quinta-feira, 24 de julho de 2014

Marcadores de Bíblia para download - 17 modelos


Amados irmãos e amigos, elaboramos para vocês esta série de 17 modelos de marcadores bíblicos. Cada página contém 2 exemplares de um mesmo modelo de marcador, salvo nos modelos  ‘Textos Usados com os Descrentes que Apresentam Desculpas’ e ‘Plano de Leitura da Bíblia em 3 Meses’, que, em virtude de seu tamanho, constam de apenas um por página.
     Os marcadores estão em preto e branco, e devem ser recortados nas linhas indicadas e depois dobrados, formando frente e verso. Caso queira, você pode colá-los, e até mesmo plastificá-los, conferindo assim muito maior durabilidade ao marcador. Pode também imprimir em papel cartão, pólen ou qualquer outro, a seu critério.

Note que buscamos elaborar modelos com temáticas diversas:
Há modelos do que eu chamaria de utilidades bíblicas, excelentes tanto para novatos na fé quanto para os cristãos mais experimentados, que compreendem listagens temáticas de versículos para auxiliar os leitores, como o já citado ‘Textos Usados com os Descrentes que Apresentam Desculpas’, e ainda ‘Os 22 Principais Problemas Dentro da Igreja e os Textos Bíblicos Que Ajudam no Trato com Eles’; ‘Onde Encontrar Auxílio Quando...’, e ‘As Respostas de Deus’.
Há ainda práticos modelos com espaço para anotações, em um dos versos ou em ambos, e que comportam ainda citações sobre a importância da Bíblia;
Modelos com enfoque em Missões/evangelização, com citações e versículos no tema e mapa de fusos horários mundiais, ou informações estatísticas atualizadas sobre a evangelização da população mundial;
Modelo com calendário já do ano de 2015, e o versículo sobre os Frutos do Espírito;
Modelo simples listando os livros da Bíblia, com ordem e abreviatura;
Modelo para anotar miniesboços de sermões;
E um Plano de Leitura da Bíblia em 3 Meses, esse para os realmente fortes (rsrsrs).

Esses marcadores são gratuitos, e não podem ser vendidos de nenhuma maneira. Você pode e deve imprimi-los em quantidade, para edificar seus irmãos, família e igreja. Distribua em sua classe de escola dominical, seminário, cultos e onde mais desejar. Compartilhe este arquivo com outros irmãos, para que eles mesmos possam imprimir os recursos.

Para baixar o arquivo pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.
Para baixar o arquivo, ou visualizá-lo online pelo site Scribd, CLIQUEAQUI.



Esse recurso é um oferecimento dos blogs Arsenal do Crente (www.arsenaldocrente.blogspot.com), Veredas Missionárias (www.veredasmissionarias.blogspot.com) e Imagens Cristãs (www.imagenscristas.blogspot.com), blogs onde você poderá obter, além de informações de valia para sua vida e ministério, livros e outros recursos gratuitos.

Caso não consiga realizar o download, solicite-me o envio por e-mail: sammisreachers@ig.com.br

sábado, 19 de julho de 2014

Ebook gratuito - Drogas: Como Evitar — princípios para pais e educadores

capa_ebook_drogas
O segundo livro digital (e-book) da série “Um Livro, Uma Causa” acaba de sair do forno. E é grátis. Trata-se do livro publicado pela Editora Ultimato em parceria com Eirene do Brasil, Drogas: Como Evitar — princípios para pais e educadores. A série “Um livro, Uma Causa”, iniciada com o lançamento de Teologia Bíblica da Criação, é um projeto da Editora Ultimato que celebra o conteúdo bíblico e os diferentes campos de ação ministerial e engajamento da igreja. Com o lançamento da série “Um Livro, Uma Causa”Ultimato coloca a disposição dos leitores um instrumento para a criação e o desenvolvimento de grupos de trabalho e reflexão, bem como divide com a igreja sua prática e vocação editorial, relacionadas a meio ambiente, criança em vulnerabilidade social, arte, presidiários, unidade da igreja, evangelização transparoquial, ação social, missão integral, entre outras. Acesse Drogas: Como Evitar, baixe o seu livro e espalhe essa boa notícia.

sábado, 12 de julho de 2014

Como encontrar uma citação bíblica




As citações bíblicas são os endereços das passagens que desejamos encontrar e seguem sempre a mesma ordem: Título do Livro (abreviado), Capítulo e Versículo. Exemplo: Mt. 5:23. Esta citação lê-se assim: Evangelho de Mateus, capítulo cinco, versículo vinte e três.

1. O ponto( . ) ou dois pontos ( : ) separa o capítulo do versículo.
Exemplo: Mc. 2:8 = Evangelho de Marcos, capítulo dois, versículo oito.

2. A vírgula ( , ) indica um espaço entre os versículos. Neste caso, lê-se o número que vem antes e depois do ponto.
Exemplo: Tg. 4: 5,9 - Epístola de Tiago, capítulo quatro, versículos cinco e nove.

3. O traço ( - ) indica que devemos ler de um versículo até o outro.
Exemplo: Lc. 5. 10-15 - Evangelho de Lucas, capítulo cinco, versículos de dez a quinze. O traço pode também indicar uma seqüência de capítulos.
Exemplo: Jo 14:18-17, 20 - Evangelho de João, do capítulo quatorze, versículo dezoito, até o capítulo dezessete, e versículo vinte.

4. O ponto e a vírgula ( ; ) separam uma citação de outra, ou um livro de outro livro.
Exemplo: At. 1.5;16:14 - lê-se o versículo cinco do capítulo um e o versículo quatorze do capítulo dezesseis.
Outro exemplo: Jo 1:5; 1Ts 2:23: neste caso, deve-se procurar as duas citações pedidas, uma no Evangelho de João e a outra na primeira carta aos Tessalonicense.

5. Um esse “S” indica a leitura do versículo que vem em seguida ao citado.
Exemplo: Rm 7:5s - Cartas aos Romanos, capítulo sete, versículo cinco e seguinte, seis. Ou seja: Rm. 7:5s é igual a Rm. 7: 5-6.

6. Dois esses “SS” indicam a leitura dos versículos seguintes ao citado.
Exemplo: I Co 2:12ss = Primeira carta aos Coríntios, capítulo dois, versículos doze e seguintes, até onde estiver relacionado.

7. (a, b e c) é possível encontrar uma dessas letras depois da citação do versículo. Exemplo: Gl. 3:1a, lê-se a primeira parte do versículo um. E consecutivamente a letra b corresponde a segunda parte do versículo e a c a terceira. Um versículo pode está dividido em até três frases, desta forma é possível encontrar a frase desejada.

8. Quando o livro tem um só capítulo, omite-se a indicação do capítulo, e cita-se só o versículo.
Exemplo: Jd 4 - Carta de Judas, versículo quatro.

9. Quando o livro tem mais de um capítulo, o número que vem logo após a indicação do livro é a do capítulo.
Exemplo: Mt. 5 – Neste caso deve ser lido todo o capítulo cinco do Evangelho de Mateus.


segunda-feira, 7 de julho de 2014

Conhecendo o Amor do Calvário - Amy Carmichael


“Se eu não tiver compaixão pelos meus colegas, como o Senhor teve compaixão de mim, então não conheço nada do amor do Calvário. 

 Se posso ferir o outro ao falar a verdade, mas sem me preparar espiritualmente, e sem sentir mais dor do que o outro, então não conheço nada do amor do Calvário. 

 Se os elogios dos outros me alegram demais e acusações me deprimem; se não posso passar por mal-entendidos sem me defender; se eu gosto de ser amado mais que amar, servido mais que servir, então não conheço nada do amor do Calvário. 

 Se quero ser conhecido como quem acertou em uma decisão, ou quem a sugeriu, então não conheço nada do amor do Calvário. Se eu ficar no lugar que pertence apenas a Jesus, fazendo-me necessária demais para uma pessoa, em vez de levá-la a se agarrar nele, então não conheço nada do amor do Calvário. 

 Se eu me recusar a ser um grão de trigo que cai na terra e morre, então não conheço nada do amor do Calvário. 

 Se eu quero qualquer lugar no mundo, a não estar no pó ao pé da cruz, então não conheço nada do amor do Calvário”.

Amy Carmichael, missionária na Índia

quinta-feira, 26 de junho de 2014

A velhice e a Igreja - Entrevista com João Luís Simoneti


http://www.institutojetro.com/

Em um novo estudo publicado pela Science em setembro de 2010 cientistas do International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA), na Austria, Stony Brook University (SBU), Estados Unidos, e o Vienna Institute of Demography (VID ) utilizaram novas formas de medir o envelhecimento que leva em consideração a incapacidade e a longevidade.


O Dr. Sergei Scherbov, coautor da pesquisa afirma que ¨se aplicarmos as novas medidas de envelhecimento que tem em conta o aumento da expectativa de vida e declinio do nivel de incapacidades, então a população está envelhecendo mais lentamente comparado com as formas de medidas baseadas puramente na idade cronológica¨(Fonte: Science Magazine. Setembro 2010)

A Igreja dever reconhecer as limitações da Terceira Idade, entendendo-as e respeitando-as, mas também reconhecer as potencialidades, considerando-as e valorizando-as no ambiente eclesiástico.
Para falar sobre os idosos e a Igreja, o Instituto Jetro  entrevistou o Pr. João Luís Simoneti, diretor-presidente do Lar Maria Tereza Vieira.
Bacharel em Teologia pela Faculdade Teológica Sul Americana, com o curso de revalidação pelo Seminário Teológico Rev. Antônio de Godoy Sobrinho. Pr. Simoneti é administrador de empresas, pós-graduado em Marketing pela PUC/RJ. Atuou como administrador durante 4 anos e pastor gestor no ano de 2010 da 1ª IPI de Londrina. Foi Tesoureiro do Sínodo Meridional e Presidente do Presbitério de Londrina durante os anos de 2010\2012. É pastor da Igreja Presbiteriana Independente Filadélfia de Londrina-PR. 


Pr. João Luís Simoneti
Aquele estereótipo de "idosos debilitados fisicamente e que não participam de reuniões sociais", não é o mais adequado para os dias de hoje. Eles são mais ativos, saudáveis, trabalhando, passeando e presentes nas mais diversas situações sociais. A que se deve esta mudança? Foi uma mudança cultural, psicológica, física?          Simoneti - Creio que a mudança foi de conscientização. Tanto mulheres e homens têm cuidado mais do corpo, da alma e do espírito. Deve-se também ao avanço da medicina com a descoberta de novos tratamentos e medicamentos que propiciam uma qualidade de vida melhor. A criação de grupo de 3ª Idade com suas várias atividades também contribuíram para a extensão de vida com qualidade para o idoso. 




Pesquisas mostram o envelhecimento populacional e a diminuição da população no futuro, principalmente nos países desenvolvidos, pela opção de ter menos filhos ou pela inexistência desses. Estamos preparados como sociedade?



Simoneti - Creio que no momento não estamos preparados, porém percebe-se que há uma preocupação dos diversos setores da sociedade com vistas ao enfrentamento do quadro que se desenha.



Nunca se vendeu tantos cosméticos e cirurgias plásticas no mundo! Somos uma sociedade que não aceita "as marcas" dos anos. Qual a sua opinião sobre o envelhecer nesta sociedade?



Simoneti - Apesar de todo apelo da mídia em relação ao tratamento compulsivo das marcas do tempo, percebe-se que há uma mudança de consciência quanto ao envelhecimento, pois muitos idosos com 70,80 anos estão esbanjando saúde.



Os idosos de 70 e 80 anos, possivelmente tiraram água de poço, usaram lampião, ferveram as fraldas dos filhos, pasmaram-se com a TV a cores. Hoje com tantas mudanças tecnológicas e culturais, quais são as suas principais necessidades?
Simoneti - Nossas maiores necessidades são afetivas, pois estamos como seres humanos cada vez mais isolados e o idoso sente isto de forma mais intensa. O contato com a família é fundamental para boa saúde emocional.


Como a Igreja deve atender aos idosos? Pois a respeito deles está escrito: "Na velhice ainda darão frutos, serão viçosos e florescentes." Salmo 92:14.


Simoneti -Muitas Igrejas têm trabalhado de forma intensa com os idosos. A experiência e o testemunho deles são fundamentais como modelos para as demais gerações.


Quem deve liderar um trabalho com a terceira idade na Igreja?


Simoneti -Entendo que uma pessoa nova com 40 até 50 anos que tenha vigor e criatividade para usar toda a energia que resta aos idosos, pois eles são participativos, engajados e intensos no que fazem. O líder deve ter muito amor e paciência com os idosos.



Quais os conselhos para pastores e líderes atentos para as pessoas da terceira idade na Igreja?



Simoneti -É um exército experiente, produtivo e intenso. Os pastores e lideres devem voltar os seus olhos também para este grupo de pessoas que compõem sua igreja. Minha experiência tem sido maravilhosa e edificante com estes queridos irmãos e irmãs em Cristo.



Reprodução autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e a fonte como: http://www.institutojetro.com/ e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Recursos gratuitos para o Departamento de Missões de sua igreja




CARTAZES MISSIONÁRIOS
Para o blog Veredas Missionárias elaboramos uma série de 40 Cartazes Missionários para vocês baixarem gratuitamente. 
Os cartazes contém versículos missionários da Bíblia, frases sobre Missões/Evangelização e reflexões diversas. Um material ideal para você promover Missões em sua igreja, afixando-os no mural da mesma, e onde mais desejar.
Os cartazes são simples, em preto-e-branco, e em tamanho A4, para facilitar e baratear a impressão e difusão dos mesmos.
Uma dica: algumas lanhouses e casas de fotocópia (xérox) possuem máquinas que imprimem ou ampliam de tamanho A4 para o A3, que possui o dobro do tamanho do A4. Assim você pode obter cartazes maiores, que terão ainda maior visibilidade, e a um preço relativamente baixo.
Para baixar o arquivo pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.
Para baixar o arquivo, ou visualizá-lo online, pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.

CARTAZES EVANGELÍSTICOS
Um outro recurso consiste numa série de 12 cartazes com versículos bíblicos evangelísticos para você baixar e imprimir. São também cartazes simples, em tamanho A4 e em preto-e-branco. Você pode imprimir e/ou xerocar e colar ou afixar em diversos locais, tais como: muros, postes, murais de escolas, faculdades ou da empresa onde você trabalha (certifique-se de que não haverá problemas quanto a fixação dos cartazes nesses locais, obtendo autorização).

APOSTILA MISSÕES URBANAS
Há alguns anos, o Pr. Edemar V.da Silva elaborou uma simples, porém muito oportuna apostila focando em Missões Urbanas, apresentando estratégias diversas de evangelismo. A apostila é gratuita e está em formato Word.

OS 195 MUNICÍPIOS MENOS EVANGELIZADOS DO NORDESTE
Baseados em dados do último Censo do IBGE (2010) e em outras fontes, a Missão JUVEP elaborou uma lista com os 195 municípios menos evangelizados do Nordeste. Informação útil para as igrejas que desejam enviar ou apoiar missionários nessas regiões, e também como motivo de intercessão para toda a igreja. 

domingo, 8 de junho de 2014

COMO NÃO EVANGELIZAR - Divertido vídeo do Dia de Evangelização Global



14 de Junho de 2014 - G.O.D. é sigla para Global Outreach Day, traduzindo, o Dia de Evangelização Global. Um dia de mobilização em todo o mundo.


Imagine o dia em que o mundo inteiro ouvir falar do amor de Jesus. Isso é o Dia de Evangelização Global (G.O.D.). No dia 14 de Junho, Cristãos do mundo inteiro estarão levando o Amor de Jesus aos 4 cantos do planeta. Seja nas ruas, hospitais, prisões, casas, escolas, campos... Ninguém ficará sem ouvir do amor de Jesus. João 17:21 fala sobre o mundo crer que Jesus foi enviado, e que isso acontecerá quando nós nor tornarmos UM.
E Você faz parte disso! Fale de Jesus nas ruas, organize um evento no centro da cidade, leve alguém pra tomar sorvete, ou prepare um jantar para amigos enquanto você fala de Jesus e Seu amor. Você pode enviar emails ou compartilhar videos evangelísticos no Facebook. Junte-se a sua igreja e amigos e saia em grupos. Você pode ajudar famílias necessitadas, orar pelos doentes, oferecer uma carona, evangelizar com música, faça o que Deus te criou para fazer. Organize eventos, festivais nas ruas, flashmobs ou sessões de cinema. Vá aos aeroportos, centros de reabilitação, organize um concerto de música gospel, ore nos hospitais, compartilhe Jesus na internet, na TV, nas rádios, flyers, outdoors, SMS, transportes públicos, universidades, prisões...


LINKS:
http://godbrasil.com.br/
https://www.facebook.com/GODBrasil

terça-feira, 3 de junho de 2014

Cartazes Evangelísticos para baixar e imprimir



Elaboramos uma série de 12 cartazes com versículos bíblicos evangelísticos para você baixar e imprimir. São cartazes bem simples, em tamanho A4 e em preto-e-branco. O arquivo está em formato pdf. Você pode imprimir e/ou xerocar e colar ou afixar em diversos locais, tais como: muros, postes, murais de escolas, faculdades ou da empresa onde você trabalha (certifique-se de que não haverá problemas quanto a fixação dos cartazes nesses locais, obtendo autorização).

Uma dica: algumas lanhouses e casas de fotocópia (xérox) possuem máquinas que imprimem ou ampliam de tamanho A4 para o A3, que possui o dobro do tamanho do A4. Assim você pode obter cartazes maiores, que terão ainda maior visibilidade, e a um preço relativamente baixo.

Para baixar o arquivo pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.
Para baixar o arquivo, ou visualizá-lo online, pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.

Caso não consiga realizar o download, solicite-me o envio por e-mail: sammisreachers@ig.com.br

*As versões bíblicas utilizadas são a Almeida Revista e Corrigida, Almeira Revista e Atualizada e a Nova Tradução na Linguagem de Hoje, todas da SBB.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

As igrejas e a política: O manifesto de Tiago


Lembro-me da euforia — e da polêmica — que tomou conta das Assembleias de Deus na década de 1980, quando a nossa denominação descobriu a política. Nessa época, a filantropia já era organizacional, e, com a eleição de nossos irmãos na fé para os diversos escalões de governo, estávamos felizes por apagar de vez o estigma de instituição alienada. Mas a nossa nova imagem — se é que realmente a conquistamos — não nos eximiu das antigas dúvidas. Afinal, a Igreja tem ou não obrigações sociais? Deve ou não eleger representantes?
Quanto mais penso no assunto, mais me convenço de que nessas questões nos arriscamos a cometer um grande equívoco: o de fazer o que é certo e o que é lícito, mas pelos motivos errados. É também minha convicção que igreja alguma se oriente por programas políticos ou sociais. Contudo, a Bíblia, em Tiago 1.27, apresenta-nos este manifesto: “A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e guardar-se da corrupção do mundo”. É por ele que devemos nos guiar.
As obrigações sociais
Por um bom período, a nossa denominação praticamente ignorou as obras de assistência social. A evangelização era a única prioridade e só enxergava as almas perdidas, sem lhes perceber o invólucro — o corpo — faminto ou doente. Éramos puros, cheios de fé e de amor, todavia maculados pela omissão. [Hoje penso que talvez houvesse mais caridade voluntária, porém a denominação não se caracterizava por isso.] Mas quando finalmente removemos a mácula de nossa religião, ficamos expostos à impureza, porque — este é o ponto — a Igreja não pode fazer caridade por obrigação social ou apenas para melhorar a sua imagem. [Acrescento que algumas igrejas fazem caridade como “tática de evangelização”, sem real interesse pela situação da pessoa, exceto no que diz respeito à sua “alma”.]
O manifesto de Tiago tem por base o principal ensino da epístola: as boas obras são o produto natural da fé verdadeira e do amor ao próximo. Se a nossa caridade reflete uma consciência pesada ou resulta de pressões externas, estamos corrompendo a Palavra. Se nos negarmos a socorrer o próximo, a fé que professamos é morta. Desse modo, concluímos que a Igreja não tem “obrigações sociais”, e sim o dever de professar uma fé verdadeira com as suas naturais consequências: as boas obras.
Os representantes
Bem, os motivos de a Igreja estar fazendo caridade podem não ser identificáveis à primeira vista, mas o equívoco, a meu ver, é evidente na questão política. Na época em que “descobrimos” a política, os candidatos brotavam com a ligeireza de certas gramíneas, alastrando-se pelos templos florescentes de cidadania, proclamando-se e sendo proclamados representantes da Igreja. Não discuto a existência de políticos em nosso meio. O que nunca entendi foi a declarada representação.
Ora, representar significa reproduzir. Então, o que estamos pretendendo? Um ramo estatal? Uma mistura de poder espiritual com poder político? A história já nos mostrou que essa combinação é sinônimo de desgraça social e espiritual. É nobre e bíblico desejar a justiça, mas o caminho com certeza não passa pelos pretensos e pretendidos representantes.
Se queremos representantes no poder, é certo que desejamos governar — e mais certo ainda que iremos nos corromper. O motivo? Simples: governar não é missão da Igreja, porque ela acabará se expondo a um bombardeio de tramas e interesses e obrigando-se a concessões que jamais faria como Igreja. Por fim, terá de renunciar ao seu propósito original. E assim um país dirigido pelas Assembleias de Deus — ou pelos seus representantes — não garantirá uma sociedade mais justa. Na verdade, não será melhor que um governo oficialmente católico nem mais desejável que um Estado muçulmano.
A Igreja deve ser o sal da terra, além de ela mesma “guardar-se da corrupção do mundo”, como refere o manifesto de Tiago. Claro, é lícito a Igreja dar o seu voto de confiança a membros vocacionados para a política. Mas parece que nem isso sabemos fazer. Depois da última eleição, vários deputados federais evangélicos apareceram numa lista negra acusados de atos políticos reprováveis. E eles ainda nem haviam assumido! Ou seja, nosso sal foi “pisado pelos homens” mesmo antes de tocar o solo brasiliense.
Possamos nós, com a graça de Deus, simplesmente continuar como Igreja!
Publicado pela primeira vez no Mensageiro da Paz, no final da década de 1990.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Baixe a revista Passatempos Missionários 3 - África


Queridos irmãos, a revistinha PASSATEMPOS MISSIONÁRIOS chegou ao seu terceiro número. Esta edição é totalmente dedicada ao continente africano. Apresentamos informações gerais e curiosidades sobre a história, economia, religiões e línguas da África, dando destaque especial aos países de língua portuguesa do continente.
Além dos tradicionais caça palavras, palavras cruzadas, quizes e as Reflexões Missionárias, nesta edição contamos ainda com criptograma, jogo dos erros e quebra-cabeça. E também um mapa da África, de folha inteira, para auxiliar os leitores.

Passatempos Missionários é uma publicação do blog Veredas Missionárias, e objetiva transmitir informações relevantes, direta e indiretamente ensinando e despertando a Igreja sobre a importância e a urgência da causa missionária, tudo isso através de divertidos passatempos.

Este é um material totalmente gratuito, sem cores denominacionais, concebido para ser livremente distribuído entre a membresia de igrejas evangélicas, seminários, classes de escola dominical, grupos e células, cultos e eventos de Missões etc.

A revista possui 20 páginas, em tamanho A5, e está em formato PDF.

PARA BAIXAR PELO SITE 4SHARED, CLIQUE AQUI.

PARA BAIXAR OU VISUALIZAR ONLINE PELO SITE SCRIBD, CLIQUE AQUI.

Caso não consiga fazer o download, solicite-me o envio por e-mail:sammisreachers@ig.com.br


Colabore conosco, repassando este recurso gratuito para outros irmãos, igrejas e instituições.


domingo, 11 de maio de 2014

MÃE, UM MINISTÉRIO, poema de Thiago Rocha

Giuseppe Magni

MÃE, UM MINISTÉRIO

Ó tu, que tens a divinal função
de ser esposa e mãe, nesse mister,
ao te realizar como mulher,
alcançaste a mais santa vocação.

Esposa e Mãe: não haverá missão
que possa mais honrar e enobrecer
toda mulher, em cuja criação
há um toque divino a envolver.

No seio da família, como exemplo,
podes fazer da casa um santo templo,
ou, negligente, a deixes derribar.

De tuas mãos depende, ó mãe e esposa,
fazer de tua casa a mais ditosa,
construindo, com fé e amor, um lar!


Thiago Rocha, no livro Arte de Viver

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Os grupos menos evangelizados do Brasil parte 2: Indígenas, Ribeirinhos, Os mais ricos dentre os ricos e Os mais pobres dentre os pobres



Indígenas

O Brasil possui em torno de 340 grupos e subgrupos indígenas, os quais falam 189 LÍNGUAS. Desses 340, 121 nunca ouviram falar do Evangelho. E se você imagina que essas tribos estão apenas na imensidão da Floresta AMAZÔNICA, engana-se: apenas no Nordeste, existem 57 TRIBOS, sendo que 23 delas permanecem não alcançadas.
As tribos indígenas brasileiras estão divididas de ACORDO com o tronco linguístico a que pertencem, que são principalmente o Tupi-Guarani (litoral do país), o Macro-Jê, e o Aruak, embora existam outras.
A contribuição dos índios para nossa CULTURA é imensa. Seja pela culinária, pelas palavras (mais de 20.000 anexadas ao português), seja por práticas como o banho DIÁRIO ou o dormir em redes, por exemplo.
Um problema comum, principalmente nas tribos mais urbanizadas ou que tiveram maior CONTATO com o homem branco, é o alcoolismo.
A Missão ALEM (Associação Linguística Evangélica e Missionária - www.missaoalem.org.br) oferece TREINAMENTO para quem deseja ser um missionário tradutor da Bíblia, com foco especial em nossos povos indígenas não alcançados. A Missão Novas Tribos do Brasil (www.novastribosdobrasil.org.br), dentre outras, tem prestado também relevante serviço de EVANGELIZAÇÃO entre nossos indígenas.

Por diversas dificuldades levantadas pela FUNAI (Fundação Nacional do Índio) à presença de missionários entre algumas tribos, tem-se incentivado aquilo que se chama de a Terceira Onda Missionária, onde os próprios indígenas, CONVERTIDOS, evangelizam outros indígenas, seja da mesma ou de outras tribos. Note-se o trabalho realizado, nesse sentido, pelo CONPLEI (Conselho de Pastores e Líderes Indígenas).


Ribeirinhos

A AMAZÔNIA possui a maior bacia fluvial do mundo: são 7 milhões de quilômetros QUADRADOS, que se estendem por oito países. O rio Amazonas possui mais de 7 mil AFLUENTES, e 25 mil quilômetros de vias navegáveis. E é por tais extensões de águas que se espalham os RIBEIRINHOS. Apenas na Amazônia brasileira, estima-se que existam 37.000 comunidades ribeirinhas, sendo que 10.000 delas não possuem a presença de IGREJAS evangélicas, nelas ou nas proximidades. A imensa maioria das comunidades ribeirinhas da Amazônia só pode ser alcançada por via FLUVIAL (barcos), em viagens que podem durar diversos dias.
Mas quem são os ribeirinhos? Ribeirinhos são pessoas que vivem às margens dos rios, alimentando-se principalmente da PESCA artesanal, mas também da caça, extrativismo (recolhendo os ALIMENTOS que encontram na floresta), e da agricultura de subsistência. Suas casas de MADEIRA são construídas sobre palafitas, devido às constantes cheias dos rios e IGARAPÉS*.
Além do Amazonas, alguns dos principais rios da Amazônia são o Rio Negro, Rio SOLIMÕES, Rio Araguaia, Rio Nhamundá, Rio TAPAJÓS, Rio Tocantins, Rio Madeira, Rio Xingu.

*Igarapés são pequenos RIOS ou braços de rio, em geral estreitos e de pouca profundidade, aptos apenas para a navegação por CANOAS ou pequenos barcos.


Os mais ricos dentre os ricos

Um dos segmentos menos evangelizados do Brasil, o mais RICOS dentre os ricos, pode ser também um dos mais duros ‘campos missionários’. Isso a própria BÍBLIA deixa claro, ao falar da dificuldade maior de os ricos entrarem no Reino dos Céus (Mt 19:22-24). Como disse certo pregador: “”Nunca haverá muitos VERDADEIROS cristãos ricos, mas haverá alguns.” Pois muitos deles são pessoas ávidas pela verdade, mas vazias ou enganadas espiritualmente, e que muitas vezes, por incrível que possa parecer, nunca ouviram uma explicação satisfatória do EVANGELHO.
Pesquisas apontam a existência de mais de 165.000 MILIONÁRIOS no Brasil (considera-se milionário aquela pessoa que possui mais de um milhão de DÓLARES em ou para investimentos, não considerando-se o valor de sua habitação principal). Já o número de BILIONÁRIOS brasileiros chega a 65, Segundo a revista Forbes, e tende a mais que DOBRAR em 10 anos.
Ilhados em seus condomínios de LUXO e mansões, muitos escravizados pela MÁQUINA de fazer mais e mais dinheiro, sempre ocupados em seus NEGÓCIOS, ou então usufruindo em lazeres a vida que sua riqueza proporciona, eles estão ESPALHADOS por todo o pais, com concentração maior no Sudeste, principalmente nas cidades de São Paulo e RIO DE JANEIRO.
Ainda que a desigualdade econômica e social tenha diminuído nos últimos anos, em virtude da melhora na ECONOMIA e de programas sociais do Governo (como o Bolsa-Família), o Brasil segue como um dos CAMPEÕES mundiais em desigualdade, com poucas pessoas possuindo muito (recursos, terras etc.), e muitas possuindo tão pouco.


Os mais pobres dentre os pobres

Em economia, costuma-se falar em linha de pobreza e linha de pobreza extrema, também chamada indigência. Governos, entidades internacionais e ONGs não possuem um consenso sobre como efetuar essas medições, cada qual adotando padrões diversos. Segundo o GOVERNO brasileiro, vivem em pobreza extrema pessoas que recebem uma renda mensal per capita (por cabeça) de até 70 reais. No Brasil, em torno de 4% a 7% da população encontra-se nesta condição. Os programas sociais do Governo (como Bolsa-Família, Bolsa-Escola etc.), mesmo com os problemas que apresentam, têm contribuído significativamente para a diminuição da POBREZA extrema no Brasil.
Os cinco estados brasileiros onde é maior o índice de pobreza extrema são: MARANHÃO, Alagoas, Piauí, Pará e CEARÁ. O estado onde esse índice é menor é Santa Catarina.
Um subgrupo a ser considerado é o daqueles vitimados pelo trabalho ESCRAVO ou análogo à escravidão. Segundo dados do Índice de Escravidão Global, há no Brasil 200 mil PESSOAS nesta situação.
Mas, para além dessas estatísticas, há uma categoria de pessoas ‘invisíveis’ aos recenseadores: os moradores de rua, sobre os quais não há estimativas oficiais sobre sua quantidade. Números não oficiais dão conta de até 1,8 milhão de pessoas morando nas ruas, em situação de MENDICÂNCIA. Fatores como alcoolismo, uso de drogas, doenças psiquiátricas (além de problemas ESPIRITUAIS), problemas familiares ou simples falta de oportunidades, de perspectivas na vida, e de ajuda efetiva por parte de quem quer que seja (Estado, Sociedade, IGREJA), são as causas da dificuldade de reabilitação dessas pessoas. Muitos preferem não vê-los, ou acreditar que ‘para esses não há solução’. São geralmente os INALCANÇADOS mais próximos de nós. Estão sempre ao alcance de um abraço, de uma mão estendida.

LEIA A PARTE 1 DESTA POSTAGEM AQUI.

*Textos extraídos da Revista Passatempos Missionários #2, que editamos, e que você pode baixar e imprimir gratuitamente. Acesse CLICANDO AQUI.