros que a fé tem pouca importância ou que é coisa fácil, quando é, pelo contrário, a maior e a mais penosa de todas as coisas.

 

13.          O verdadeiro cavaleiro da fé é uma testemunha, nunca um mestre.

 

14.          Enquanto que até agora a fé teve na incerteza um pedagogo proveitoso, ela deveria ter seu maior inimigo na certeza. De fato, se se exclui a paixão, a fé deixa de existir, e certeza e paixão não se atrelam juntas.

 

15.          Para quem serve a demonstração? A fé não precisa dela, pode até mesmo considerá-la sua inimiga. Ao contrário, quando a fé começa a se envergonhar de si mesma; quando, como uma amante que não se contenta com amar, mas que no fundo se envergonha de seu amado e por isso precisa provar que ele é algo de notável; portanto, quando a fé começa a perder a paixão; portanto, quando a fé começa a deixar de ser fé, aí a demonstração se torna necessária para que se possa desfrutar da consideração burguesa da descrença.

 

16.          Pobre, incompreendida, maior de todas as paixões: fé.


17.  O engenhoso pagão disse: Dá-me um ponto lá fora e eu moverei a terra; o nobre disse: Dá-me um grande pensamento; oh, a primeira coisa não se deixa fazer, e a segunda não adianta o bastante. Só há uma única coisa que pode ajudar, mas esta não pode ser dada por um outro alguém: crê, e transportarás montanhas!


18.               Não existe a obediência fora do sofrimento, a fé não existe fora da obediência, a eternidade não existe fora da fé. No sofrimento a obediência é obediência, na obediência a fé é fé, na fé a eternidade é eternidade.


19.               As tarefas, tanto da fé quanto da esperança, e do amor e da paciência e da humildade e da obediência, em suma, todas as tarefas humanas repousam sobre a certeza eterna, na qual têm paradeiro e aprovação, de que Deus é amor.


20.               Fé e dúvida não são dois tipos de conhecimento: são paixões opostas.


21.               O engenhoso pagão disse: Dá-me um ponto lá fora e eu moverei a terra; o nobre disse: Dá-me um grande pensamento; oh, a primeira coisa não se deixa fazer, e a segunda não adianta o bastante. Só há uma única coisa que pode ajudar, mas esta não pode ser dada por um outro alguém: crê, e transportarás montanhas!


Frases extraídas do e-book gratuito 150 Frases de Soren Kierkegaard.

Baixe o seu exemplar gratuitamente AQUI.


Se desejar, confira ainda o e-book Kierkegaard em 250 Citações, disponível na Amazon, aqui.


domingo, 25 de fevereiro de 2024

O SEGREDO DE UM BOM SERMÃO (ILUSTRAÇÃO)

 


O SEGREDO DE UM BOM SERMÃO

 

Um jovem estava pregando na presença de um grande líder de sua denominação e, depois de terminar, virou-se para o ministro mais velho e disse:

– O que você achou do meu sermão?
– Um sermão muito pobre – disse ele.
– Um sermão pobre? – espantou-se o jovem – Demorei muito tempo estudando para prepará-lo.
– Sim, não há dúvida sobre isso.
– Por que? Você acha que minha explicação do texto não é muito boa?
– Oh, sim – disse o velho pregador – sua explicação foi muito boa. 

– Bem, então, por que você diz que foi um sermão ruim? Você não acha que as ilustrações foram adequadas e concretas para os argumentos?

– Sim, eles foram muito bons, mas ainda assim foi um sermão muito pobre.
– Você vai me dizer por que acha que foi um sermão ruim?
– Porque não havia Cristo nele.

– Bem, Cristo não estava no texto, Cristo nem sempre é pregado, temos que pregar o que está no texto.

O velho disse:

– Você não sabe que em cada cidade e em cada vila, e em cada pequeno vilarejo da Inglaterra, onde quer que esteja, existe um caminho para Londres?
– Claro – disse o jovem.

– Pois bem – disse o velho teólogo – é assim que se forma cada texto das Escrituras, existe um caminho para o tema principal das Escrituras, que é Cristo. Um sermão não pode fazer nenhum bem a menos que haja nele o odor de Cristo. 

(Autor desconhecido)

terça-feira, 6 de fevereiro de 2024

As três frases mais comuns de igrejas moribundas - Thom S. Rainer

 

Se as igrejas pudessem falar, quais seriam suas palavras em seu leito de morte?

Você não tem que esperar até que uma igreja feche suas portas para ouvir algumas das sentenças que levaram à sua morte. Na verdade, essas três frases, ou algo semelhante às palavras, são difundidas em muitas igrejas.

1. “Nunca fizemos assim antes.” Essa frase se tornou o exemplo clássico de uma igreja que resiste à mudança. Embora nunca devamos mudar ou comprometer as verdades da Palavra de Deus, a maior parte da resistência à mudança é sobre metodologias, preferências e desejos. Infelizmente, essas batalhas geralmente são sobre questões de minúcia. Uma igreja recentemente teve uma batalha sobre o uso de uma tela nos cultos de adoração. Uma matriarca argumentou que o apóstolo Paulo não tinha uma tela de projeção. Acho que Paul estava confortável com seu hinário impresso.

2. “Nosso pastor não visita o suficiente”. As igrejas com essa reclamação geralmente têm expectativas altamente irracionais em relação ao pastor. O pastor poderia visitar os membros 24 horas por dia, 7 dias por semana e ainda não seria o suficiente. Alguns dos membros dessas igrejas comparam a duração e a frequência das visitas pastorais para ver quem está recebendo mais atenção. Essas igrejas estão focadas internamente e estão caminhando para o declínio e, muitas vezes, a morte iminente.

3. “As pessoas sabem onde nossa igreja está se quiserem vir aqui.” Esta frase está repleta de problemas. Primeiro, assume que a igreja é um lugar, que a localização física do prédio da igreja é a igreja. A igreja, trabalhando sob essa suposição errônea, nunca poderá sair de seus muros porque deixará de ser a igreja. Em segundo lugar, essa frase é freqüentemente usada como desculpa para as congregações permanecerem em seus “encontros sagrados” e nunca evangelizar a comunidade. Terceiro, em alguns casos, é uma sentença de encobrimento de preconceito e racismo. A comunidade fora da igreja mudou, mas a igreja não. Os membros da igreja realmente não querem “aquelas pessoas” invadindo sua fortaleza.

Muitas igrejas estão fechando suas portas todos os dias. E os membros dessas igrejas nunca teriam pensado que aquele dia triste chegaria.

Você tem a oportunidade agora de olhar os sinais de alerta em sua igreja. Se essas sentenças, ou alguma variação delas, fizerem parte da linguagem comum de sua congregação, a igreja está em apuros.

Sim, sua igreja pode mudar no poder de Deus. Infelizmente, a maioria dos membros dessas congregações não abrirá mão de suas preferências, confortos e preconceitos pessoais para mudar.

E esse tipo de mentalidade, infelizmente, é um certo caminho para a morte.

Thom S. Rainer

Via https://e-missional.blogspot.com/

_________

Original disponível em inglês: The Three Most Common Sentences of Dying Churches
Acesso: 07 out. 2020.
Tradução: Google tradutor (Revisão: Robson Santana)

terça-feira, 23 de janeiro de 2024

Retrospectiva Editorial Sammis Reachers 2023 - Tudo o que publicamos, e onde fomos publicados

 

Como fazemos anualmente desde, hum, 2012?, resumimos aqui todas as nossas publicações (livros, recursos etc.) e iniciativas do ano. É uma oportunidade para o leitor rememorar e/ou conhecer materiais e iniciativas que lhe podem ser úteis - afinal, a maioria dos recursos são gratuitos. Vamos, assim, à retrospectiva editorial 2023!


Em janeiro publiquei o livro Citações Missionárias. Fruto de ampla pesquisa, o livro, único no gênero em nossa língua, reúne mais de 2000 citações sobre 40 temas relacionados à missão cristã, acomodadas em mais de 270 páginas.

A tiragem inicial do livro já está esgotada. Mas espero em algum momento fazer não nova tiragem, mas uma nova edição, ampliada. Você pode ver mais sobre o livro AQUI.



Em maio lancei o Volume 2 do e-book Saindo da Zona de Conforto em 200 Frases. O volume 1 é, de meus pequenos e-books, o mais vendido na Amazon, e já era tempo de um segundo volume. Confira AQUI.



No mesmo maio, fiz minha estreia na plataforma de livros impressos Uiclap. E aproveitei para unir os dois volumes do Saindo da Zona de Conforto... num único livro. Você pode ver, e adquirir o seu (eu recomendo como presente) AQUI.



Em julho finalmente publiquei meu primeiro romance, A Ordem Luterana da Cruz Combatente. Finalmente pois a história nasceu em 2015, e desde então suportando esporádicos acréscimos, acertos e muita, muita gaveta, até finalmente vir à luz. 

O livro pode ser adquirido em formato e-book na Amazon, AQUI; e o impresso pode ser adquirido no site da editora UICLAP, AQUI, ou diretamente comigo (bem mais em conta).



Em agosto lançamos um e-book gratuito: As Mais Belas Citações Sobre a Gratidão. O e-book reúne 250 citações selecionadas sobre este tema poderoso para curar e ressignificar nossas vidas. Você pode baixar gratuitamente pelo Google Drive, clicando AQUI.

Há uma versão equivalente na Amazon (onde não é possível disponibilizar livros de graça, salvo por curtíssimo espaço de tempo). Você pode adquiri-lo, ou ler gratuitamente caso tenha a assinatura Kindle Unlimited, AQUI.



Em setembro foi a vez de O Livro e o Prazer da Leitura em 600 Citações, livro impresso e publicado na editora UICLAP. O livro é uma edição ampliada de O Livro e o Prazer da Leitura em 400 Citações, e-book que publicamos pela Amazon em 20xx. O livro, de 112 páginas, pode ser adquirido AQUI.



Em outubro veio a lume mais uma edição das Separatas a Esmo. Desta vez, uma pequena antologia de poemas sobre o livro e a leitura, no rastro da antologia acima, O Livro e o Prazer da Leitura... trazendo poemas presentes na obra, e outros mais. Você pode baixar o seu exemplar gratuitamente AQUI.



No mesmo outubro foi a vez da antologia de frases do filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard. O livro saiu em duas versões: Como e-book gratuito, reunindo (pouco mais de) 150 citações, e como e-book na Amazon, com 250 citações. Para baixar gratuitamente o primeiro, clique AQUI. Para adquirir a versão da Amazon, clique AQUI.



Em novembro, uma antiga antologia ganhou nova edição, ampliada e mais, versão impressa. Trata-se do livro/e-book 1000 Citações sobre Amor, Esperança e Fé.

Você pode baixar gratuitamente o seu exemplar AQUI.

E, caso queira adquirir a versão impressa do livro, está à venda no site da UICLAP, AQUI.



PUBLICAÇÃO AUTORAL (CONTOS, POEMAS, ARTIGOS ETC.)

Abaixo, a nossa produção autoral, na forma de poemas, contos, artigos e crônicas publicadas em revistas e antologias, a maioria premiada em concursos literários.



Em abril a Revista Sepé publicou cinco de meus poemas, AQUI.



Ainda em abril, meu conto Onório do Bairro Antonina foi selecionado no concurso Contos Fantásticos Niteroienses, da Vira-Tempo Editora. O concurso resultou na publicação de um livro em formato impresso e também digital.



Em junho, foi publicada a antologia decorrente do 1º Concurso Tilden Santiago de Ecologia e Política (ocorrido em 2022), no qual fui honrado com o segundo lugar na categoria Poesia.



Em agosto, o irregularissimamente temporodisposto fanzine Samizdat chegou a seu sexto número. O humílimo reúne alguns contos, poemas e até frases de minha autoria. Você pode baixar gratuitamente o seu exemplar AQUI.

Aproveitei para lançar um compilado com as seis edições do fanzine num único volume. Baixe AQUI.



Em outubro, esse vasto mês, marcamos presença na edição #15 da badalada revista Mystério Retrô, capitaneada por Tito Prates. O texto foi o conto Estranho Horror na Senzala da Fazenda Colubandê. Você pode adquirir a revista impressa AQUI.



Ainda em outubro, no dia 30 obtivemos o terceiro lugar na categoria crônica (nacional), no concurso Varal Literário, promovido pela Câmara de Vereadores de Divinópolis - MG. O texto premiado foi a crônica "Dia de Eleição" (você pode ler o texto AQUI).



Em novembro, o texto Cantiga das Crianças Fruteiras foi selecionado para integrar a Coletânea de Contos e Poemas Infantojuvenis da Editora Philia.



Já está acabando! Em dezembro foi lançada, pelo incansável e impagável Mané do Café, a tradicional & multifocal Folhinha Poética, edição 2024. Comparecemos nesta festa da literatura que é a Folhinha, com o poema Paz para praticar meu perenal ofício. Você pode baixar a sua AQUI.



Por fim, em dezembro participamos também da antologia de textos natalinos Natal, Nascimento de Jesus: E o Verbo Era Deus, organizada por um conterrâneo gonçalense, Carlos Henrique Barcellos Chuveirinho. Nossa inserção se deu através de um trecho de meu poema/projeto O Poema Sem Fim.


Tivemos também algumas lives durante o ano.

Em julho participei de uma live no programa Do Livro Não Me Livro, de Monique Machado. Falei sobre literatura e meus livros em geral, com destaque para o romance A Ordem Luterana da Cruz Combatente. Confira:



Em outubro participei da live dedicada aos autores presentes na Revista Mystério Retrô 15, de Tito Prates. Mas não sei se ou onde ela ficou gravada .



E no dia 01 de dezembro participei do programa Conversa de Missões, com Sylvia Maia, falando sobre a escrita como ferramenta de evangelização e mobilização missionária. Confira:



Ao longo do ano, publiquei alguns contos de variada temática como A Adaga de Kali (Segunda Guerra Mundial em Burma); The Arcade Fire, um conto em homenagem à era de ouro dos fliperamas com jogos de luta; Nonato, o Sociopata Ressocializador (conto de humor mordaz em forma de crônica).



Também publiquei diversas resenhas de jogos de videogame antigos em meu blog Azul Caudal, atividade - despretensiosa e agradável - que tomo como uma alegre higiene mental. Algumas dessas crônicas/resenhas foram também publicadas no site e/ou revista Muito Além dos Videogames, onde sou um dos redatores. Confira uma listagem dessas resenhas AQUI.


---  *  *  *  ---

Como sempre, encerramos nossa retrospectiva rogando por suas orações. Se você tem sido abençoado, edificado, instruído; se você tem se divertido e crescido através de nossos textos, livros e trabalho, lhe convido a orar por nós, para que o Senhor nos dê sabedoria, ânimo, inspiração do alto e paz para seguirmos servindo.

Para 2024, se o Senhor assim desejar, a igreja será honrada com novas antologias para sua edificação, e a mobilização missionária, em espacial, poderá contar com uma valiosa compilação de recursos.

Na produção autoral, não tenho previsões, mas caso o tempo colabore, devo publicar um novo volume de contos (o primeiro saiu no já distante 2015). E quem sabe um novo volume de poemas. Mas, se não vierem à luz, bem está, pois meu foco primordial é servir a igreja através das antologias, onde a voz de muitos pode ser condensada em benefício coletivo.

A Deus seja dada toda a glória!