quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

CADA UM VEJA COMO EDIFICA A IGREJA...

Russel P. Shedd

I Coríntios Capítulos 3 e 4

Desde os tempos de Paulo até hoje, a má compreensão da verdade do evangelho tem provocado divisões.

Muitos crentes hoje em dia se ufanam por pertencerem a certas correntes de opinião dentro da sua igreja, quando a própria existência de tais correntes diversificadas e opostas é vergonha e desgraça para a Igreja.

É o que ocorria com a igreja de Corinto. Esta, privilegiada pelos pregadores mais notórios existentes, o apóstolo Paulo, Apoio (homem eloqüente e poderoso nas Escrituras, instruído no Senhor, sendo fervoroso de Espírito. . . Atos 18:24) e possivelmente o apóstolo Pedro.

Parece-nos, que Paulo percebeu nos coríntios,uma má compreensão do que seja um obreiro e seu trabalho. Então o apóstolo pergunta: - Quem é Paulo? Quem é Apoio? (3:5). A resposta segue: "Servos por meio de quem crestes".

Portanto, a primeira palavra usada por Paulo para descrever quem é um obreiro é a palavra SERVO, no original diakonos. Lembremos que diácono originalmente significava garçom. O ministério é uma diakonia. Ao usar esta palavra - diácono, para descrever o ministério, ele está pensando no contraste entre o dono da casa ou restaurante e o garçom que serve "apenas servos pelos quais crestes" - apenas diáconos. Isto fica mais nítido quando acrescenta: "Eu plantei" (servi plantando), "Apoio regou", mas o crescimento é Deus quem dá.

A posição de diáconos como Ministros, leva-nos a uma atitude humilde quanto a nossa importância diante do trabalho.

A obra de Deus não depende de mim, a obra de Deus depende d'Ele. Jesus também falou nestes termos. A seara é grande, está muito necessitada, rogai ao Senhor da Seara para que contrate mais trabalhadores. . . O dono é quem pode contratar os obreiros. Paulo jamais teria pensado em sair a pregar o Evangelho, se não tivesse sido chamado e enviado por Jesus: "- Separai a Barnabé e a Saulo para a obra que lhes tenho chamado".. . Cabe-nos o privilégio de orar para que Deus mande obreiros. Nunca mandar a ninguém já que somos apenas empregados DISPENSÁVEIS a qualquer momento. O primeiro ensinamento de Paulo aqui sobre o ministério é: O ministro não é indispensável.

"Porque nós somos cooperadores de Deus; vós sois lavoura de Deus e edifício de Deus" (v. 9). A segunda palavra que ele usa para descrever os obreiros no ministério é: COOPERADORES. Cooperador é a pessoa que trabalha junto com Deus, ao lado de Deus. Aqui o apóstolo é a pessoa que representa aquele que o enviou. Paulo está dizendo: Nós somos representantes de Deus aqui na terra. Deus nos dá o privilégio de ministrar, de administrar o próprio ministério de Jesus. É como se Cristo estivesse falando, já que falamos em nome d'Ele. Observando bem, como cooperadores de Deus já não aparece o aspecto de DISPENSABILIDADE para ressaltar o aspecto da DISPONIBILIDADE.

Todos conhecemos este tipo de pessoa que faz muitas obras diferentes ao mesmo tempo. Ele simplesmente coloca uma pessoa em cada lugar necessário e se faz representar em cada uma delas. De modo que ele mesmo não está lá, mas a sua presença se mostra naqueles que o estão representando.

Então, vivendo em Corinto ou em Éfeso, onde quer que Paulo se encontre, ele está representando Deus. COOPERADOR implica em DISPONIBILIDADE para ficar no lugar de Deus.

Nos versículos 6-8 quando Paulo chama a atenção no singular, "eu plantei, Apoio regou", fica clara a dispensabilidade deles. Eles não são nada, porque Deus pode substituí-los a qualquer instante. Daqui há alguns anos o próprio Paulo estará morto em Roma e outro tomará o seu lugar. Com Apoio já tinha acontecido isto pois ele já havia saído de Corinto. Mas quando Paulo fala de COOPERADORES ele não o faz no singular e sim no plural e parece devolver maior importância aos ministros. Paulo não diz: apenas eu sou representante de Deus e vocês não, mas afirma: somos cooperadores, devolvendo o equilíbrio entre o não ser nada (diácono dispensável) e ser cooperadores (representantes de Deus).

"Segundo a graça que me foi dada lancei o fundamento como prudente construtor e outro edifica sobre ele. Porém cada um veja como edifica" (3:10). A terceira palavra usada é CONSTRUTOR, notando a ênfase sobre o SÁBIO construtor (gresophon-arquitecton). Há uma diferença fundamental entre o diácono e o cooperador-construtor. O diácono que serve plantado, lança a semente e o resultado há sempre de ser o mesmo:pessoas salvas. O fato da planta crescer ou não, depende de Deus. No entanto, no caso do construtor, ele tem a liberdade de escolher qual material vai usar e a forma em que vai construir.

A ênfase aqui sobre a liberdade do trabalho é muito importante. Porque se uma pessoa constrói bem, escolhendo criteriosamente o seu material, usando qualidade de trabalho de primeira, e não de segunda ou de terceira, obterá melhor resultado do que aquele que simplesmente não se importa, que vai adaptando a construção conforme sua própria vontade.
Será que percebemos que no caso da lavoura ou da colocação do fundamento não há problema? O fundamento é Jesus Cristo. A semente também é Jesus. Porém esta palavra, SÁBIO CONSTRUTOR, arquiteto, é aquele que com sabedoria acompanha o projeto seguindo cuidadosamente a intenção do dono do prédio em vez de acrescentar suas próprias idéias. O construtor que faz suas modificações, alterando o lugar de uma janela, estreitando ou alargando a porta, demonstra não ser um sábio construtor.

Sabemos que o homem pode até colocar outro fundamento ou edificar no ar. Os muçulmanos já lançaram outro fundamento: Maomé, e não Cristo. Os mórmons também: Joseph Smith. Sábio é aquele que apesar da possibilidade de escolha, escolhe o melhor material para edificar exatamente como projetado pelo dono. Deus não vai interferir, apesar de ser Sua igreja que está se construindo. Agora cuidado! Aqui registra-se uma advertência: cuidado porque quando percebemos que temos escolha, também há pagamento e galardões.

Há um modelo claro estabelecido por Deus para Sua igreja, Ele quer uma igreja onde todos os membros sejam como Jesus.

Romanos 8:29, nos fala de pessoas predestinadas para serem conforme a imagem de Jesus. Com o mesmo amor que Ele tem, a mesma compaixão, a mesma doutrina, o mesmo amor ao Pai, etc. . . Tudo deve ser igualzinho a Jesus Cristo. E vem a observação: "Mas cada um veja como edifica sobre ele", sabendo que há duas maneiras de construir, com ouro, prata e pedras preciosas ou com madeira, feno e palha.

Então precisamos trabalhar com pessoas realmente transformadas por Jesus. É interessante que madeira, palha, feno e brilhante são da mesma substância: carbono. A diferença é que o brilhante passou por uma série de tribulações que a madeira, feno e palha não passaram.
O ministério de qualidade é o que é eternamente bom. Esse é como o brilhante, passa pela pressão, pelo fogo e fica ainda mais genuíno.

O texto nos diz que no dia do fogo, se a obra é eterna permanecerá e receberá galardão, senão será destruída. Nosso trabalho será julgado e provado pelo fogo. Por isso aquele que quer edificar bem, escolhe qualidade, escolhe pessoas que Deus tem treinado através da sua disciplina e certamente receberá galardão por ter escolhido com sabedoria e permanência.
"Assim, pois, importa que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus". (4:1)

A quarta palavra usada, MINISTRO, no original üpereta, literalmente traduzida significa subordinado e, etimologicamente, significa aqueles homens lá no porão do navio remando. Aqueles que se encontram embaixo dos pés dos outros. Aliás, a própria palavra significa isto: aqueles que estão embaixo dos remadores, a última fila dos remadores. O apóstolo Paulo diz: nós somos ûperetas, somos os subordinados de Cristo. É outra maneira de dizer que somos escravos de Cristo, garçons. Não somos donos de nada, somos simplesmente os que remam, normalmente os escravos de última posição.

A palavra ministro hoje em dia perdeu este significado e já não tem a conotação de uma pessoa que serve. Isto porque muitos ministros têm esquecido da humildade, caso contrário, a palavra não mudaria tanto de significado. Muitas vezes, o ministro tem se auto-denominado escravo, mas não se parece com um. O diácono não se parece com um garçom e sim com o dono do restaurante.

A quinta palavra usada para descrever os obreiros no ministério é DISPENSEIROS dos mistérios de Deus. A palavra no original é oikonomos que significa mordomo, isto é, a pessoa responsável pelo bem estar dos outros escravos na casa, dos outros trabalhadores.

Jesus falou sobre isto em Lucas 16:10 na parábola do administrador infiel ou do mordomo injusto. A idéia aqui é de uma pessoa que tem alguma coisa para dar e não a dá. O dispenseiro é o que tem a chave da dispensa, pega o que há de melhor para distribuir para as pessoas indicadas. É justamente José na casa de Potifar. José entendia a sua posição, tinha tudo a sua disposição: terra, conta bancária, prestígio, dinheiro. Parece-me que hoje muitos dos ministros não têm esta preocupação, dispensar o que há de melhor e ficam a oferecer futilidades para sua igreja.

A qualidade essencial do dispenseiro é a fidelidade. Gastar como o Dono quer tudo o que foi colocado à nossa disposição.

A última palavra que Paulo usa para descrever o obreiro é PAI, demonstrando que ele não queria envergonhar ninguém. "Não vos escrevo estas cousas para vos envergonhar; pelo contrário, para vos admoestar como a filhos meus amados"(4:14)

Paulo passa a descrever a função do Pai, seu ministério e responsabilidade. A principal característica do Pai é transmitir vida ao filho. É admoestar em amor. O pai sempre tenta transmitir a sua experiência ao filho. O caminho que o meu filho agora trilha eu já trilhei, você agora está no mesmo ponto que eu passei um tempo atrás. . . já tive também de fazer escolhas. . . O professor ensinava sabedoria geral e o Pai ensina a sabedoria particular. É por isso que ele é o exemplo em contraste com o professor, sua vida está em jogo. A idéia de Pai que admoesta aos filhos implica também em castigo. O pai ama e castiga. Se você transmitir vida, transmitirá também as realidades da vida. A nossa vida é uma vida de escolhas e as escolhas erradas trazem sofrimentos. De certa forma ele representa Deus novamente. É Deus quem nos gera, ama e disciplina.

Notemos que Paulo usa uma palavra que descreve o Ministro numa posição bem baixa e outra que eleva o ministro. Assim ele começa mostrando-nos o Ministro como diácono (garçom), depois como Cooperador de Deus, em seguida como Sábio Construtor, Ministro (üpereta ou escravo), Dispenseiro e finalmente como Pai. Por que ele faz isto? Por que num instante eleva o obreiro e em seguida o rebaixa? Para mostrar responsabilidade por um lado e humildade por outro.

Estamos certos de que este texto nos fala dos privilégios do ministro de Deus, mas ressaltando sempre a nossa responsabilidade e humildade. 

Fonte:  www.lideranca.org

2 comentários:

Michael disse...

A paz de Cristo meu amado irmão. Gostei muito desse blog, pois estarei indicando esse blog, e gostaria de saber se você concorda em divulgar o meu blog. Dê uma olhada ok! Abraços

SANDRO!!!! disse...

UMA BENÇÃO O SEU BLOG.. JÁ ESTOU SEGUINDO... VISITE http://pbsandrooliveira.blogspot.com/ E DEIXE UM COMENTÁRIO!!