sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

A arte cristã em revista: Revista AMPLITUDE chega à segunda edição



    É com felicidade que apresentamos o segundo número de AMPLITUDE. Durante estes seis meses de espera ou gestação desta segunda edição, pudemos auferir a boa recepção que a nossa primeira edição obteve entre autores e leitores. Isso nos incentiva a avançarmos na jornada, cientes da seriedade e importância da iniciativa de reunir em revista, o melhor da produção literária poética e ficcional, além de outras expressões artísticas levadas a cabo por cristãos protestantes e de outras filiações.

      Vamos ao panorama da edição: Na seção Hot Spots, a sapiência de um dos maiores nomes da mística cristã, Ramon Llull (Raimundo Lúlio). Em Galeria, a obra da pastora, artista plástica, grafiteira, quadrinista e ativista cultural Lya Alves. Na seção Cinema, destacamos a realização da terceira edição do Festival Nacional de Cinema Cristão.

      Esta edição chega inaugurando diversas novas seções. Uma delas é Poeta em Detaque, iniciando com a obra da pernambucana Júlia Lemos.

      Inaugurando a nossa seção Especial, de enfoque temático, temos como mote Estêvão para tempos de perseguição, uma mini-antologia reunindo as percepções de seis excelentes poetas acerca de nosso protomártir, sobre quem nos é oportuno refletir em tempos de recrudescimento das perseguições aos cristãos ao redor do globo.

      E as artes visuais ganharam ainda mais destaque: além da já citada seção Galeria, e de HQ (História em Quadrinhos), inauguramos mais uma seção, Luminares, destacando, em singelas inserções, a pintura, ilustração ou desenho de nossos concidadãos de Reino. E a Fotografia chega com força na seção Álbum, abrindo as portas com a obra de William Rosa.

      Os contos, como diria meu pai, estão de lascar: Iniciamos com Eça de Queiroz, na seção Jardim dos Clássicos, apresentando o conto O Suave Milagre. Seguimos com o humor e a precisão de Judson Canto (A Morte da Encrenqueira); a dramaticidade soberba de J.T.Parreira (O Poeta do Salmo Exilado); Florbela Ribeiro relatando (em O Hóspede) sobre o príncipe que tinha por norma se hospedar junto aos pobres; Lindolfo Weingärtner num conto terno e luminoso (O canto do sabiá preto); Joed Venturini com o impactante & metafísico A Troca; este vosso humilde escriba, num conto de terror(!?), A Matilha Fantasma; e concluímos com nossa saudosa e maravilhosa Myrtes Mathias, num conto com um toque arrebatador (O Menino).

      O objetivo de AMPLITUDE é fomentar a reflexão e a expressão, AMPLIAR visões, entreter com valores cristãos, comunicar a verdade e o belo e estimular o engajamento artístico/intelectual entre nossos irmãos. Convidamos todos a compartilhar esta publicação gratuita, seja por e-mail e nas redes sociais, e ainda em blogs e sites, livremente.

Para baixar a revista pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.
Para baixar a revista ou ler online pelo site Issuu, CLIQUE AQUI.
Para baixar a revista ou ler online pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.
Para baixar a revista ou ler online pelo site Youblisher, CLIQUE AQUI.

Caso não consiga realizar o download, solicite o envio por e-mail escrevendo para  sammisreachers@ig.com.br

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Palhaçaria como estratégia evangelística


A arte da Palhaçaria, da ação de palhaços (do italiano pagliaccio), remonta às cortes dos Faraós do antigo Egito e a feiras livres na China, passando por Grécia e Roma. Seu desenvolvimento seguiu os passos da civilização, sempre trazendo diversão e entretenimento às cortes ou feiras das cidades e burgos.

A palhaçaria tornou-se ainda mais conhecida no Brasil, fora do ambiente circense, em virtude do trabalho da ONG secular Doutores da Alegria, que através de seus voluntários visita hospitais para promover melhores relações humanas e levar alegria às crianças, acompanhantes e profissionais da Saúde.
Atualmente, diversos ministérios e pessoas dedicam-se à arte da palhaçaria, clowns e outras atividades de caráter circense como forma de trabalhar para o Reino, nos mais diversos contextos - ações ao ar livre, visitas em hospitais, asilos, orfanatos e outras instituições, dentro das próprias igrejas etc. Há também diversos ministérios oferecendo cursos de palhaçaria em diversas partes do Brasil.

Alguns ministérios que realizam atividades evangelísticas nesta área, e ainda oferecem cursos:

Ide Missões & Arte - http://www.idemissoesearte.com/
Ministério Entre Jovens - http://www.entrejovens.com.br/

Para aqueles que querem se aprofundar mais no tema, alguns livros interessantes:

Ministros do Riso. Alex Rangel. Ed. Agbook, 2010.
Caçadores de Risos - O Maravilhoso Mundo da Palhaçaria. Demian Reis. Editora Edufba, 2013
O Elogio da Bobagem – Palhaços no Brasil e no Mundo. Alice Viveiros de Castro. Editora Alice de Castro, 2005.
A Nobre Arte do Palhaço. Marcio Libar. Ed. Do autor, 2008.
Palhaços. Mario Bolognesi. Ed. UNESP, 2003.
O Livro do Palhaço (Coleção Profissões). Cláudio Thebas. Ed. Companhia das Letras, 2005.
O Clown Visitador - Comicidade, Arte e Lazer para Crianças Hospitalizadas. Ana Elvira Wuo. Ed. Edufu, 2011.

Para aqueles que, além da palhaçaria, interessam-se por outras técnicas e práticas circenses, confiram estas apostilas gratuitas:

Apostila de Circo para Grupos Cristãos Adulão - Para ler online ou baixar pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.

Manual Básico de Instrução das Artes Circenses da FEDEC (Federação Europeia das Escolas Profissionalizantes de Circo) - Para baixar diretamente do site dos tradutores, o Manual dividido em dez apostilas, CLIQUEAQUI.

Sobre temas circenses recomendamos ainda o site Circonteúdo, que, como o nome denuncia, traz muito conteúdo sobre a temática (inclusive uma biblioteca virtual com muitos recursos para download): http://www.circonteudo.com.br/



Aqui, alguns vídeos onde você poderá aprender ainda mais sobre o tema da palhaçaria:





quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

DESENVOLVENDO UMA IGREJA MISSIONAL - Livro gratuito


Desenvolvendo Uma Igreja Missional - O Modo de Jesus, é um livro escrito por Gustavo Crocker, diretor geral de missões para a Eurásia da Igreja do Nazareno nos EUA. 

Como diz em seu subtítulo, trata-se de "um modelo bíblico da Igreja". O Dr. Crocker elaborou o Modo de Jesus como um modelo para nós desenvolvermos a igreja. Jesus tinha um plano que nos ajuda ainda hoje. Reconhecer os problemas que enfrentamos por todo o mundo irá ajudar-nos com soluções para um desenvolvimento natural e holístico. Os princípios apresentados são universais e funcionarão nos mais diversos diversos contextos. O Dr. Crocker tomou a vida de Jesus e deu-nos um plano paralelo para a igreja desenvolver-se baseada na lei divina de Deus. O crescimento natural é como respirar naturalmente. O desenvolvimento de uma igreja saudável está envolvido com o conceito de Jesus nos dois grandes mandamentos. O Amor por Deus e o Seu amor cravado em nós leva as nossas vidas na direção que Deus pretendeu. É esse tipo de relação com Deus que realiza um impacto na Igreja e no Reino. Ao ler isto e colocar os princípios na vida da igreja e dos indivíduos, ver-se-ão novos resultados na sua forma de alcançar outros que farão a diferença. Os exemplos práticos ajudarão os seus esforços para o mobilizar o seu círculo de influência.

Para ler online ou baixar o livro pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.
Para baixar o livro pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Folhetos evangelísticos gratuitos, em 23 línguas


A Missão MEI (Ministério Evangelístico Internacional) é uma iniciativa do senhor Attilio Finazzi que, a partir do Rio de Janeiro, oferece folhetos evangelísticos em 23 línguas diferentes, incluindo duas línguas indígenas brasileiras. Os folhetos são gratuitos, e aqueles que desejarem recebê-los pagam apenas a taxa de envio pelo Correio. 

Para maiores informações, acesse: http://www.mei.srv.br/portal/


domingo, 13 de dezembro de 2015

CALENDÁRIOS EVANGÉLICOS 2016 - Baixe e imprima


Olá amigos! Continuando nosso esforço de disponibilizar recursos voltados para a conscientização e promoção missionária, desta feita elaboramos dois calendários missionários para vocês baixarem e imprimirem, gratuitamente.

O primeiro modelo tem o foco na importância da evangelização infantil: são duas páginas (tamanho A4), cada qual com calendários referentes a seis meses do ano, e uma frase inspiracional acerca da evangelização e discipulado infantis, sobre a imagem temática.

O segundo modelo tem o foco em países onde é muito pequena a presença cristã. Consta de seis folhas (A4), cada qual abarcando dois meses do ano. Além de uma bela foto do país, há informações básicas sobre o mesmo (população, maiores cidades, religião, língua oficial, classificação na Lista de Países por Perseguição daPortas Abertas e ainda a quantidade de grupos étnicos dentro do país, e dentre estes, os grupos étnicos ainda não alcançados, segundo dados do Joshua Project). E, em cada página, uma frase inspiracional de caráter missionário. Um dos objetivos é lhe despertar a orar sempre pelo país enfocado no calendário!

Você pode baixar os arquivos em formato pdf, para imprimir, e pode ainda copiar as imagens (formato jpg) em seu computador (clique com o botão direito do mouse sobre a imagem, e em seguida em 'salvar' ou 'salvar como'). Assim você poderá, por exemplo, usar a imagem como papel de parede de seu desktop, ou outro uso que achar oportuno.

USE E COMPARTILHE COM SEUS IRMÃOS E AMIGOS!

Para baixar o Calendário Crianças pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.
Para baixar o Calendário Crianças pelo site SladeShare, CLIQUE AQUI.
Para baixar o Calendário Crianças pelo site Issuu, CLIQUE AQUI.
Para baixar o Calendário Crianças pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.


Para baixar o Calendário de Países pelo site Scribd, CLIQUE AQUI.
Para baixar o Calendário de Países pelo site SladeShare, CLIQUE AQUI.
Para baixar o Calendário de Países pelo site Issuu, CLIQUE AQUI.
Para baixar o Calendário de Países pelo site 4Shared, CLIQUE AQUI.

Caso não consiga realizar o download, solicite-me o envio dos arquivos por e-mail: sammisreachers@ig.com.br


IMAGENS EM ALTA RESOLUÇÃO PARA VOCÊ COPIAR (primeiro clique na imagem, que será ampliada. Em seguida copie ou salve):

Calendário de Crianças


Calendário de Países







domingo, 29 de novembro de 2015

Qual Seu Ponto? Cinco Sugestões para Sermões Mais Claros


http://www.ministeriofiel.com.br/

Robert Kinney
Suplicai, ao mesmo tempo, também por nós, para que Deus nos abra porta à palavra, a fim de falarmos do mistério de Cristo, pelo qual também estou algemado; para que eu o manifeste claramente, como devo fazer. (Colossenses 4.3-4)
No que diz respeito ao seu modo de proclamar a palavra – ou o que os retóricos chamavam estilo na oratória –, parece que clareza era algo prioritário para Paulo.[1] E, quer ele pretendesse ou não que aquela frase fosse prescritiva para a nossa pregação, há algo a se aprender aqui.[2]
É algo que eu preciso aprender. Certamente, clareza é uma das coisas pelas quais mais tenho lutado na minha própria pregação. Mas também me parece ser algo que muitos pregadores consideram desafiador. Clareza é difícil. E é difícil por muitas razões. Contudo, um aspecto chave da pregação, do qual a clareza geralmente depende, é a articulação de uma única ideia ou proposição principal. É claro que a pregação expositiva nem sempre precisa ser proposicional num sentido técnico. Todavia, a exposição sempre tentará localizar e comunicar o cerne da passagem bíblica.
É isso que você está tentando fazer em sua preparação para o sermão, a cada semana?
Ou será que a sua pregação não tem um ponto central?[3]
Uma preocupação prática com a clareza
Há uma séria falta de clareza resultante de não se apresentar a ideia mais ampla, o ponto central. E essa falta de clareza é comum. Essa pregação sem ponto central pode ser o resultado da influência da assim chamada Nova Homilética, ou do aparente sucesso de muitos pregadores com a pregação narrativa, ou do desejo dos pregadores de serem criativos ou de criarem suspense em seus sermões, ou de um desejo muito mais rasteiro de simplesmente entreter, ou da capacidade cada vez menor de concentração do nosso povo, ou de uma variedade de outras influências. 
É fácil deter-se numa boa história ou querer enfatizar a emoção de um texto ou a beleza de algum elemento secundário. Quaisquer que sejam as causas, alguns de nós parecem ter aderido a um tipo de pregação que deixa de lado o estabelecimento de uma ideia principal, seja dedutiva ou indutivamente. Muitas vezes, não há nenhuma coerência de pensamento que permita identificar um ponto central único e memorável. E, tristemente, nosso povo muitas vezes vai embora sem nenhuma ideia do que deveria ter aprendido.
É compreensível, em nossa era pós-moderna de abordagens voltadas para a reação do leitor e de compromissos inabaláveis com a auto-realização, que o sermão tenha se tornado um bufê de pensamentos da mente do pregador (três ou quatro observações sobre o texto, talvez uma ou duas tangentes, poucas aplicações vagamente relacionadas, algumas boas histórias ou citações, talvez uma referência à ilustração de abertura para envelopar tudo), no qual a congregação simplesmente põe no prato o que lhe parece bom e se alimenta daquilo.
Enquanto pregadores, nós pensamos que construir apenas um argumento único e então defendê-lo a partir do texto parece excessivamente rudimentar, formulaico ou, talvez, até mesmo legalista. Então, nós tentamos evitar dizer ao nosso povo o que pensamos ser o ponto central do texto. Evitamos estruturar nossos sermões como uma demonstração composta de várias partes. Evitamos o foco de uma ênfase única, porque temos medo de que estejamos errados, o que acidentalmente mostraria que não sabemos de tudo. Ou, o que é pior, temos medo de que a nossa pregação se pareça demais com uma pregação.
E, embora haja algum valor em evitar o formulaico (já que nosso povo sem dúvida acharia cansativo ter a mesma estrutura toda semana), essa abordagem aleatória e sem ponto central da pregação pode estar fazendo um desserviço ao nosso povo. Quando somos ocupados (ou preguiçosos?) demais para chegarmos a um ponto único, ou quando tentamos escondê-lo em retórica, ou quando falhamos em estabelecer uma estrutura clara para o nosso sermão, nosso povo – cansado, ocupado e distraído como é –, quase sempre irá perder o ponto central. Ou, o que é mais provável, eles podem simplesmente perceber que, na verdade, somos nós que não tínhamos um ponto principal.
Clareza: unidade e ponto central
A clareza que provém de formular um argumento bem fundamentado, culminando em uma proposição única, é uma característica chave da retórica antiga.[4] Essa premissa foi capturada nas preleções de Robert Lewis Dabney sobre A Retórica Sacra, publicadas no final do século XIX, as quais oferecem meditações sobre a relação entre a oratória antiga e a pregação. De modo relevante, dois dos sete requisitos cardinais do sermão apontados por Dabney enfatizam essa ideia de apresentar um ponto central único.
Primeiro, embora cuidadosamente rejeite o reducionismo, ele sugere que a unidade do sermão (seu segundo requisito) resulta da combinação de todas as suas diferentes partes, que conduz a uma impressão geral para o ouvinte. Assim, o pregador deve “ter um assunto principal de discussão, ao qual ele adere com supremo respeito do começo ao fim”, bem como deve apresentar “uma impressão definida à alma do ouvinte, para a qual tudo no sermão converge”.[5]
Essa segunda exigência, a apresentação de “uma impressão definida”, parece ser expandida no sexto requisito de Dabney: um ponto central. “Com esse fim, deve haver, primeiro, uma verdade principal, prática e importante, distintamente capturada pelo pregador em sua relação com a ação da alma que ele deve estimular. E toda a questão do discurso deve se organizar de tal modo a pôr em destaque essa proposição”.[6] Dabney conjectura que sermões deficientes em um ponto central ou não contêm em si Verdades valiosas, ou essas Verdades “não são colocadas de modo a se sobressaírem à compreensão dos ouvintes”.[7]
O que fazer? Cinco sugestões para encontrar clareza
Se você também luta com a questão da clareza, há algumas coisas práticas a serem consideradas enquanto você prepara o sermão:
1. Tenha um ponto central
Pregação expositiva não é simplesmente um comentário sobre o texto. É a transmissão da Verdade do texto.[8] Como tal, é muito importante que você chegue, em sua própria mente, a uma proposição clara e curta que expresse a ideia geral do seu sermão (a qual, é claro, será derivada da ideia geral do texto) e, então, de fato, apresente essa proposição em algum momento do sermão. Como Bryan Chapell observa tão claramente em seu livro Pregação Cristocêntrica: “Os ouvintes rapidamente se cansam de caçar ideias e anedotas pela paisagem teológica no esforço de descobrirem aonde o seu pastor está indo”.[9]
2. Mostre como o ponto central está fundamentado no texto
Boa exegese e boa reflexão teológica lhe revelarão uma clara ênfase no texto. Se você tiver trabalhado duro, isso lhe dará a ideia geral para o seu sermão. Mas você deve mostrá-la claramente no texto. É claro que você deseja que o seu povo confie em você, mas, mais do que isso, você deseja que tenham confiança na Verdade daquilo que você está dizendo a partir da Palavra de Deus. Você não precisa ser um guru ou um mágico expositivo. Os melhores sermões são aqueles em que as pessoas sentem que você simplesmente lhes apontou o que está no texto e deixou que ele fizesse efeito em seus corações e mentes.
3. Contenha-se: edite para alcançar clareza
Não tenha medo de “aparar” o seu trabalho com liberalidade. Uma das maneiras mais rápidas de dar clareza ao seu tema central é cortar fora de sua apresentação tudo o que não sirva para apoiá-lo. Isso pode ser muito difícil se você tiver se dedicado bastante em sua exegese. Você terá aprendido bastante sobre o seu texto durante a última semana e ficado bem eloquente em questões secundárias. Não obstante, se você fez o trabalho de restringir-se a uma ideia principal, não confunda nem distraia as pessoas com outras coisas, não importa quão curiosas lhe pareçam.
4. Contenha-se: edite para alcançar simplicidade
Não leve seu povo em um caça-tesouros exegético. O instinto de apontar seu povo para o texto e desfrutar daquele momento em que todos voltam sua atenção para as Escrituras é bom. Contudo, mais não é sempre melhor. Os editores de nossas Bíblias nos deram milhares de referencias cruzadas. O seu povo não precisar vê-las todas. Não confunda uma multidão de conexões com algo que pode dar um apoio real para seu argumento. Se há um texto chave, claro, leve a igreja até lá. Porém, é mais que provável que haja somente uma ou talvez duas passagens assim em um sermão. Abra mais passagens que isso e você possivelmente estará na esfera da teologia bíblica  (o que pode ser útil), porém isso poderá custar o ponto principal da sua passagem.
5. Contenha-se: edite para alcançar vigor
Pregue sermões mais curtos. Poucos são pregadores de 50 minutos. Ainda menos são pregadores de 60 minutos. Eu provavelmente nunca o conheci, mas me sinto relativamente confiante (pelo menos estatisticamente) em dizer que a duração média do seu sermão é, provavelmente, um pouco maior do que deveria ser. E, mesmo que eu esteja errado, estou bastante confiante em dizer que a duração média do seu sermão é maior do que a sua congregação gostaria que fosse. Leva tempo, destreza e uma incrível autodisciplina para edificar uma congregação que aprecie um discurso longo e bem articulado. Se você não herdou uma congregação assim nem dedicou anos (na verdade, décadas) para desenvolver uma, considere encurtar o seu sermão. No mínimo, o ato de encurtar seu sermão irá forçá-lo a uma maior clareza e, idealmente, a apresentar de modo simples e sucinto a sua ideia geral.
Notas:
[1] “Com respeito ao estilo, um dos seus principais méritos pode ser definido como perspicuidade. Isso se mostra no fato de que o discurso, se não tem o seu significado aclarado, não irá cumprir a função que lhe é própria”. Aristóteles, Retórica 1404b (LCL, Freese). Quando os retóricos antigos consideravam a clareza, ou perspicuidade, eles parecem estar primariamente focados na escolha das palavras e em se elas causariam confusão à audiência. Ver também Quintiliano, Institutio Oratoria 8.1.1-7. Isso poderia muito bem ser o que Paulo tinha em vista em 1 Coríntios 1.17: “Porque não me enviou Cristo para batizar, mas para pregar o evangelho; não com sabedoria de palavra, para que se não anule a cruz de Cristo”. Para Cícero, a clareza também se estende à organização do material em favor de um argumento primário. “Uma organização dos assuntos a serem mencionados em um argumento, quando feita de modo adequado, torna toda a oração clara e inteligível”. Ver Cícero, De Inventione 1.22. Essa tradução vem de Cicero, The Orations of Marcus Tullius Cicero, Volume 4 (trans. C.D. Yonge; London: G. Bell & Sons, 1913), 241-306.
[2] Embora muito do argumento deste artigo não possa ser precisamente defendido como uma prescrição do Novo Testamento, é digno de nota que muito do que eu sugerirei sobre a clareza e a apresentação de um ponto central único e identificável, com uma clara estrutura retórica, é observável na pregação dos apóstolos em Atos e na “pregação” escrita de Paulo em suas epístolas.
[3] N.T.: O autor joga com a palavra inglesa pointless, que comumente significa “sem sentido”, mas, literalmente, significa “sem ponto”. A pregação sem ponto central (pointless preaching) não é necessariamente sem sentido, embora possa padecer da falta da clareza a qual alude o autor.
[4] Seria fácil começar com Aristóteles no século IV a.C. e a sua definição de retórica como “os meios reais e aparentes de persuasão” – Aristóteles, Retórica 1.1.14 (LCL, Freese). Poderíamos considerar os manuais de retórica de Cícero e Quintiliano, os quais parecem se fundamentar na presunção de que oratória é persuasão. Sendo assim, se assumirmos essa premissa básica da retórica para a nossa pregação, então o trabalho do pregador –  de fato, a sua responsabilidade –  é persuadir. A clareza que conduz à persuasão, por exemplo, exige um tipo particular de estrutura discursiva. E a estrutura básica da oratória sempre inclui a afirmação de uma proposição principal única, no princípio. Ver Cícero, Rhetorica ad Herennium 1.8.11-1.9.16 e Quintiliano, Institutio Oratoria 4.4. A estrutura da oratória também inclui, tipicamente, uma reafirmação do ponto principal como uma peroração ao final. Ver Cícero, De Inventione 1.52-56. “Que prazer pode um orador esperar produzir, ou que impressão até do mais moderado aprendizado, a menos que ele saiba como fixar um único ponto nas mentes da audiência pela repetição e outro, pela ênfase, como fazer uma digressão e retornar ao seu tema, como desviar a culpa de si mesmo e transferi-la a outro, ou decidir quais pontos omitir e quais ignorar como insignificantes? São qualidades como essas que dão vida e vigor à oratória; sem elas, ela jaz entorpecida como um corpo que carece de fôlego para mover seus membros” – Quintiliano, Institutio Oratoria 9.2.4 (LCL, Butler).
[5] Robert Lewis Dabney, Sacred Rhetoric (New York: Anson D.F. Randolph & Co., 1870), 109. Here, Dabney cites Cicero, De or. 2.114.
[6] Robert Lewis Dabney, Sacred Rhetoric (New York: Anson D.F. Randolph & Co., 1870), 126.
[7] Robert Lewis Dabney, Sacred Rhetoric (New York: Anson D.F. Randolph & Co., 1870), 127.
[8] Considere, por exemplo, as definições de pregação expositiva oferecidas por Mark Dever (“um sermão que toma o ponto central do texto como o ponto central do sermão”) ou Mike Bullmore (“pregação na qual o conteúdo e o propósito da passagem moldam o conteúdo e o propósito da mensagem”). Exposição, assim, não é simplesmente o conteúdo ou o tema central do texto (extraído pela exegese e reflexão teológica). Exposição também exige a simplicidade e a clareza de apresentar o ponto central do texto.
[9] Bryan Chapell, Christ-Centered Preaching, Second Edition (Grand Rapids: Baker Academic, 1994), 44 (Publicado em português com o título Pregação Cristocêntrica (Editora Cultura Cristã, 2002).
Tradução: Vinícius Silva Pimentel
Revisão: Vinícius Musselman Pimentel

sábado, 14 de novembro de 2015

E-books apologéticos gratuitos - NAPEC

O ministério NAPEC - Núcleo Apologético de Pesquisas e Ensino Cristão, dedicado às temáticas de defesa da fé e apologética cristã, disponibilizou para seus leitores três e-books gratuitos. São os seguintes:


Apologia da divindade de Cristo, de autoria de João Rodrigo Weronka, fundador do NAPEC.
Na obra o leitor irá encontrar breves exposições sobre como a divindade do Filho de Deus foi atacada no passado e no presente, bem como refutações baseadas nas Escrituras para defesa da verdade que Jesus Cristo é o Filho de Deus.
Acesse, leia e divulgue. Para efetuar o download, clique aqui




Reencarnação e Cristianismo - Água e Óleo - João Rodrigo Weronka
A obra em questão aborda o choque entre a teoria da reencarnação com a doutrina cristã. Em Reencarnação e Cristianismo: água e óleo, o leitor irá encontrar respostas para este conflito.
Acesse, leia e divulgue. Para efetuar o download, clique aqui.




A Igreja no Horizonte Pós-Moderno
A igreja no horizonte pós-moderno, de autoria de Jonas Ayres, pastor da Igreja Batista Vida Nova em São José dos Pinhais, PR. É seu primeiro trabalho divulgado em nosso site. Na obra o leitor irá se deparar com uma exposição sobre o contexto pós-moderno e sobre sua igreja “filha”, o Movimento da Igreja Emergente.
Acesse, leia e divulgue. Para efetuar o download, clique aqui.

sábado, 7 de novembro de 2015

Os Espelhos de Deus - Por Max Lucado

Ilha de Guam


G.R. Tweed olhou pelas águas do Pacífico para o navio americano no horizonte. Limpando o suor da selva dos seus olhos, o jovem oficial naval engoliu profundamente e tomou sua decisão. Esta poderia ser a única chance dele para fugir.
Tweed estava se escondendo na ilha de Guam durante três anos. Quando o exército japonês ocupou a ilha em 1941, ele se escondeu no denso matagal tropical. Sobreviver não havia sido fácil, mas ele preferiu o pântano a um campo de prisioneiros de guerra.
Tarde naquele dia, 10 de julho de 1944, ele percebeu o navio aliado. Ele correu para cima de uma colina e se posicionou em um precipício. De dentro da sua mochila, ele tirou um espelho de mão. Às 18:20 ele começou a enviar sinais em código Morse. Segurando a extremidade do espelho nos dedos, ele o inclinou de um lado para outro, refletindo os raios do sol em direção ao barco. Três sinais curtos. Três longos. Três curtos novamente. Ponto-ponto-ponto. Traço-traço- traço. Ponto-ponto-ponto. S-O-S.
O sinal chamou a atenção de um marinheiro a bordo do USS McCall. Uma equipe de resgate embarcou num bote motorizado e passou despercebido na angra além do alcance das armas do litoral. Tweed foi salvo.[1]
Ele estava feliz por ter aquele espelho; feliz porque soube usá-lo, e feliz porque o espelho cooperou. Suponha que não tivesse. (Prepare-se para um pensamento absurdo.) Suponha que o espelho tivesse resistido, empurrado sua própria agenda? Em lugar de refletir uma mensagem do sol, imagine se tivesse optado por enviar algo próprio? Afinal de contas, três anos de isolamento deixariam qualquer um faminto por atenção. Em lugar de enviar um S-O-S, o espelho poderia ter enviado um O-P-M "Olhe para mim."
Um espelho egoísta?
O único pensamento mais absurdo seria um espelho inseguro. E se eu estragar tudo? E, se eu envio um traço quando devo enviar um ponto? Além disso, você já viu as manchas na minha superfície? Duvidar de si mesmo poderia paralisar um espelho.
Da mesma forma seria auto-piedade. Enfiado naquela mochila, arrastado por selvas, e agora, de repente espera-se que eu enfrente o sol brilhante e execute um serviço crucial. De jeito nenhum. Fico no pacote. Não sai nenhuma reflexo de mim.
Ainda bem que o espelho de Tweed não teve uma mente própria.
E os espelhos de Deus? Infelizmente nós temos.
Nós somos os espelhos dele, sabe: ferramentas da heliografia celestial. Reduza a descrição de trabalho humano numa frase e é isto: refletir a glória de Deus. É como Paulo escreveu: “Portanto, todos nós temos o rosto descoberto e refletimos como um espelho a glória do Senhor. Nós somos transformados na sua própria imagem com uma glória cada vez maior. E esta é a obra do Senhor, que é o Espírito. (2 Cor 3:18 VFL)
Um leitor acabou de levantar uma sobrancelha. Espere um momento, você está pensando. Eu li aquela passagem antes, mais de uma vez. E soou diferente. Realmente, pode ter acontecido. Talvez seja porque você está acostumado a ler em uma outra tradução. “E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.” (ARA, ênfase minha).
Uma tradução diz, “contemplando, como por espelho”, outra diz, “refletimos como um espelho”. Uma implica contemplação; a outra refração. Qual é certa?
De fato ambas. O verbo katoptrizo pode ser traduzido das duas maneiras. Há tradutores que tomam ambos os lados:

“refletindo, como um espelho” (ARC) 
“contemplamos a glória do Senhor” (NVI com nota de rodapé indicando que pode ser também “refletimos”) 
“contemplamos como num espelho a glória do Senhor” (Bíblia de Jerusalém, com nota semelhante à NVI) 
“refletimos a glória que vem do Senhor” (NTLH)

Mas qual significado Paulo tinha em mente? No contexto da passagem, Paulo compara a experiência Cristã à experiência de Moisés no monte Sinai. Depois que o patriarca contemplou a glória de Deus, a face dele refletiu a glória de Deus. “os israelitas não podiam fixar os olhos na face de Moisés, por causa do resplendor do seu rosto” (v. 7 NVI).
A face de Moisés estava tão deslumbrante que “o povo de Israel não podia nem mais olhar para ele do que para o sol” (v. 7 Tradução em inglês A Mensagem).
Ao ver Deus, Moisés não podia fazer outra coisa senão refletir Deus. O brilho que ele viu foi o brilho no qual ele se tornou. Vendo levou a sendo. Sendo levou a refletindo. Talvez a resposta para a pergunta de tradução, então, é "sim."
Paulo quer dizer “vendo como em um espelho”? Sim. Paulo quer dizer “refletindo como um espelho”? Sim.
Será que o Espírito Santo intencionalmente selecionou um verbo que nos lembraria a fazer ambos? Contemplar Deus tão atentamente que nós não conseguimos fazer outra coisa senão refleti-lo?
O que significa ver seu rosto em um espelho? Um relance rápido? Um olhar casual? Não. Ver é estudar, fitar, contemplar. Ver a glória de Deus, então, não é nenhum olhar lateral ou relance ocasional; este ver é ponderar seriamente.
Não é isso que nós fizemos? Nós acampamos aos pés do monte Sinai e vimos a glória de Deus. Sabedoria inescrutável. Pureza sem mancha. Anos sem fim. Força destemida. Amor imensurável. Vislumbres da glória de Deus.
Enquanto vemos a glória dele, podemos ter a ousadia de orar que nós, como Moisés, possamos refleti-lo? Podemos ousar sonhar em ser espelhos nas mãos de Deus, o reflexo da luz de Deus? Esta é o chamado.
“Fazei tudo para a glória de Deus.” (1 Cor. 10:31). 

Tudo? Tudo.

Deixe sua mensagem refletir a glória dele. “Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus.” (Mt. 5:16 NVI).
Deixe sua salvação refletir a glória de Deus. Tendo “nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa” (Efé. 1:13,14 ARA).
Deixe seu corpo refletir a glória de Deus. “Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo.” (1 Cor. 6:20 ARA).
Suas lutas. “Tudo isso é para o bem de vocês, para que a graça, que está alcançando um número cada vez maior de pessoas, faça que transbordem as ações de graças para a glória de Deus.” (2 Cor. 4:15 NVI, veja também João 11:4).
Seu sucesso honra Deus. “Honra ao SENHOR com os teus bens” (Prov. 3:9 ARA). “Riquezas e glória vêm de ti” (1 Crô. 29:12). “É ele o que te dá força para adquirires riquezas” (Deut. 8:18).
Sua mensagem, sua salvação, seu corpo, suas lutas, seu sucesso – todos proclamam a glória de Deus.
“E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.” (Col. 3:17 ARA)
Ele é a fonte; nós somos o vaso. Ele é a luz; nós somos os espelhos. Ele envia a mensagem; nós a refletimos. Nós descansamos na mochila dele esperando o chamado dele. E quando colocados nas mãos dele nós fazemos o trabalho dele. Não é sobre nós, é tudo sobre ele.

Ao Sr Tweed usar um espelho, houve um salvamento. Que haja milhões a mais quando Deus nos usar.

domingo, 25 de outubro de 2015

Cidade de Sodoma é descoberta na Jordânia

Arqueólogos encontram na Jordânia ruínas da "cidade do pecado", que teria sido exterminada por Deus numa das mais conhecidas histórias bíblicas

"Então o Senhor fez chover enxofre e fogo contra Sodoma e Gomorra. Elas foram destruídas [...] incluindo os habitantes e a vegetação que crescia do solo.” A aniquilação das “cidades do pecado”, descrita no livro de Gênesis, é uma das passagens mais conhecidas e controversas da Bíblia. Agora, uma escavação conduzida pela Universidade Trinity Southwest, dos Estados Unidos, em parceria com o Departamento de Antiguidades da Jordânia, está ajudando a passar a história das localidades da lenda para o mundo real. Os responsáveis pela pesquisa dizem que acharam as ruínas de Sodoma a 14 km do Mar Morto, na Jordânia, e que já sabem onde está Gomorra. “Depois de 15 anos de exploração eu penso que nós descobrimos Sodoma, como as evidências científicas demonstram”, afirma Steven Collins, o arqueólogo que chefia o estudo. “A cidade é uma realidade geográfica tanto quanto Jerusalém.”
SADOMA-01-IE.jpg
ACHADO 
Os pesquisadores encontraram mais de 100 mil peças de cerâmica,
áreas residenciais e administrativas, um templo e um palácio.
E dizem já saber onde está Gomorra

A Sodoma bíblica teria sido exterminada por Deus porque seus moradores eram adeptos da pederastia, de acordo com as escrituras (leia quadro). Na realidade, era uma metrópole de 10 mil pessoas que floresceu entre 3500 e 1540 a.C. O local foi um centro comercial cercado por fortificações de até 50 metros de espessura que protegiam as partes alta e baixa da cidade, reservadas a ricos e pobres. Foram encontrados mais de 100 mil peças de cerâmica do período, áreas residenciais e administrativas, um templo e um palácio vermelho, assim chamado pela cor de suas pedras. Há 3,5 mil anos, essa civilização subitamente desapareceu e a região ficou desabitada por 700 anos.
De acordo com a equipe, Sodoma foi destruída pelo impacto de um meteorito similar ao que atingiu Tunguska, na Sibéria, em 1908. O cataclismo pode ter sido a origem dos relatos bíblicos. A pesquisa aponta que as paredes da cidade foram destroçadas e que o solo foi desnudado por 500 km quadrados. “Temos cientistas em sete grandes universidades analisando as amostras que colhemos no sítio e nos arredores”, diz Collins.
Os arqueólogos chegaram a Sodoma comparando passagens das escrituras com ruínas jordanianas. “Gênesis 13 claramente coloca Sodoma ao norte e ao leste do Mar Morto”, afirma o pesquisador. É descrita ainda como uma poderosa localidade cercada por cidades-satélite, o que bate perfeitamente com os achados. Um dos centros orbitando Sodoma é Gomorra, que se acredita estar 1 km ao norte. A estimativa é que os arredores concentrassem até 80 mil pessoas.
IE2395pag56_Sodoma.jpg
Fotos: Divulgação 

sábado, 3 de outubro de 2015

O QUE TENHO APRENDIDO (MAIS UMA VEZ) PLANTANDO UMA IGREJA



Samuel Costa

Há quatro anos estou à frente da plantação de uma nova igreja em minha cidade, o local onde Deus me colocou para ser sal da terra e luz do mundo. Conquanto eu seja filho de um evangelista e tenha acompanhado meu pai em vários campos missionários pelo Brasil, a experiência desses últimos anos tem me ensinado bastante. Resolvi, então, enumerar algumas lições aprendidas.


1) É preciso estar disposto a andar, se quiser ser dirigido por Deus.
2) Não há como plantar uma igreja apenas abrindo a Bíblia aos domingos e pregando a alguns. O pregador aos domingos também terá de varrer o chão, limpar os banheiros, carregar o som, desmontá-lo ao final das reuniões e fazer várias outras atividades, se quiser ser bem sucedido.
3) Enfrente os problemas de frente, com serenidade, mas com firmeza. O diabo não resiste à luz, pois sua ação é sempre no escuro, sorrateiramente, por baixo dos panos. Jogue luz sobre os problemas e o inimigo fugirá.
4) Ao tomarem conhecimento do projeto, praticamente todos aqueles que dizem que vão apoiar o seu trabalho nada farão por você. Mesmo assim, continue. Jamais desanime; faça sol ou faça chuva pregue a Palavra. Você é um pregador.
5) Distribua tarefas, perca o controle. O Espírito Santo é quem controla sua igreja. Não dá pra estar em todo lugar e em todas as reuniões o tempo todo. Lance as diretrizes e confie em sua equipe.
6) Não se importe com o "Não" que receberá muitas vezes. O "Não" também é direção do Senhor. Vá em frente e bata em outras portas.
7) É preciso apropriar-se de sua vocação solitária (a vocação pastoral passa pelo viés da solidão), pois sozinho será o primeiro a chegar e - na maior parte das vezes - o último a sair, após apagar as luzes, quando todos já foram para suas casas.
8) O inesperado sempre acontece, pois Deus envia ajuda de onde menos se espera... e as coisas caminham de acordo com a vontade Dele. Muita gente boa, enviada por Deus, estará ao seu lado.
9) É preciso estar disposto a se reunir em qualquer lugar, na certeza de que em qualquer lugar o Senhor ali estará ao lado de sua igreja. Nesses anos nossa igreja se reuniu, entre outros lugares, também em uma casa de festas, cujo auditório havia sido decorado para um casamento gay que havia sido realizado no dia anterior. Também nos reunimos muitas vezes numa boate da mesma casa de festas.
10) Não acredite nas redes sociais. As pessoas não vão à igreja porque a encontram no Facebook, Twitter ou Instagram. As pessoas vão à igreja porque foram abordadas por outras pessoas. Só então, por curiosidade, verificam nas redes sociais se a igreja está lá.
11) Mantenha um relacionamento constante com a cidade e não perca uma única oportunidade de deixar o cartão da igreja com alguém. Lembre-se: ninguém vai ligar pra você, com exceção de alguns pouquíssimos.
12) Não tenha medo do novo, por mais inusitado que pareça. O essencial é manter a velha mensagem da cruz. A roupa em que essa mensagem será apresentada tem que ser moderna e nova, para atingir a sociedade que não para de se modernizar e de se reinventar.
13) Pastoreie sua pequena igreja na certeza de que não é o número de pessoas que fará dela um sucesso, é a graça de Deus. Ele é o maior interessado no crescimento de Seu rebanho.
14) Algumas pessoas são talhadas por Deus para enfrentar os momentos iniciais de uma plantação de igreja, outras só chegam numa segunda fase, após consolidado o trabalho.
15) Cuidado com os parasitas. Em todo o tempo o joio estará sendo plantado pelo inimigo nos campos do Senhor. Esteja atento.
16) Dê atenção a todos, ligue para os que têm vocação para se desgarrarem, mande uma mensagem aos faltosos, pastoreie e gaste tempo com as ovelhas.
17) Saiba que Deus envia muita gente boa pra fazer parte de Sua igreja. Dia após dia Ele conduz os seus filhos para se juntarem ao rebanho. O pastoreio é Dele. Não perca a esperança.

18) Seja amigo de todos os que quiserem ser seu amigo.


Artigo publicado originalmente em samuelcostablog.blogspot.com.br.