segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Biografia de Casiodoro de Reina, principal tradutor da Bíblia conhecida como Reina-Valera


Seu nome é amplamente conhecido no mundo cristão de língua hispânica – mas a sua história não. Associado à Bíblia de maior prestígio e difusão, muitos tem chegado a atribuir a sua versão da Bíblia o caráter de «inspirada».
Casiodoro de Reina e seu assistente Cipriano de Valera –na versão da sua Bíblia tal como é conhecida hoje–, formam a dupla mais conhecida de nomes quase sagrados para o povo evangélico de língua hispânica.
Além de sua condição de tradutor da Bíblia, Casiodoro de Reina representa a sorte e o destino de muitos cristãos da sua época. Perseguições, difamações, estreitezas econômicas, incompreensões dos seus próprios irmãos, formaram parte do caminho que teve que seguir o homem que, sem sabê-lo, teria que abençoar a tantos na posteridade.
Por detrás da tradução da Bíblia que hoje tanto desfrutamos, há uma vida oferecida a Deus no altar do holocausto.

Um frade dissidente
Casiodoro de Reina (ou Reyna, no espanhol antigo), nasceu em Montemolín, Badajoz, Espanha, por volta de 1520, apenas um ano depois que Lutero cravou as suas 95 teses na porta da catedral de Wittenberg.
Logo depois de estudar na universidade, ingressou no monastério jerônimo de São Isidoro do Campo em Sevilha; o qual, neste tempo tinha se transformado em um foco do «luteranismo», até o ponto de atrair sobre si a atenção da Inquisição.
O Novo Testamento de João Pérez de Pineda e outras obras protestantes, trazidas de contrabando pelo valoroso Julianillo Hernández, eram o alimento cotidiano dos frades daquele convento.
De fato, Casiodoro tinha se transformado no guia espiritual daquele lugar, e inclusive do grupo secular simpatizante das doutrinas da Reforma na cidade de Sevilha. Mas diante da repressão desencadeada, Casiodoro e outros companheiros, entre eles Cipriano de Valera, fogem para Genebra em 1557.
De todos os frades de San Isidro do Campo que fugiram de Sevilha, e se dirigiram para Genebra, Casiodoro de Reina foi o único que não teve que fazer estudos suplementares de teologia no Théodore de Bèze em Lausanne, e também o único a quem os Inquisidores sevilhanos no Auto de Fé do 23 abril de 1562 deram o honorável título de ‘heresiarca’, que quer dizer, mestre dos hereges.
Segundo testemunho dos próprios inquisidores, Casiodoro tinha propagado com muito êxito a doutrina evangélica entre os seculares de Sevilha. Inclusive um documento da inquisição assinalava que um Frei Casiodoro era o responsável pela súbita conversão ao luteranismo de todos os monges de San Isidro.
O próprio Casiodoro, em seu livro Sanctae Inquisitionis Hispanicae Artes, afirma que somente foram dois frades de San Isidro que deram início a este assunto, com o resultado de que em poucos meses quase todos os frades do convento, ou tinham se convertido, ou pelo menos simpatizavam com eles. Um destes iniciadores foi naturalmente o próprio Casiodoro, quem por modéstia ou cautela entra no anonimato, sendo ele mesmo o verdadeiro autor deste primeiro grande livro contra a Inquisição publicado em Heidelberg em 1567 sob o pseudônimo de Reginaldus Gonsalvius Montanus.

Permanência em Genebra
Quando Casiodoro chegou a Genebra, planejou de traduzir a Bíblia completa para o espanhol. Ele foi falar com Juan Pérez de Pinheiral sobre os seus planos, quem tinha apoiado na tradução do Novo Testamento de Francisco de Enzinas, publicada em 1543.
A estes mesmos planos Casiodoro certamente em um de seus encontros, fez menção a Calvino, quem não deixaria de lhe recordar como Enzinas tinha lhe solicitado, cinco anos atrás, intervir pessoalmente para assegurar o financiamento final de sua própria versão da Bíblia em espanhol.
 Calvino aceitou colaborar em tal empreendimento, mas o que Calvino não sabia era que a tradução de Enzinas não tinha sido feita à partir dos textos originais, mas da versão latina de Sebastian Castellion, apóstolo da tolerância religiosa, amigo íntimo de Enzinas e o homem mais odiado por Calvino e os calvinistas.
A excelente versão em latim clássico de Castellion, que fascinou, além de Enzinas, também a Fadrique Furió Cerol –primeiro caudilho espanhol da difusão da Bíblia em idioma vulgar–, devia gostar tanto de Casiodoro, que decidiu, a despeito de João Pérez, de Cipriano de Valera, e de outros espanhóis submissos a Calvino, de escrever uma carta a Castellion.
Casiodoro se tornou assim suspeito aos ultraortodoxos calvinistas de Genebra, por sustentar, além disso, que também deveria considerar como irmãos os anabatistas, por propagar entre os refugiados espanhóis o livro de Castellion  ‘que não se devia queimar os hereges’, e para dizer que Miguel Servet tinha sido queimado injustamente em Genebra. Os seus inimigos reprovaram a Casiodoro que ‘cada vez que ele passeava diante do lugar da fogueira de Servet, lhe saltavam as lágrimas’. E quando se inteiraram mais tarde que Casiodoro tinha partido para a Inglaterra para fundar ali uma nova comunidade cristã, não demoraram em lhe pôr o adjetivo de ‘Moisés dos espanhóis’, porque conseguiu levar consigo muitos dos seus compatriotas.
 Assim Casiodoro se tornou abominável para os genebrinos, e Genebra abominável para Casiodoro. Com efeito, o que Casiodoro viu em Genebra não foi do seu agrado: em 1553 executaram Miguel Servet e o tratamento dado aos dissidentes era muito controvertido. Reina se opunha à execução de hereges –reais ou supostos– por considerá-la uma afronta ao testemunho de Cristo. Traduziu secretamente o livro de Sebastián Castellion «Sobre os hereges», De herectis an sint persequendi, que condena as execuções por razões de consciência e documenta a rejeição original do cristianismo a semelhante prática.
Ainda que Casiodoro de Reina fosse firmemente trinitário e, portanto, não compartilhava as crenças unitárias por motivo das quais Servet foi queimado, não podia aceitar que alguém fosse executado por suas crenças. Entrou em tal contradição com João Calvino e a rigidez imperante, que lhe fez dizer que «Genebra tinha se convertido em uma nova Roma».

Errando como proscrito
Em tal encruzilhada, Casiodoro foi a Londres no final de 1558. Ali teve a alegria de recuperar os seus parentes mais próximos – entre eles o seu pai e a sua mãe – que tinham escapado da Inquisição espanhola. Casiodoro organiza ali uma Igreja para os de língua hispânica, aceitando também como membros a italianos e  holandeses caídos em desgraça em suas respectivas igrejas.
No princípio se reuniam três vezes por semana em uma casa que o bispo de Londres lhe fornecera, e mais tarde, na igreja de Santa Maria de Hargs, que gentilmente lhes concedeu a própria rainha Isabel I. Por este tempo, Casiodoro se casa.
Em janeiro de 1560, redige a ‘Confissão de fé feita por certos fiéis espanhóis, que fugindo dos abusos que a igreja Romana e a crueldade da Inquisição da Espanha fizeram à Igreja dos fiéis para ser nela recebidos por irmãos em Cristo’. E desde então não deixa de trabalhar na tradução dos livros sagrados que pensava levar a bom termo em um tempo razoável.
Essa era a sua pretensão. Mas não contava com as trapaças provenientes de dois grupos, que ainda que totalmente opostos em seus interesses, fizeram-se unânimes na vontade de impedir o trabalho do tradutor da Bíblia.
Por um lado, os inquisidores, que conseguiu infiltrar um agente provocador na nascente igreja – nada menos que Gaspar Zapata, o assistente de Casiodoro no trabalho de tradução –, e fizeram chantagem ou promessas a alguns membros fracos, dispostos a denunciar o seu próprio pastor diante das autoridades inglesas do crime execrável de sodomia.
E por outro lado, os ciumentos calvinistas das igrejas francesas e flamencas de Londres, que guiado por sua extrema desconfiança e antipatia por Casiodoro, não faziam senão esquadrinhar os textos traduzidos, ainda incompletos, procurar heresias por toda parte, e denunciá-las imediatamente a Genebra, chegando ao extremo de apoiar cegamente o duplo jogo montado a todas vistas pelo embaixador da Espanha em Londres, e por agentes da Inquisição.
O resultado desta dupla conspiração foi a fuga precipitada de Casiodoro de Reina para Amberes, em janeiro de 1564, e a imediata dispersão da comunidade espanhola de Londres.
Por sorte, Casiodoro pôde pôr a salvo os manuscritos, que lhe foram enviados semanas depois a Amberes pelo velho pároco de San Isidro, Francisco de Farías, ou por algum outro ex-frade de toda a sua confiança. Em Amberes passou enormes dificuldades econômicas para poder continuar com a tradução da Bíblia.
Foi então quando o Rei Felipe II pôs a cabeça do fugitivo a prêmio, como se lê em uma carta do governador de Amberes ao regente dos Países Baixos: ‘Sua Majestade gastou grandes somas de dinheiro para encontrar e descobrir ao dito Casiodoro, para lhe poder deter, se porventura se encontrasse nas ruas ou em qualquer outro lugar, prometendo uma soma de dinheiro a quem lhe descobrisse’.
Procurado em toda parte pelos guardas da Inquisição, e suspeito de heresia, ou de piores coisas, mesmo por seus irmãos de fé, Casiodoro andou durante mais de três anos entre Frankfurt, Heidelberg, o sul da França, Basiléia, e Estrasburgo, procurando um lugar onde estabelecer-se como ministro da igreja, ou como simples artesão, para poder terminar a sua tradução.
Naquela época, ele escreve: "Excetuando o tempo que tomei nas viagens de um lado para outro pela perseguição desencadeada pela Inquisição e outro tempo que estive doente, a pena não saiu da minha mão durante nove anos inteiros".
Em 1567 e 1568 o encontramos de novo ocasionalmente na Basiléia, na casa do banqueiro calvinista Marcos Pérez, quem já tinha protegido a Casiodoro em Amberes, e quem agora continuou lhe defendendo contra as acusações de seus correligionários, apoiando finalmente com os custos de impressão da Bíblia. Basiléia era na época o centro da tipografia reformada.

A impressão da Bíblia
Ali fez contato com o tipógrafo Juan Oporino, quem se comprometeu a imprimir 2.600 Bíblias, depois de uma antecipação de 500 florins que Casiodoro tinha entregue por conta da impressão – dinheiro que os refugiados espanhóis de Frankfurt tinham reunido para tal efeito.
Ainda que Casiodoro residisse habitualmente na Basiléia, estava acostumado a fazer viagens a Estrasburgo, onde tinha deixado a sua mulher. De volta de uma destas expedições, caiu gravemente doente; esteve cinco semanas de cama, e ao convalescer-se soube que Juan Oporino tinha morrido.
Recuperar os 500 florins entregues como adiantamento era um difícil empreendimento, porque Oporino tinha morrido arrasado em dívidas, e os seus bens não bastavam para cobri-las. Casiodoro foi aos seus amigos de Frankfurt, que enviaram o dinheiro suficiente para continuar a impressão. Ele mesmo não pôde ir buscar o dinheiro por causa da sua saúde frágil e o rigoroso inverno de 1568, e encarregou esta diligencia aos seus íntimos amigos Conrado Hubert e João Sturm.
Os inimigos espanhóis de Casiodoro, que tinham decidido reimprimir em Paris o Novo Testamento de Juan Pérez, com todas as notas marginais da Bíblia francesa de Genebra (Geneva Note), começaram a exigir para seu projeto uma parte do dinheiro dos fundos dos refugiados espanhóis. A este conflito o embaixador espanhol Dom Francês de Ávila pôs inesperadamente fim, pois, tendo notícia do projeto, fez deter provisoriamente no verão de 1568 ao impressor de Paris. Os cadernos já impressos deste Novo Testamento, caíram nas mãos do embaixador, que se apressou a enviar-lhe ao rei Felipe II como o mais estimado troféu. 
Menos êxitos tiveram o rei e seus agentes para impedir o projeto da Basiléia, possivelmente por não estar informados suficientemente sobre o tempo e lugar onde Casiodoro estava imprimindo a sua Bíblia. Possivelmente foi o próprio Casiodoro quem indiretamente lhes tinha dado uma pista falsa ao escrever a Théodore de Bèze, em abril de 1567, que estava disposto a submeter a seu controle o texto bíblico antes da impressão, que poderia muito bem ser efetuada na gráfica de Jean Crespin em Genebra. Naturalmente que Casiodoro com este ato de submissão não pretendia a não ser obter dos ministros genebrinos seu reconhecimento como ministro, não pensando em nenhum momento em pôr a sua tradução nas mãos dos seus contraditores, e muito menos de imprimi-la em Genebra.
Mas a notícia deve ter chegado aos ouvidos de algum espião da Inquisição, o qual se apressou em transmiti-la para Madri. Em todo caso, já no verão de 1568 a Suprema ordenou aos inquisidores dos portos da península, de estarem bem avisados sobre os livros que entrassem, pois ‘Casiodoro tinha imprimido em Genebra a Bíblia na língua espanhola’. A resposta do Tribunal de Granada não se fez esperar: ‘depois de muitos controles podemos assegurar as suas Excelências que neste reino [de Granada] não entrou nem um único exemplar da Bíblia de Casiodoro’. Bem podiam dizer, pois nessa data (2 de julho), a Bíblia de Casiodoro ainda não tinha começado a ser impressa, pois a morte de Oporino tinha ocasionado um posterior atraso.
Uma nova intervenção de Marcos Pérez, emprestando a Casiodoro a fundo perdido a soma de 300 florins (equivalente ao salário de 3 anos de um professor de universidade), serve para fechar um novo contrato com o impressor Thomas Guarin, quem imprimiu finalmente os 2.600 exemplares. A impressão aconteceu nas oficinas do próprio Guarin e não, como se tem sustentado, na pequena gráfica de Samuel Apiario, de onde não saíam senão livros de pequeno formato e textos limitados.
Mas a impressão não esteve isenta de novas dificuldades. A saúde de Casiodoro era frágil; sentia constantemente dores de cabeça e contínuas febres. Quando começou a impressão de sua Bíblia, a tradução de Casiodoro não estava nem ao menos terminada, apenas a do Novo Testamento, e à medida que avançava o trabalho das prensas, o intérprete se viu cada vez mais apressado pelo tempo. Até maio de 1569 a impressão não tinha chegado aos Atos dos Apóstolos, e faltava por traduzir da segunda Epístola aos Coríntios até o fim.
As esperanças que Casiodoro tinha de utilizar ainda a revisão do Novo Testamento de João Pérez que era impressa em Paris, viram-se frustradas em 1568 pela intervenção do embaixador espanhol acima mencionado. Só ficavam, pois, a versão de Enzinas, e as cartas paulinas traduzidas por Valdés, de onde Casiodoro às vezes incorporava literalmente frases ou expressões em seu próprio texto, ou às vezes as indicava somente na margem como ‘outras variantes’.
Ao chegar ao Apocalipse, o trabalho do impressor havia quase já alcançado a do tradutor, e a Casiodoro não restou outro remédio que servir-se às mãos cheias do correspondente texto de Enzinas, contentando-se meramente com uma rápida revisão. Isto não significa um menosprezo do trabalho de Casiodoro, pois como monumento de alta piedade e erudição, ou como modelo de precisão e propriedade da língua espanhola, tanto vale a deliciosa e elegante prosa de Enzinas, como a ligeira e brilhante de Casiodoro.
Além das dificuldades anteriores, ele se encontrava sem dinheiro; necessitava de pelo menos 250 florins para acabar o livro, e não tinha recobrado nem um centavo da herança de Oporino, apesar das reclamações que fez ao Senado da Basiléia.
Apesar de tudo, um mês depois, em 14 de junho, deu aos seus amigos a boa notícia de ter recebido a última folha da Bíblia: ‘postremum folium totius texti biblici tam Veteris quam Novi Testamenti’; e pergunta-lhes se era conveniente dedicá-la à rainha da Inglaterra. João Sturm devia escrever a dedicatória latina, e assim o fez; mas finalmente preferiu encabeçá-la aos príncipes da Europa e especialmente aos do Sacro Império Romano.
Casiodoro gostaria enormemente de usar a simbólica imagem de um urso que Apiario já não utilizava como marca tipográfica desde muito tempo atrás, e, ou comprou, ou pediu emprestado o mencionado clichê para ilustrar a capa que depois seria chamada a Bíblia do Urso. Em todo caso, o próprio Casiodoro confirmou em sua dedicatória autografada no exemplar presenteado à Universidade da Basiléia, que a impressão tinha sido efetuada na tipografia de Guarin. Além disso, no catálogo ou pôster de vendas que Guarin imprimiu para a feira de livros de Frankfurt de 1578, figurava a Bíblia de Casiodoro: ‘Bíblia in Hispanicam linguam traducta’.
Em 6 de agosto, Casiodoro envia a Estrasburgo, por meio de Bartolomeu Versachio, quatro grandes tonéis de Bíblias para que Huber os recolhesse com o objeto que ele sabe; sem dúvida, para introduzi-los no Flandes, e dali na Espanha.
Por razões óbvias de cautela para difundi-la em terras católicas – a fim de prevenir a inevitável proibição imediata por parte da Inquisição – Casiodoro faz passar a sua Bíblia como uma obra católica, respeitando a ordem dos livros bíblicos segundo a Vulgata, cujo canon tinha sido recentemente confirmado pelo concílio de Trento, e omitindo o nome do tradutor e o lugar de impressão.
Por isso, só um ano e meio mais tarde, em 19 de janeiro de 1571, o Conselho Supremo da Inquisição se inteirou de que ‘a Bíblia em romance’ havia sido impressa na Basiléia, e ordenou o recolhimento de todos os exemplares que fossem descobertos. Dez anos depois, em 1581, o titular do bispado da Basiléia, Blarer von Wartensee, denunciava ao cardeal Carlo Borromeo que na Basiléia tinha sido impresso com data de 1569 uns 1600 exemplares da Bíblia em espanhol, e que 1400 delas acabavam de ser enviados de Frankfurt a Amberes.
Em Amberes finalmente, trocaram-se as capas de muitos destes exemplares pelo frontispício do célebre Dicionário de Ambrogio (ou Ambrosio de) Calepino (1435-1511), a fim de podê-los melhor difundir na Espanha. Este estratagema nem sempre funcionou, como demonstra o caso de um envio descoberto pela Inquisição em 1585, que deu lugar a um novo aviso aos tribunais da província: ‘Bíblias em espanhol, cobertas com folhas de Calepino, estão proibidos’. Muitos outros exemplares ficaram durante decênios depositados nas mãos dos membros da família de Casiodoro em Frankfurt, que fizeram ‘renovar’ periodicamente os exemplares não vendidos, atualizando as capas. Isto explica o porquê existem exemplares com o falso rodapé de impressão em ‘Frankfurt 1602’, Frankfurt 1603’ ou ‘Frankfurt 1622’.
A Bíblia de Reina não foi a primeira versão completa das Sagradas Escrituras em espanhol. Existia a versão de Alfonso X o Sábio de 1260, mas esta já tinha a partir de então um valor meramente histórico. Os judeus de Ferrara tinham editado todo o Antigo Testamento em castelhano em 1553, mas essa era uma versão de difícil linguagem, por ser muito literal. E, como se tem dito, o Novo Testamento já tinha sido traduzido para o espanhol por Francisco de Enzinas e por João Pérez de Pineda com antecedência a que fizera Reina.
Mas a versão de Casiodoro de Reina é a primeira tradução da Bíblia para o castelhano a partir do hebreu e do grego, completada após doze anos de árduo trabalho.

Cipriano de Valera
A Bíblia de Cipriano de Valera, publicada 33 anos depois, em 1602, na realidade uma edição só levemente corrigida da tradução de Reina, tal como se reconhece nas versões contemporâneas Reina-Valera, a qual, no entanto, suprimiram os livros deuterocanônicos traduzidos por Reina e colocados como apêndices na edição de Valera, à maneira da Bíblia de Lutero.
O que Valera pretendia com a sua nova edição de 1602, era, não só suprir a falta de exemplares, reimprimindo a tradução que seu antigo mestre Casiodoro tinha levado a bom termo, mas também o seu verdadeiro intento mais ou menos consciente era acabar de uma vez por todas com o fato, vergonhoso aos olhos de alguns estreitos calvinistas espanhóis, de ter que utilizar uma Bíblia que tanto na ordem dos livros como nas notas teológicas marginais não correspondiam exatamente às Bíblias oficiais de Genebra.
Ao sair a Bíblia de Casiodoro, os pastores de Genebra a examinaram minuciosamente. E certo é também que, não obstante ‘à sinistra opinião’ que dizem seguir tendo de Casiodoro, não encontraram absolutamente nada que reprovar na edição, a não ser um insignificante engano tipográfico em Gênesis 1:27 (‘macho fêmea os criou’). Também ele se deu logo conta do engano, fazendo imprimir um adesivo com as palavras ‘e fêmea’, que ele mesmo inseriu na correspondente linha de um grande número de exemplares. Das verdadeiras ‘heresias’ exegéticas, que Casiodoro introduziu engenhosamente nos epígrafes de muitos capítulos de sua Bíblia, nem se inteiraram os pastores de Genebra, nem tampouco Cipriano de Valera, pois os deixou intactos em sua revisão.
Não obstante esta aprovação tácita da versão de Casiodoro pelos pastores de Genebra, Valera ficou por volta de 1580 em Londres, por sua própria conta, para revisar a Bíblia de Casiodoro, quem naquele caso era duplamente suspeito: por seus ‘servilismos’ passados, e por seu ofício presente de pastor da igreja luterana. Mas para evitar a acusação de comportar-se como um plagiador, Valera esperou até a morte de Casiodoro, que aconteceu em Frankfurt em 15 de março de 1594, para publicar em Londres em 1596 uma ‘própria’ edição do Novo Testamento. Esta edição de Valera não parece ter sido muita difundida no continente, pois três anos mais tarde, com a ocasião da edição do Elias Hutter do Novo Testamento em doze línguas, Nuremberg 1599-1600, o texto ali impresso não é o de Valera, mas o da Bíblia de Casiodoro.
A diferença na realidade, não se havia feito muito notar, pois o trabalho de Valera em sua edição do Novo Testamento não tinha consistido em muito mais que em tirar ou acrescentar notas marginais, alterar de vez em quando o texto, e omitir de todo o nome o tradutor que havia morrido. Tal silêncio, naturalmente, Valera não pôde manter no todo em sua edição da Bíblia completa, impressa em Amsterdam em 1602, e é por isso que no longo prefácio, ao verdadeiro tradutor Casiodoro vêm dedicadas umas poucas linhas, não carentes de reticências, enquanto que o nome do revisor, Cipriano de Valera, figura em grandes letras no meio da capa.
Mas também nesta ‘revisão’, como era de esperar, o próprio trabalho de Valera consistiu, sobretudo em acomodar a ordem dos livros ao canon reformista (que é na realidade o canon hebreu-cristão), e em tirar ou acrescentar notas marginais, seguindo especialmente as notas das Bíblias de Genebra. As alterações do texto não significam sempre melhoria, e o mesmo se pode dizer de sua escrupulosa eliminação de expressões como ‘porventura’, que Valera apagou, como ele mesmo escreve, ‘por ter sabor de gentilidade’. Tais alterações não superam, em todo caso, 1% do texto.
  Portanto, é justiça sublinhar que o mérito maior da Bíblia Reina-Valera é de Casiodoro de Reina, quem, contra ventos e marés, até face à oposição de muitos dos seus próprios irmãos, fez uma tradução que nenhum outro cristão espanhol depois da segunda metade do século XVI foi capaz de fazer.

O comerciante de sedas
Tendo concluído a sua grande obra na Basiléia, Casiodoro saiu desta cidade e se dirigiu a Frankfurt, Alemanha, onde lhe foi conferido o título de cidadão ilustre. Dali foi para Amberes, Bélgica, para encabeçar em 1579 a congregação dos franceses que se aderiram à Confissão de Augsburgo, igreja que reorganizou e que desdobrou uma grande atividade.
Quando Amberes caiu nas mãos de Alejandro Farnesio (espanhol opositor dos emancipados de Roma) em agosto de 1585, deixou esta cidade e voltou para Frankfurt, onde a sua figura foi muito respeitada entre os cristãos que tinham emigrado para a Holanda, sendo sustentado por seu próprio trabalho com um comércio de sedas.
Algum tempo depois, em 1593, tendo mais de setenta anos, foi eleito pastor auxiliar na igreja de Frankfurt. Durante oito meses ainda pôde exercer o seu ministério, até que dormiu no Senhor em 15 de março de 1594. O seu filho Marcos foi, dois anos mais tarde, eleito sucessor do seu pai.
A Inquisição o queimou em figura no ‘Auto de Fé’ celebrado em Sevilha em 1562, e seus escritos foram postos no Índice de Livros Proibidos.
A versão de Reina-Valera é até hoje a mais usada pelos cristãos de língua hispânica. Foi durante séculos a única tradução acessível em espanhol, e foi reconhecida até pela Igreja Católica, como superior às duas versões delas, a versão de Scío (1793), e a editada por Torres Amat (1825, tradução de José Miguel Petisco), ambas mais tardias e únicas até tempos muito recentes.
Quando seus inimigos mencionavam o abuso que se podia cometer pelo mau uso das Escrituras na língua vernácula, Casiodoro replicava que seria como se «o rei ou o príncipe, porque há muitos que fazem mal uso do pão, da água ou do vinho, do fogo, da luz, e das outras coisas necessárias à vida humana, ou as proibisse de tudo, ou fizesse da venda delas algo muito caro, e com grande escassez».

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

JOGRAL EVANGELÍSTICO - AS QUATRO LEIS ESPIRITUAIS


JOGRAL EVANGELÍSTICO - AS QUATRO LEIS ESPIRITUAIS EM JOGRAL

1- Hoje temos uma boa notícia pra você.
T- Deus o ama e tem um plano maravilhoso para a sua vida.
2- Esse plano está registrado na Bíblia, no livro de João capítulo três,
versículo dezesseis:
3- “Porque Deus amou o mundo de tal maneira,
4- que deu o seu filho unigênito,
T- Para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a
vida eterna”...
1- Jesus é o instrumento de Deus para nos trazer uma vida de paz e
alegria...
2- Sim! Uma vida com sabor, gostosa, completa...
3- mas as pessoas não estão acessando essa vida que a Bíblia fala.
4- Não estão acessando porque, lá no passado, o ser humano
interrompeu o seu relacionamento com Deus.
1- Se rebelou contra Deus, pecou, e resolveu viver sem Deus,
fazendo o seu próprio caminho.
T- “Todos pecaram e carecem da glória de Deus e o salário do pecado
é a morte” (Rm. 3:23 e 6:23)
2- O ser humano está em pecado e com isso cavou um grande
abismo que o separa de Deus...
3- Deus é Santo.
4- O ser humano é pecador.
T- E nenhum esforço humano poderá aproximá-lo de Deus...
1- Mas e se eu for uma pessoa boa que leva uma vida reta, limpa,
2- Tiver uma religião, fizer boas obras, nem assim me aproximarei de
Deus...
3- Nem assim você atravessará o abismo que o pecado abriu entre
você e Deus.
T- Porque “Todos pecaram e carecem da Glória de Deus”.
4- O ser humano sempre acaba vencido pela fraqueza da carne e a
força do pecado.
1- Por isso só Jesus Cristo, o filho de Deus, é a solução para o
problema do pecado que nos separa de Deus.
2-Ele deixou o céu,
3- Nasceu em forma de homem,
4- e, por amor, habitou entre nós...
T- E assim “Deus prova o seu próprio amor para conosco, pelo fato
de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores”.(Rm.5:8).
1- Então Cristo foi morto por conta dos nossos pecados?
2- Sim! Ele morreu em nosso lugar, pagou junto ao pai, as nossas
culpas.
3-Cristo foi crucificado, morto e sepultado, mas ao terceiro dia
ressuscitou e apareceu aos seus discípulos. (I Cor. 15:3-6)
1- Por isso Ele podia dizer a todos nós:
T- “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao pai, a não
ser por mim”. (João 14:6)
1- Cristo, ao morrer em nosso lugar atravessou o abismo, abriu o
caminho para a nossa comunhão com Deus.
2- Então agora toda a pessoa que quiser já pode ter aquela vida
alegre, gostosa, completa, prometida por Deus?
3- Sim, basta crer e receber a Jesus Cristo como Senhor e
salvador da sua vida.
4-E você deixará de ser só uma criatura de Deus perdida, sem
salvação para ser uma pessoa salva por Jesus.
T- E a Bíblia diz mais: “Aos que o receberam, e aos que creram em
seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus”(Jo.1:12)
1-         A partir do momento que você recebe a Jesus como seu salvador.
2- A vida reta, de boa moral e rica em boas obras...
3- Acontecerá no seu dia-a-dia, por amor,
4- Como fruto da salvação em Cristo Jesus...
T- Como é linda a vida que Jesus lhe oferece!
1- O que eu preciso fazer para receber Jesus no meu coração?
2- Eu também quero recebê-Lo como meu salvador...
3- A pessoa recebe a Jesus por meio do arrependimento e de uma
oração pedindo, a Deus, perdão dos pecados.
4- Então vamos fazer todos juntos essa oração...
1- Vamos ficar todos em pé. E que esta oração seja a sua oração
neste momento!
Todos: “Deus pai, estou arrependido dos meus pecados e precisando do teu perdão. Agora, abro a porta da minha vida e recebo Jesus Cristo como meu Senhor e salvador.
2- Obrigado Pai, por Jesus ter morrido na cruz para o perdão dos meus pecados...
3- Obrigado por me aceitar como eu sou, indiferente pecador...
4- Obrigado por me dar vida agora e vida eterna.
T- Pai, tome conta da minha vida, ela anda feia, me ajude a mudar o que precisa ser mudado e faze de mim uma pessoa conforme o desejo do teu coração. Em nome de Jesus, amém!


Rev. Valdomiro Pires de Oliveira

Leia mais jograis e poesias no site do pastor Valdomiro: 


quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Textos de Lutero: Ele é como a árvore



Leia em sua Bíblia: Salmo 1
Ele é como a árvore que no devido tempo dá o seu fruto”. (v. 3)

Que jóia de palavra amável! Com ela, confirma-se a liberdade da justiça cristã. Os ateus supersticiosos têm seus dias certos, suas épocas determinadas, as obras ordenadas e lugares escolhidos aos quais estão escravizados de tal forma que não se deixam separar deles, ainda que seu próximo morra de fome. Esse homem bem-aventurado do salmo, porém, é livre e disposto a toda hora, a toda obra, em toda parte, para com qualquer pessoa; sem qualquer situação que apareça, ele serve, e o que lhe aparecer, ele o faz. Mas é nada especial e nem quer sê-lo. Traz o seu fruto a seu tempo, ambos os frutos – em relação a Deus, sempre que o momento o exige, e em relação aos homens, sempre que necessitem de seu serviço e esforço. Por essa razão, também seu fruto não tem nome, nem ele próprio tem nome; igualmente, suas correntes de água não têm nome; e assim não serve a uma só pessoa, apenas em determinada época, nem em lugar especial, nem com uma só obra, mas serve a todos, em toda parte e em todas as coisas, e é, de fato, um homem disposto a toda hora para todo e qualquer serviço a toda e qualquer pessoa, quando, para que e como se necessita dele e, segundo a imagem de Deus, ele é tudo e sobre todas as coisas.


sábado, 26 de agosto de 2017

O "eu" e a Cruz - Diversos autores refletem sobre o tema


O «eu» e a Cruz
Diversos autores da história da Igreja têm escrito sobre as características
e o lugar que corresponde ao «eu» na vida cristã. Eis aqui alguns textos escolhidos
.


O ídolo maligno
Oh! que dor e que morte é para a minha natureza, transformar-me, a mim mesmo – a minha concupiscência, o meu bem-estar, a minha reputação– até o «meu Senhor, meu Salvador, meu Rei e meu Deus», até a vontade do meu Senhor, a graça do meu Senhor!
Mas, ai de mim! Esse ídolo, essa indômita criatura, EU MESMO sou o ídolo-mestre, diante do qual todos nos inclinamos. O que impulsionou Eva a apressar-se impetuosamente para comer o fruto proibido, senão aquela horrível coisa que é o seu EU? O que levou aquele irmão assassino a matar Abel senão o seu indomável EU? Quem induziu aquele velho mundo a corromper os seus caminhos? Quem, senão ELES MESMOS e os seus próprios prazeres? Qual foi a causa para Salomão cair na idolatria e na multiplicação de esposas estranhas? Qual foi a causa senão o seu EU, a quem ele preferia agradar em vez de a Deus? Qual foi o anzol que agarrou Davi e o forçou ao adultério, senão o seu DESEJO PRÓPRIO? E depois no assassinato, a não ser a sua PRÓPRIA REPUTAÇÃO e a sua PRÓPRIA HONRA? O que levou Pedro a negar o seu Senhor? Não foi uma parte do seu EU e do seu AMOR PRÓPRIO por autopreservação? O que fez a Judas vender o seu Mestre por trinta moedas de prata, a não ser a idolatria do avarento EU? O que fez Demas sair do caminho do Evangelho para abraçar este mundo? Outra vez o AMOR PRÓPRIO e um amor pelo PRÓPRIO LUCRO.
Todos os homens acusam ao maligno pelos seus pecados, mas o grande maligno, o mal interno de todo homem, o mal interno que reside no seio de todo homem é aquele ídolo que tudo mata, o EU! Bem-aventurados são aqueles que podem negar-se a si mesmos, e pôr a Cristo em lugar do EU! Oh! que doce frase: «Já não vivo eu, mas Cristo vive em mim»!
Samuel Rutherford, teólogo presbiteriano escocês (1600-1661)

O que é estar interiormente crucificado?
O que é estar interiormente crucificado? É não ter nenhum desejo, nenhum propósito, nenhuma meta, senão aquela que vem por inspiração divina, ou recebe aprovação divina. Ser crucificado interiormente é cessar de amar a Mamón, para poder amar a Deus; é não ter nenhum olho nos aplausos do mundo, nenhuma língua para as conversações ambiciosas e inúteis, nenhum medo da oposição do mundo. Ser crucificado interiormente é ser, entre as coisas deste mundo «um estrangeiro e peregrino»; separado do que é mau, em comunhão com o que é bom, mas nunca de maneira idólatra; vendo a Deus em todas as coisas e todas as coisas em Deus. Ser crucificado interiormente é, na linguagem de Tauler, «cessar completamente a vida do eu, abandonar igualmente o que vemos e o que possuímos –o nosso poder, o nosso conhecimento e os nossos afetos– para que assim, a alma, com respeito a qualquer ação originada em si mesmo, seja sem vida, sem ação, sem poder, e receba a vida, a ação e o poder somente de Deus».
Thomas C. Upham, teólogo do movimento de santidade americana (1799-1872).

O reconhecimento de um fato
Deus nada espera do eu, mas que ele seja crucificado, o que judicialmente já aconteceu. Como cristãos, nós não somos chamados a morrer para o pecado; mas a reconhecer o fato de que já morremos para o pecado na morte daquele que, na cruz do Calvário, pôs fim à antiga criação, para que no poder de sua ressurreição ele pudesse trazer a nova.  O nosso velho homem foi crucificado com Cristo, e em vista desse fato, reconhecemos a nós mesmos como mortos para o pecado e vivos para Deus. O reconhecimento não produz o fato; ele simplesmente brota do fato.
Este é um fato no eterno conselho de Deus. É um fato na economia divina da redenção. É um fato na consumação lavrada pelo Filho de Deus na cruz do Calvário. É um fato porque, quando o bendito Redentor morreu a vergonhosa morte de um escravo e um criminoso no maldito madeiro da cruz, Deus nos diz em sua Santa Palavra (e toda a Bíblia se centraliza nesse fato e é como o coro de um milhão de vozes ressonantes com seus louvores), que foi para tirar o pecado do mundo. Quando o pecador crê e é salvo, ele não cria o fato, ele simplesmente descansa no fato estabelecido desde a fundação do mundo quando, como lemos em Apocalipse, o Cordeiro de Deus foi imolado. O Calvário foi a expressão visível de um fato já estabelecido pelo determinado conselho e presciência de Deus.
«Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus, nosso Senhor» (Rom. 6:11)
F.J. Huegel (1889-1971)
Pregador norte-americano e autor da vida mais profunda.

A carne, especialista no «Eu»
«Porque se viverdes conforme à carne, morrereis; mas se pelo Espírito mortificardes as obras da carne, vivereis» (Rom. 8:13).
Embora o crente tenha emergido da desordem e da confusão de Romanos 7, através da ordem de Paulo: «considerai-vos mortos para o pecado», ainda assim permanece o fato de que ele descobrirá muitas maneiras pelas quais o ego procura satisfação, através das esferas do seu ser ainda não rendidas. A carne, o corpo, todo o nosso complexo mortal, evidentemente ainda está presente em Romanos 8. Este capítulo representa muitas maneiras pelas quais a mortificação deve ser estabelecida. O crente vitorioso tomará consciência das muitas formas do ego que ainda precisam ser tratadas.
Nós descobriremos:
*Em nosso serviço para Cristo: autoconfiança e autoestima;
*No mais leve sofrimento: autosalvação e autopiedade;
*Na menor incompreensão: autodefesa e autoreivindicação;
*Em nossa posição na vida: egoísmo e egocentrismo;
*Na menor tribulação: autoinspeção e autoacusação;
*Em nossas relações: autoafirmação e respeito próprio;
*Em nossa educação: orgulho próprio e expressão de ideias e sentimentos próprios;
*Em nossos desejos: vida regalada e autosatisfação;
*Em nossos êxitos: autoadmiração e autocongratulação;
*Em nossas falhas: autodesculpa e autojustificação;
*Em nossas realizações espirituais: justiça própria e autocomplacência;
*Em nosso ministério público: autoreflexão e glória própria;
*Na vida como um todo: amor próprio e egoísmo.
A CARNE É UMA ESPECIALISTA NO «EU».
Leslie E. Maxwell, ministro e autor americano (1895-1984).


quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Livro gratuito Pais da Reforma Protestante em 200 Frases

      


      Este é um livrinho singelo. São apenas 39 páginas, reunindo citações de temática diversificada da lavra daqueles que chamamos de Reformadores, tais como Lutero, Calvino e Zwinglio, e também dos assim chamados Pré-Reformadores, como Savonarola, Huss e Wycliffe, cujo esforço e eventual martírio foram precursores da Reforma maior que havia de vir.

      Neste ano comemoramos nada menos que quinhentos anos de Reforma Protestante. Assim, redondos, perfeitos. Por ocasião de tal efeméride, devemos ter por mote capital o lema proposto pelo reformador holandês Gisbertus Voetius (1589-1676): “Ecclesia Reformata et Semper Reformanda Est” (“A Igreja é reformada e está sempre se reformando”). A frase significa que a obra da Reforma não está concluída, mas persevera ou deve perseverar em seu avanço em direção à verdade e à vivência de um cristianismo a cada dia mais bíblico (há quem utilize o termo apostólico, perfeitamente válido) e equilibrado.

      Se a Reforma representou um retorno ou reaproximação à verdade, tal verdade deve ser comunicada com urgência e ímpeto; ímpeto maior do que o daqueles que comunicam o engano, cada vez maior, em cada vez mais variadas formas. Cremos que a Reforma é um movimento engendrado em Deus, peça de perfeito encaixe dentro de seu Kairós, seu tempo; movimento que aponta para conserto dos agentes e engajamento na ação, ou seja, reerguimento da Igreja e/para o cumprimento da Grande Comissão. Assim, a Reforma é um prenúncio da volta do Rei, e um movimento fundamental de seu glorioso retorno.

      No mais, aqui estão: os pais reformadores, em suas próprias palavras.


Para baixar o e-book pelo site Google Drive, CLIQUE AQUI.
Para baixar o e-book pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.
Para baixar o e-book pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.
Para baixar o e-book pelo site SlideShare, CLIQUE AQUI.

domingo, 6 de agosto de 2017

Textos de Lutero: A palavra do Senhor é reta



Leia em sua Bíblia: Salmo 33
A palavra do Senhor é reta o seu proceder é fiel”. (v. 4)

Isto é verdade e jamais falha. O que Deus promete, sejam coisas terrenas ou eternas, isso ele cumpre, e o concede fielmente. E cumpre suas promessas de modo tão maravilhoso que vai além de toda compreensão. Essa confiança é certa. E você, cumpra tranqüilamente seu dever e confie sem vacilar e fielmente nele. Essa promessa divina é uma certeza além de todas as medidas, preciosa, rica e forte. Ela não deixa ninguém cair nem espernear na incerteza. Se você reconhece o sacramento como sendo uma promessa e não um sacrifício, você tem a certeza de que Deus é verdadeiro e não pode mentir, um Deus que cumpre o que promete. E, assim, você o terá e encontrará quando tem esse conceito dele e quando crê. E quando percebe que nada mais lhe oferece do que graça, verá com a mente alegre e aliviada que ele nada exige de você – por exemplo, que lhe ofereça sacrifício ou lhe dê algo –, mas que o atrai com amor e amabilidade, incitando-o a aceitar o que lhe presenteia.


quinta-feira, 27 de julho de 2017

Imperativos de mutualidade contidos nas epístolas do Novo Testamento


Imperativos de mutualidade contidos nas epístolas do Novo Testamento

Significado de Mutualidade. Substantivo feminino. Particularidade, característica ou qualidade do que é mútuo; em que há reciprocidade ou troca. Troca realizada de modo recíproco; mutuação: a mutualidade de grandes benefícios.

• Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal - Rom. 12:10.
• ...preferindo-vos em honra uns aos outros - Rom. 12:10
• Tendo o mesmo sentimento uns para com os outros - Rom. 12:16
• A ninguém fiquei devendo coisa alguma, exceto amor com que vos ameis uns aos outros - Rom. 13:8
• Não julguemos mais uns aos outros - Rom. 14:13
• Assim, pois, seguimos as coisas da paz e também as da edificação de uns para com os outros - Rom. 14:19
• Ora, o Deus de paciência consolação vos conceda o mesmo sentir de uns para com os outros - Rom. 15:5
• Acolhei-vos uns aos outros - Rom. 15:7
• ... aptos para vos admoestardes uns aos outros - Rom. 15:14
• ... sede, antes, servos uns dos outros - Gál. 5:13
• Levai as cargas uns dos outros - Gál. 6:2
• ... suportando-vos uns aos outros em amor - Efés. 4:2
• ... fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros - Efés. 4:25
• Antes sede uns para com os outros benignos, compassivos - Efés. 4:32
• ... perdoando-vos uns aos outros - Efés. 4:32
• ... sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo - Efés. 5:21
• ... mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si - Filip. 2:3
• Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, sanão cada qual o que e dos outros - Filip. 2:4
• Não mintais uns aos outros - Colos. 3:9
• Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente - Colos. 3:13
• ... instrui-vos e aconselhai-vos mutuamente - Colos. 3:16
• E o Senhor vos faça crescer e aumentar no amor uns para com os outros - I Tess. 3:12
• ... deveis amar-vos uns aos outros - I Tess. 4:9
• Consolai-vos, pois, uns aos outros - I Tess. 4:18
• Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente - I Tess. 5:11
• Vivei em paz uns com os outros - I Tess. 5:13
• ... exortai-vos mutuamente cada dia - Heb. 3:13
• Consideremos-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras - Heb. 10:24
• Não negligencieis a prática do bem e a mútua cooperação - Heb. 13:16
• ... não vos queixeis uns dos outros - Tia. 5:9
• Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros - Tia. 5:16
• ... tendo em vista o amor fraternal não fingido, amai-vos de coração uns aos outros, ardentemente - I Ped. 1:22
• ... tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados - I Ped. 4:8
• Sede mutuamente hospitaleiros sem murmuração - I Ped. 4:9
• Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu - I Ped. 4:10
• ... no trato de uns para com os outros, cingi-vos todos de humildade - I Ped. 5:5
• ... mantemos comunhão uns com os outros - I João 1:7

• Amemo-nos uns aos outros - I João 3:11, 23; 4:7,11; II João 1:5