quarta-feira, 16 de abril de 2008

BEBÊS PARA SEREM QUEIMADOS

Carlos Heitor Cony (Folha de S. Paulo, de 11.4.2008) resenha o livro "Babies for Burning" (Londres: Serpentine Press), em que Michel Litchfield e Susan Kentish entrevistam um médico de uma clínica de abortos na Inglaterra.
Em um dos trechos, o médico diz:

"Fazemos muitos abortos tardios, somos especialistas nisso. Faço abortos que outros médicos não fazem. Fetos de sete meses. A lei [inglesa] estipula que o aborto pode ser feito quando o feto tem até 28 semanas. É o limite legal. Se a mãe está pronta para correr o risco, eu estou pronto para fazer a curetagem. Muitos dos bebês que tiro já estão totalmente formados e vivem um pouco antes de serem mortos.
Houve uma manhã em que havia quatro deles, um ao lado do outro, chorando como desesperados. Era uma pena jogá-los no incinerador porque tinham muita gordura que poderia ser comercializada. Se tivessem sido colocadas numa incubadeira poderiam sobreviver, mas isso aqui não é berçário.

Não sou uma pessoa cruel, mas realista. Sou pago para livrar uma mulher de um bebê indesejado e não estaria desempenhando meu oficio se deixasse um bebê viver. E eles vivem, apesar disso, meia hora depois da curetagem. Tenho tido problemas com as enfermeiras, algumas desmaiam nos primeiros dias."




www.prazerdapalavra.com.br

2 comentários:

Faculdade de Teologia disse...

Muito interesante seu post!!! Que Deus continue lhe usando poderosamente!!!!!!!!!!
Abs!
Faculdade Teológica

Faculdade de Teologia disse...

Muito interesante seu post!!! Que Deus continue lhe usando poderosamente!!!!!!!!!!
Abs!
Faculdade Teológica