sábado, 24 de agosto de 2013

Entrevista com a missionária Kelem Gaspar






Entrevista sobre a obra missionária

 1 - Temos certeza que muitas vezes já foi perguntado sobre como iniciou sua caminhada neste campo e não podemos deixar de perguntar–lhe. Conte–nos como foi que você “descobriu” que tinha um chamado missionário e se possui alguma impressão diferente daquela que tinha no inicio do chamado?

> Não aconteceu nada de sobrenatural no início da minha chamada, não vi um anjo, não ouvi uma voz, não recebi uma profecia, nada disso. Eu estava assistindo um culto, em que uma missionária pregou e falou sobre os desafios da obra de missões, essa palavra entrou no meu coração e eu tomei uma decisão: sacrifiquei meus projetos pessoais aos pés de Cristo e ofereci a Ele minha vida para seu serviço. Foi a melhor decisão que tomei em minha vida, Deus é absolutamente digno de confiança. Como a missionária trabalhava com índios, naturalmente foi o povo que me interessou também e, a partir desse momento, passei a me preparar para servir a esse povo.

2-Fale-nos da sensação de estar pela primeira vez no campo missionário e da sensação que foi “voltar à sua realidade”, o que muda nessa primeira vez? E essa mudança é passageira ou ficou marcada para a caminhada de missões?

> É uma mistura de sentimentos muito grande: medo do desconhecido, alegria em estar finalmente no lugar que Deus havia preparado para mim, saudades de casa, desejo de colher logo os primeiros frutos, enfim, não é fácil lidar com esse turbilhão de sentimentos. Tudo era diferente do que eu conhecia, tudo era novo, mas eu tinha uma certeza: eu estava ali para servir, não para ser servida. Eu não era a grande mãe branca que havia chegado com todas as respostas. Eu desenvolvi um grande respeito pelo povo e por sua maneira de viver, trabalhávamos juntos, comíamos juntos, tínhamos comunhão, tentei me adaptar ao máximo a essa nova maneira de viver. Readaptar-se à nova realidade depois da volta pra casa também não foi fácil. O que tornou a situação mais suportável foi a íntima compreensão de que nossa motivação está calcada no compromisso com Cristo e no amor às almas perdidas, e, diante disso,nenhum sacrifício deve ser considerado grande demais.

3- Sabemos que o missionário vai se deparar com muitas situações adversas, onde com certeza mexerão com suas emoções. Neste momento, como é lidar com esses extremos e seguir com a missão dada por Deus?

> Realmente são muitas as situações adversas. As crises emocionais são constantes. O missionário precisa entender acima de tudo que é um servidor e que não está na missão porque foi forçado; a decisão de servir foi tomada livre e conscientemente e, agora, espera-se dele que faça todo o possível por amor a Cristo e ao povo. Deus não prometeu conforto, não prometeu sucesso e nem ofereceu garantia de retorno, mas Ele assegurou estar conosco sempre, até o fim. Essa certeza nos sustenta e nos faz seguir adiante.

4 - Muitas pessoas sentem o chamado missionário, porém não sabem como proceder, muitos pensam que é pegar um avião e ir para África, outros, irem para Nordeste, Norte, Sudeste, enfim... Mas como você define missões? São lugares específicos ou são formas específicas, como: O sopão na madrugada, visita a hospitais e etc?

> Deus precisa de pessoas em todas as posições, e para Deus missões e evangelização são a mesmíssima coisa, ambos tem como objetivo levar as almas a Cristo. O cristão não pode ser apático ao ponto de não fazer nada diante da grande necessidade mundial. Sou favorável à ideia de que todos tem uma chamada tripla: todos devem orar por missões, todos devem investir financeiramente de alguma forma e todos devem ser testemunhas vivas de um Cristo vivo, ou seja, compartilhar o evangelho em todas as oportunidades possíveis. As almas têm o mesmo valor em qualquer lugar do mundo.Conheço pessoas que estão aguardando para ser uma bênção quando finalmente chegarem ao campo transcultural, porém enquanto esperam não produzem nada. Não acredite nesse tipo de chamada. Você quer ser missionário? Ótimo, agora vá ler biografias de missionários, vá estudar línguas, vá fazer um curso que lhe ajude no campo, tire seu passaporte, levante um trabalho na igreja local, ganhe almas, discipule, crie um novo projeto, dê frutos, enfim, faça a sua parte. Lembre-se, Deus faz o impossível, o absurdo, não.

5 – Missões, um lindo chamado, o qual precisa de compreensão, preparação e muita força de vontade. Por isso, gostaríamos de saber qual a maior decepção que o missionário pode ter no campo? E o que já a deixou surpreendida no campo missionário, segundo sua visão e experiência?

> Ser abandonado é um medo constante, tanto financeiramente, quanto espiritualmente ou emocionalmente. Existem muitos pastores não alcançados, que não têm responsabilidade, compromisso e amor pela obra e pelos obreiros. Esses pastores veem os missionários como pessoas de segunda classe e passam essa visão para a igreja; é por isso que muitos missionários recebem de oferta ventilador sem hélice, geladeira sem motor, ferro elétrico sem resistência e a “clássica” sacola com roupas usadas. Precisamos mudar a nossa visão e ver o missionário como ele realmente é: um embaixador do Reino.

6 – Como os índios, os quais você já evangelizou, assimilam a vida cristã em sua cultura? Como foi este choque cultural para quem queria levar Jesus para um povo que luta por sua própria cultura, que é diferente em quase 80% (ou até mais) da cultura vigente em seu país?

> Precisamos de atenção e de muita dependência de Deus para entender o que implica em salvação e o que não implica. O trabalho missionário não é criar uma filial de sua igreja no campo; a cultura deve ser respeitada ao máximo e devemos adaptar o que for possível à cultura local e aquelas questões que implicam de fato em condenação devem ser trabalhadas com cautela, sempre buscando soluções em oração.

7 - Compartilhe sobre o projeto que vocês desenvolvem hoje e como as pessoas que querem participar, de alguma forma, devem proceder?

> Estamos há oito anos no município de Maracanã, interior do Estado do Pará,na região amazônica. Aqui temos uma creche escola missionária que atende setenta crianças carentes da comunidade, onde elas são alfabetizadas, discipuladas, alimentadas e orientadas diariamente; não é um trabalho fácil, não temos ajuda da prefeitura e nem de nenhuma outra organização, mas Deus tem cuidado de nós. Vivemos exclusivamente na dependência de Deus, e Ele tem despertado pessoas para nos ajudar, sem que precisemos sair para pedir nada. Funciona assim: nós oramos e Ele desperta alguém para que a necessidade seja suprida. O dinheiro de Deus está no bolso dos crentes. É uma verdadeira parceria, uma sociedade. A única obra que Deus fez sozinho foi a da criação; para todas as outras, Ele opera no homem e através do homem. Desenvolvemos também um curso de missões transculturais que prepara jovens missionários para alcançarem indígenas, ribeirinhos, quilombolas e povos minoritários. Os alunos aprendem disciplinas missiológicas, ministradas por excelentes professores, mas não nos esquecemos de também treiná-los para o dia a dia do campo missionário: eles moram em casas de barro, carregam água, comem comidas típicas, enfim procuramos antecipar o cenário que ele encontrará no campo. Se o aluno não tiver chamada divina e disponibilidade para sofrer as privações que esse tipo de obra acarreta, é melhor que ele descubra isso aqui do que depois de ter sido enviado. Não é fácil manter esse curso, mas Deus tem cuidado de nós. Além desses dois trabalhos, desenvolvemos algumas obras missionárias paralelas, como na “Ilha do Derrubado” e no "Bacabal" (localidades isoladas dentro do Município de Maracanã), também mantemos um casal de missionários no Peru, entre os índios kulinas e kashinauás. Todas essas obras são em áreas carentes e de difícil acesso, e para todas elas precisamos de apoio espiritual, emocional e financeiro. 
Para aqueles que se sentirem tocados por Deus, podem ajudar de muitas maneiras, como mandar qualquer encomenda para: PA 127, km 39, Ramal Caiacá, 05, Maracanã-Pa. CEP 68.710-000. (podem ser livros, brinquedos, material escolar, objetos de uso pessoal, material de escritório, enfim, qualquer coisa que Deus tocar no seu coração) ou se comprometer com uma oferta mensal de qualquer valor, que pode ser depositada no: Banco do Brasil, Ag. 1436-2, conta corrente nº 6993-0 ou Bradesco Ag. 0697, conta corrente nº 523.164-7. Também podem vir nos visitar ou nos adotar em oração, afinal a obra missionária nasce de joelhos e é de joelhos que ela se sustenta.
Kelem Gaspar


Um comentário:

Missionário Fábio Charles disse...

Bendito seja o nome do Senhor. Ele tem levantado os Seus que não se pendem ao passageiro mas ao que é eterno. Por isso a graça, o cuidado, a amor os sustentam.