domingo, 12 de julho de 2009

Uma visão do Movimento Nova Era

*

A primeira coisa que devemos entender sobre o Movimento Nova Era é que ele não é novo. Trata-se de uma compilação de antigos mitos, do Budismo antigo, tudo espanado e traduzido em termos científicos, técnicos e modernos, no Ocidente. O que tem sido cunhado pela mídia como sendo o Movimento Nova Era é, de fato, a combinação ou mistura de vários movimentos espirituais, com séculos de existência.

Hinduísmo - A origem do Hinduísmo data de 2000 a 1000 a.C. Não existe um fundador histórico. A tradição ensina que suas leis e “verdades espirituais” foram reveladas a homens espirituais chamados “rishis”, os quais viviam às margens do Ganges e dos rios hindus, ao norte da Índia. O Hinduísmo ensina que Brama é o supremo ser espiritual, absoluto, eterno, infinito e neutro. Brama também é perfeito e imutável. O Hinduísmo ensina que somente o que é permanente é real e como todas as coisas são mutáveis, somente Brama é real. [N.T.: A superstição é a marca registrada de toda religião não bíblica]. Enorme quantidade de deuses menores [cerca de 330 milhões] são adorados pelos hindus [N.T.: cada um mais tenebroso na aparência], como sendo manifestações de Brama. Conforme o Hinduísmo, toda coisa viva possui o espírito ou alma de Brama, a qual é chamada “atman” e procede de Brama. O destino final da “atman” humana é a união com Brama, o que não pode ser alcançado com uma vida apenas. Portanto, cada “atman” ou alma individual precisa passar de um corpo para o outro, vida após vida, guiada pela lei do carma. [N.T.: As falsas religiões complicam tudo, para amedrontar e escravizar os seus adeptos]. A lei do carma determina qual o tipo de vida que será vivido na reencarnação. Conforme esta lei, sua vida atual vai depender de suas obras nas vidas passadas. E sua próxima reencarnação vai depender de suas obras, nesta vida atual. Este objetivo serve de base para boa parte dos ensinos de Shirley MacLaine, Ruth Montgomery e vários gurus e mestres espirituais. À crença na reencarnação foi dada uma nova infusão de credibilidade por cientistas como Raymond A. Moody, Jr., autor da obra “Vida Após Vida”, a qual investiga as “experiências de quase morte” e as “viagens fora do corpo”. Mesmo não abraçando diretamente a reencarnação, as narrativas das “experiências de quase morte”, quando a pessoa encontra um “Ser de Luz”, tem pavimentado o caminho para a teologia da Nova Era, a qual aceita publicamente a reencarnação.

Moody conta que, após encontrar vários “seres de luz”, a pessoa que viveu uma “experiência de quase morte”, finalmente, encontra o “Ser de Luz”, que os cristãos costumam chamar Deus ou Jesus, enquanto outras religiões chamam Buda ou Alá. Outros aparentemente afirmam que o supremo
“Ser de Luz” não é qualquer uma destas personalidades, mas alguém terrivelmente assustador. Quem desejaria saber quem é este ser? Martha Knobloch, uma erudita no assunto da reencarnação, diz que os poderes das trevas podem aparecer como seres de luz (2 Coríntios 11:14) e criar alucinações envolvidas nas “experiências de quase morte” e nas “viagens fora do corpo”, [N.T.: a fim de neutralizar a crença na Palavra de Deus]. Knobloch acredita ainda que os demônios podem levar as pessoas a se lembrarem de fatos das “vidas passadas”, os quais, realmente, não aconteceram. (João 8:44-c).

Budismo - O Budismo foi fundado na Índia por Siddhartha Gautama (mais tarde chamado Buda, ou “O Iluminado”, o qual viveu em 560 ou 480 anos a.C.), como um protesto contra as doutrinas hinduístas. Buda cresceu numa família importante e nem mesmo sabia da existência da pobreza, até que um dia deixou os arredores do palácio de seu pai. Ficou tão perturbado ao ver a pobreza e o desespero que existiam lá fora, que decidiu fazer uma viagem espiritual, a fim de encontrar respostas. Raspando a cabeça e vestindo uma túnica, Siddharta viajou muito e consultou gurus e líderes espirituais. Finalmente, ele começou a meditar, tornou-se “iluminado” e desenvolveu o que ficou conhecido como os “O Nobre Caminho dos Oito Passos”, o qual conduz ao Nirvana, ou “insight perfeito”, uma qualidade da mente. Estas oito técnicas consistem de: 1) crença correta; 2) aspiração correta; 3) linguagem correta; 4) ação correta; 5) ocupação correta; 6) esforço correto e 7) pensamento correto.

Está claro que o Nobre Caminho dos Oito Passos é um programa de esforço destinado a ganhar a paz individual. Como outros ensinos práticos e místicos da Nova Era, a “estrada que leva ao paraíso” é pavimentada pelo nosso próprio desempenho espiritual. Em outras palavras, ganhamos a entrada no céu através e nossas boas obras. Isto contradiz, terminantemente, a salvação ensinada pelo apóstolo Paulo, conforme Efésios 2:8-9: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.”

Do passado até o presente - Junto com estes antigos sistemas de crenças (Hinduísmo e Budismo) encontram-se as idéias mais recentes de mulheres como Madame Blavatsky, fundadora da Sociedade Teosófica, autora de “Isis Unveiled” (Ísis Revelada), no século 19. O Movimento Teosófico de Madame Blavatsky enfatizava os ensinos hinduístas e budistas da reencarnação, ensinando também que existem vários “mahatmas” (grandes almas ou seres exaltados), os quais vieram à Terra para nos ensinar o caminho da iluminação espiritual. As idéias da Sociedade Teosófica foram misturadas ao ensino “cristão” de Mary Baker Eddy, além de dúzias de movimentos híbridos, no século 20. [N.T.: o Movimento A Palavra da Fé aderiu a grande parte desses ensinos místicos].

Mas, o predecessor mais próximo do Movimento Nova Era foi o Movimento Hippie dos anos 1960 e o anterior, Movimento dos Beatniks, nos anos 1950. Estes foram dois movimentos culturais e sociais que surgiram como uma reação ao materialismo predominante após a II Guerra Mundial.

Poetas, escritores, filósofos e intelectuais (tais como Alan Watts, Jack Kerouac, Allen Ginsberg, William Burroughs, and Gregory Corso), ansiavam por uma nova conscientização americana e popularizaram o uso da marijuana e a meditação oriental, na cultura do país. Nos anos 1960, as ideias de homens como Timothy Laeary tornaram-se progressivamente aceitáveis nos maiores segmentos da sociedade e o apelo dos grupos de música pop, tais como o Grateful Dead, o Jefferson Starship, os Doors, e os Beatles, deslancharam a revolução psicodélica e mística nos salões de milhões de adolescentes da classe média americana. Quando John Lennon, Paul MCartney, Ringo Starr e George Harrison começaram a seguir o guru Maharish Mahesh Yogi, fundador da Meditação Transcendental, milhões de americanos se juntaram a eles. Muitos dos movimentos espirituais do Movimento Nova Era, agora tão populares, são reavivamentos dos anos 1960 e 1970. De fato, muitos analistas sociais acreditam que o Movimento Nova Era é apenas uma tentativa de redescobrir os interesses dos anos 1960 e o idealismo do Movimento Hippie.

Contudo, o Movimento Nova Era tem feito alguns distanciamentos dos seus antigos predecessores, refletindo a “maturidade” dos seus seguidores. Tem havido um declínio na ênfase sobre o uso de drogas, em favor de uma alimentação saudável, da meditação, da canalização, dos cristais e da projeção astral. A canalização e a projeção astral substituíram a experiência psicodélica dos anos 1960, embora haja sinais de um possível ressurgimento do uso de LSD, através da obra de xamanistas modernos, como Terence McKenna e da popularidade do Instituto Albert Hoffman, em Los Angeles, o qual tenta defender novas experiências com o uso do LSD. (Alberto Hoffman foi um químico suíço, descobridor do LSD químico).

Práticas e Termos da Nova Era - Para se entender mais claramente o Movimento Nova Era, devemos entender alguns termos associados às práticas por ele empregadas.

Canalização - Esta prática não é nova. No Velho Testamento, ela é chamada mediunidade, consulta aos espíritos ou espiritismo. A canalização ou mediunidade acontece quando alguém, voluntariamente, rende-se a um espírito, entrando num estado de transe. A canalização tem existido durante séculos, conforme menção no VT. O Rei Saul consultava médiuns, em busca de respostas sobrenaturais. Na I Samuel 28:7-8 lemos: “Então disse Saul aos seus criados: Buscai-me uma mulher que tenha o espírito de feiticeira, para que vá a ela, e consulte por ela. E os seus criados lhe disseram: Eis que em En-Dor há uma mulher que tem o espírito de adivinhar. E Saul se disfarçou, e vestiu outras roupas, e foi ele com dois homens, e de noite chegaram à mulher; e disse: Peço-te que me adivinhes pelo espírito de feiticeira, e me faças subir a quem eu te disser”.

Saul sabia que era errado fazê-lo, por isso foi disfarçado até a feiticeira, após ter mandado exterminar todos os médiuns e espíritas de sua terra. Hoje em dia, existem vários canalizadores famosos: J. Z. Knight canalizava uma entidade chamada Ramtha; Jach Pusel canalizava Lázaro e existem milhares de canalizadores conhecidos, os quais dão consultas particulares e alguns até apresentam seus próprios shows na TV. Em alguns casos, esses canalizadores são falsos ou charlatães; mas alguns permitem que espíritos enganadores falem através deles. O Velho Testamento é muito específico na proibição da prática da canalização, consulta aos espíritos ou o uso de médiuns. Levítico 19:31 diz:

“Não vos virareis para os adivinhadores e encantadores; não os busqueis, contaminando-vos com eles. Eu sou o SENHOR vosso Deus”. [N.T.: Esta foi a maneira do Senhor proteger o Seu povo contra o engodo satânico]. Shirley MacLaine, Kevin Ryerson, Jana Roberts. J. Z. Knight, Jach Pusel e outros que estão praticando e incentivando o uso da canalização podem parecer pessoas compassivas e inteligentes. Mas, as práticas da canalização e da consulta aos espíritos contradizem os ensinos do Velho e Novo Testamentos.

Astrologia - Mais uma prática da Nova Era que remonta à história antiga. A antiga Torre de Babel, construída por Nimrode, era de fato uma gigantesca plataforma astrológica. O profeta Isaías admoesta contra a prática da Astrologia, conforme Isaías 47:13:14: “Cansaste-te na multidão dos teus conselhos; levantem-se pois agora os agoureiros dos céus, os que contemplavam os astros, os prognosticadores das luas novas, e salvem-te do que há de vir sobre ti. Eis que serão como a pragana, o fogo os queimará; não poderão salvar a sua vida do poder das chamas; não haverá brasas, para se aquentar, nem fogo para se assentar junto dele”. Todos os profetas do Antigo Testamento ensinaram uma teologia que não incluía a Astrologia.

Linda Goodman é uma das mais famosas astrólogas da nossa época, tendo vendido mais de 60 milhões de cópias dos seus dois livros sobre Astrologia - “Star Signs” e “Love Signs”. Estes livros foram traduzidos em mais de 15 idiomas e ela tem recebido direitos autorais de milhões de dólares das companhias publicadoras. Ela não é uma astróloga fatalista, das que acreditam que tudo está escrito nas estrelas. Dois temas emergem de suas obras: 1) o tempo de fato não existe; 2) Quem aprende a se tornar um agente, em vez de um fantoche, pode superar o horóscopo. Numa entrevista com a revista Whole Life Times, Goodman responde às perguntas: “O que você acha que vai acontecer nesta Nova Era? Você diz em seus dois livros que este será um tempo de preparação para o aparecimento do Messias”. Goodman responde: “Eu também menciono no capítulo “Lexigrama” do “Star Signs” que a Segunda Vinda não será a de um homem descalço, flutuando em vestes brancas. Ela acontece em cada coração, quando cada homem ou mulher descobrir que também é um messias...”

Cristais - A marca registrada do Movimento Nova Era é o uso dos cristais. Recentemente, visitei a Livraria Bhodi Tree, na Avenida Meirose, em Los Angeles, popularizada por Shirley MacLaine em seu filme para TV e no livro “Out of Limb” (Fora do Limbo). Dentro da livraria, havia um grande sortimento de cristais à venda, bem como numerosos livros e revistas sobre o assunto. Supostamente, os cristais geram energia cósmica e facilitam um aprofundamento na conscientização da cura divina. Os cristais têm sido usados para tudo, desde o alívio da depressão até a expulsão de maus espíritos. Eles são na Nova Era uma espécie de panacéia.

[Há tempos], aconteceu um congresso de cristais em Los Angeles, quando notáveis preletores do mundo inteiro, como o cientista e escritor Marc Vogel, Uma Silbey (designer de jóias e escritora) e Katryn Raphael (curandeira profissional) fizeram palestras sobre as artes da cura e aplicações metafísicas dos cristais, Mineralogia e Geologia.

A Medicina da Nova Era e a Saúde Holística - O pensamento da Nova Era tem-se infiltrado na área da Medicina e tem começado a permear o pensamento dos médicos. Nesta área, é difícil discernir entre o que possam ser formas legítimas de Medicina embasadas nas técnicas médicas orientais e novas descobertas científicas e o que é da Nova Era e do ocultismo. Termos como: homeopatia, ervas, chacras, acupuntura, massagem tissular, terapia reik tibetana, kirliangrafia, eletro-acupuntura, equilíbrio mineral, ecologia clínica, hidroterapia do cólon, aminoterapia, aromaterapia, integração metabólica, bio-energia, essências florais e reflexologia são apenas algumas das tendências atualmente em vigor.

Paulo assim disse no Novo Testamento: “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” (1 Coríntios 6:19-20). Comer apropriadamente [N.T.: sem gula e sem excesso de gorduras e doces], usar ervas e vitaminas, fazer relaxamento, massagem terapêutica e exercícios físicos, são algumas dicas importantes para uma boa saúde. O problema é que algumas práticas da Medicina novaerense e de saúde holística movimentam-se numa direção que pode ser vista como ocultismo.

Meditação - Esta antiga prática hinduísta e budista envolve o esvaziamento da mente consciente dentro da pessoa, tornando-a um usuário passivo, a fim de “despertar a consciência divina dentro dela”, usando-se para isso um mantra. Quando se concentra na repetição do mantra, a mente, supostamente, torna-se ligada no que os místicos chamam “consciência mais elevada ou cósmica”. A meditação transcendental é uma parte integral da Nova Era. Existe uma diferença radical entre a oração e a meditação da Nova Era. A oração é a comunicação com Deus através do único Mediador, Jesus Cristo. Ela acontece pela oração verbal ou pela “oração no Espírito”. Ela é sempre dirigia à Pessoa de Deus Pai. Por outro lado, a meditação da Nova Era é um processo de esvaziamento mental, quando alguém focaliza um mantra, o qual é destinado a contatar uma divindade hinduísta. [N.T.: Os líderes da nova espiritualidade evangélica têm aconselhado orações repetitivas do tipo hinduísta, conforme eram feitas pelos místicos católicos, na Era das Trevas). A meditação cristã na Palavra de Deus não deve ser confundida com as formas de meditação da Nova Era. Certamente é proveitoso meditar na Palavra de Deus ou pensar de maneira concentrada no que Deus está realizando em nossa vida. O Salmo 119:99 diz: “Tenho mais entendimento do que todos os meus mestres, porque os teus testemunhos são a minha meditação”. Isto é completamente diferente da prática de abrir a mente à “consciência cósmica”.

Visualização - Antes de tudo, um certo grau de visualização é uma função normal e uma criativa ferramenta mental. Cada pessoa, antes de iniciar um determinado projeto, costuma empregar algum tipo de visualização, a fim de conseguir o seu objetivo. Muitos atletas usam um tipo de visualização, desenhando um quadro de vitória ou realizando uma determinada tarefa. Estudos demonstram que os bons pilotos de carros de corrida, com pouco registro de acidentes, visualizam ou fantasiam como sair de uma situação de risco, enquanto estação dirigindo. Quando encarados com um acidente em potencial, eles já têm programada na mente a ação que deve ser tomada, a fim de evitar o pior.

Certo grau de visualização é necessário para se realizarem atividades bem sucedidas na vida. Contudo, este tipo de visualização é totalmente diferente da que é usada no Hinduísmo xamanista de alguém como Shakti Gwaina, um guru autor da obra “Creative Visualization”, na qual ele ensina a técnica da visualização mística ou ocultista. Neste tipo de visualização, a mente ou poder mental se torna o deus ou fonte do poder. A pessoa começa a acreditar que pode controlar tudo em sua vida, através da visualização [N.T.: Alguns autores ditos cristãos ensinam amplamente este tipo de visualização, como por exemplo, Norman Vincent Peale, seu discípulo Robert Schüller e também alguns líderes da Palavra da Fé].

Quem assim age, começa a brincar de ser Deus, tentando controlar tudo através da visualização e acaba como Lúcifer, que aspirou ser superior a Deus.

“Overview of the New Age” - Paul McGuire
Traduzido e comentado por Mary Schultze, em 01/06/2009.

Fonte:
http://www.cpr.org.br

2 comentários:

Wilma Rejane disse...

Irmão Sammis,

Parabéns pela escolha do artigo! Muito bom! Li inteiro.Começei despretenciosamente e só parei no último parágrafo. Muito instrutivo.

Deus o abençoe.

Mayalu Moreira Felix disse...

Olá, tem surpresa pra você lá no Blog da Maya! Passa lá!

:)